Simba planeja criar “Canal do Chaves”

Buscar

Mídia

Publicidade

Simba planeja criar “Canal do Chaves”

Produto será um dos novos canais que a joint venture de conteúdos pretende lançar para fortalecer presença na TV por assinatura

Bárbara Sacchitiello
24 de abril de 2017 - 17h09

Chaves-Barril

(Crédito: Divulgação)

Um canal de TV por assinatura que exiba, 24 horas por dias, episódios dos seriados Chaves e Chapolin, sucesso entre diferentes gerações, pode se tornar realidade em breve. A Simba Content, joint venture formada por SBT, Record e RedeTV, começa a planejar a criação de novos canais que podem entrar na grade das operadoras de TV paga – assim que as negociações com tais empresas tiverem uma conclusão positiva.

De acordo com informações obtidas pela reportagem, a Simba Content começa a formular algumas ideias de canais que podem compor o pacote da empresa que, por enquanto, é restrito aos programas de SBT, Record e RedeTV. A ideia é aproveitar o conteúdo e até mesmo a equipe desses três veículos para produzir novos formatos.

Segundo fontes envolvidas no processo, uma das ideias da joint-venture é criar um canal apenas para exibir episódios dos seriados Chaves e Chapolin. A Simba Content e o SBT já teriam, inclusive, iniciado conversas com a Televisa, rede de televisão mexicana detentora dos direitos das séries, para viabilizar o projeto. A ideia foi inspirada no pedido de muitos dos fãs dos seriados, que sempre protestam quando ao SBT retira o Chaves do ar em algumas mudanças de programação.

Além do famoso personagem da Vila, a Simba também estuda a criação de um canal de documentários, um de game-shows e variedades – que reunirão programas já exibidos no SBT, Record e RedeTV – e também teria atrações inéditas e um outro canal apenas para exibir programas e itens de acervo dos três canais (do mesmo estilo do canal Viva, da Globosat, que resgata produtos de sucesso da grade da Globo).

Por enquanto, não foram definidas datas e nem planos mais concretos para a viabilização dos novos canais. A Simba Content ainda concentra suas forças nas negociações com as operadoras de TV para colocar no ar o sinal de SBT, RedeTV e Record de novo na TV paga. Desde quando o sinal analógico de TV foi desligado na Grande São Paulo, a VivoTV é a única operadora que manteve o sinal dos três canais.

Esse quadro, no entanto, pode mudar ainda esta semana. A Simba Content avançou nas negociações com a Oi e também com a Net e Claro. Com a Vivo, que sempre abriu o diálogo com a joint-venture, falta apenas definir questões de preço. A única operadora que ainda não conversou com a Simba é a Sky.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Record

  • redetv

  • SBT

  • Chaves

  • Conteúdo

  • Simba Content

  • TV Paga

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

  • Lio Campos

    Eu estou mundando da NET para a VIVO por que esta negociação esta muito lenta..é um saco ficar sem SBT REDE TEVE E RECORD …um saco..não me conformo com a falta de iamginação do pessoal da net achar que iam sobreviver ..sem os canais..

    • Carlos Zaga

      va si fude petralha

    • isso mesmo Lio, MUNDA pra VIVO

  • Andre Fros

    vai com deus!! fico aqui na sky sem essas tvs

  • Luciana Lelis

    To me lixando para esses canais. O que a simba quer é punir os assinantes da tv a cabo por deixarem de assistir seus canais. Mas pra mim não importa, não pago tv por assinatura pra ficar assistindo essas porcarias. Esses “artistaszinhos” ficam lá reclamando que as operadoras não pagam eles, coitados, tão “pobrezinhos” né que precisam de 15 reais do assinante para sobreviver. Não pago nenhum centavo para eles manterem salários milionários, enquanto o consumidor tem que se virar para conseguir acomodar mais essa despesa.