Vulcabras Azaleia compra Mizuno no País

Buscar

Vulcabras Azaleia compra Mizuno no País

Buscar
Publicidade

Marketing

Vulcabras Azaleia compra Mizuno no País

Marca japonesa encerrou parceria de mais de 23 anos com a Alpargatas, dona da Havaianas, em uma negociação avaliada em de R$ 200 milhões


21 de setembro de 2020 - 10h17

Campanha Mizuno, com realidade aumentada, em 2019 (Crédito: Divulgação)

Nesta segunda-feira, 21, a Mizuno anunciou um novo parceiro comercial no Brasil. A marca encerrou seu contrato com a Alpargatas, que há 23 anos detinha o direito de produzir e vender os produtos da japonesa no País, e passa a trabalhar com a Vulcabras Azaleia . O movimento reforça a atuação da Vulcabras no segmento esportivo. A companhia já era detentora da Olympikus e, em 2018, adquiriu a operaçao da Under Armour no País.

O fechamento da negociação está condicionado à conclusão dos contratos com a Mizuno Corporation e autorização do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Em nota, a Alpargatas afirmou que a venda foi realizada por cerca de R$ 200 milhões e não inclui as fábricas. A Vulcabras vai produzir Mizuno em suas próprias unidades, enquanto Alpargatas vai remodelar sua operação para produzir Havaianas.

Em 2014, a Alpargatas havia anunciado a renovação do acordo com a Mizuno por 13 anos. Em comunicado, Pedro Bartelle, CEO da Vulcabras, comentou o movimento. “Adquirimos a robusta operação da Mizuno no Brasil para ampliar ainda mais a nossa relevância no segmento de artigos esportivos”, justificou o executivo. Em 2019, a Mizuno faturou R$ 444 milhões no Brasil.

*Crédito da foto no topo: JBKdviweXI/ Unsplash

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Masp vai hastear bandeira LGBT+ durante a Parada de São Paulo

    Masp vai hastear bandeira LGBT+ durante a Parada de São Paulo

    Iniciativa inédita foi idealizada pelo Castro Festival e viabilizada pela marca Amstel

  • Para líderes, investimento em ESG está conectado à reputação

    Para líderes, investimento em ESG está conectado à reputação

    Pesquisa indica motivações de CEOs e C-level para adoção de práticas de ESG; alta gestão aponta, ainda, imagem da marca e melhora na gestão da empresa