Produtoras in-house em agências: de onde vem a demanda?

Buscar

Produtoras in-house em agências: de onde vem a demanda?

Buscar
Publicidade

Comunicação

Produtoras in-house em agências: de onde vem a demanda?

Agências explicam as necessidades por trás da criação das produtoras internas, que foram alvo de questionamentos por parte da Apro

Fill out the form below to send a message:


30 de novembro de 2023 - 6h00

Produtoras In-House: o dilema das agências e dos anunciantes

Produtoras In-House: o dilema das agências e anunciantes (Crédito: Alisaaa/Adobe Stock)

Há cerca de vinte dias, a Associação Brasileira de Produção de Obras Audiovisuais (Apro) manifestou o desconforto em relação à criação de estruturas internas de produção nas agências de publicidade. Em resposta, a Associação Brasileira das Agências de Publicidade (Abap) abriu o debate com o mercado na tentativa de discorrer sobre possíveis soluções para esse dilema.

Para a presidente da Abap, Marcia Esteves, os papéis de cada agente de produção se mesclaram nos últimos anos. “O anunciante deixou de apenas anunciar e passou a produzir conteúdo, editar cultura e interagir de maneiras múltiplas com seu consumidor”, diz. A Abap pretende elaborar um grupo para construir um relatório semelhante ao Guia de Diretrizes de Compliance. Em caráter informal, executivos da Africa Creative estão envolvidos nesse debate.

Além disso, o grupo de trabalho tem como objetivo estabelecer alicerces e definições sobre os determinados tipos de processos que serão considerados in-house. Por exemplo: se um produtor de conteúdo que trabalha em uma agência faz um filme para redes sociais com a câmera do seu celular, isso se enquadraria como produtora in-house? “Sempre haverá um novo incômodo gerado pela rapidez das transformações tecnológicas e estaremos sempre aberto como ponto de encontro para discutir tendências e buscar melhores práticas”, diz Marcia.

Por que as agências criaram as produtoras in-house?

A vice-presidente de atendimento da Africa Creative, Verônica Gordilho, acredita que essa mudança dos negócios partiram dos clientes. À medida que as marcas passaram a exigir mais prontidão nas entregas, diz, as agências com condições para manter times internos de produção assim o fizeram. “A escolha do final é do cliente. Muitas vezes queremos o orçamento mais caro por causa da qualidade, tem cliente que topa e tem outros que não”, ressalta.

Todavia, as in-houses, no conceito da executiva, trabalham com desdobramentos práticos e, portanto, são acionadas para a realização de produções mais pontuais e, portanto, que exigem menores investimentos. Na Africa, por exemplo, quando é preciso fazer uma produção audiovisual são abertos três orçamentos. Dentro desse processo, a Massaí, produtora in-house da agência, também disputa no mercado com as demais produtoras do mercado.

Veronica conta que a Natura é um dos clientes que está muito envolvido nesses processos de produção. Verônica conta que a marca incentiva pequenas produtoras à fazerem alguns tipos de trabalho, como cobertura de eventos. “Muitas vezes a Natura quer fechar com a produtora lá da Amazônia, por exemplo”, conta.

Já a Wieden+Kennedy São Paulo tem a Joint, que, segundo André Gustavo, presidente da agência na América Latina, oferece mais agilidade nos processos de ajustes das peças. “A Wieden trouxe edição, finalização, cópia e efeitos para dentro porque isso nos dá muita liberdade de trabalhar com os melhores profissionais. Posso, por exemplo, chamar o melhor editor ou o melhor diretor para determinado tipo de filme. E, por ser uma uma sala no mesmo prédio, o criativo pode ir lá acompanhar o processo e mexer no trabalho, em vez de devolver para a produtora e levar mais dois dias para receber de volta. Esse vaivém do processo de pós-produção se torna infinitamente mais rápido”. Segundo ele, a criação da house não causou nenhum tipo de desgaste com as produtoras.

Produtoras diversificam atuação

Em 2010, a Trio Hub nasceu como uma produtora focada em audiovisual e fotografia dedicada exclusivamente para publicidade. Segundo os executivos, a proposta era criar um modelo de negócio que permitisse cobrir toda a jornada cinematrográfica das marcas.

“As in-houses sempre prejudicaram as produtoras. Enquanto produtora, nós sempre sofremos com essa desvantagem e esse foi um dos motivos que nos fizeram a entrar mais em tecnologia e investir na capacitação de pessoas”, diz Luciano Mathias, CCO da Trio Hub. Ele também destaca que a IA será um desses futuros disruptivas e inevitáveis.

Contudo, após a reestruturação no negócio, a Trio Hub tornou-se um hub de comunicação que passou a atender diretamente as marcas. Um dos focos da Trio é oferecer serviços que utilizem das tecnologias vigentes e expoentes, como a inteligência artificial e Web3, para construção das peças. Outro diferencial da Trio Hub é a personalização dos times de colaboradores, tendo em vista que o hub busca no mercados os especialistas para cada tipo de demanda.

Com isso, a Trio Hub criou a primeira campanha de TV do marketplace asiático Shein, com participação de Virgínia e Zé Felipe. O primeiro passo da estratégia foi o mapeamento de tendências e de social listening. Em seguida, todos os protótipos e algumas peças foram desenvolvidas por IA. “Levantamos uma campanha em dez dias”, comenta. Além do mais, a Trio Hub tem trabalhado em consultorias de tecnologia e em parcerias para projetos com agências, como Red Fuse, AlmapBBDO, Wunderman Thompson, Artplan, DM9, entre outras.

 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Conar abre processo para julgar vídeo de Burger King com Kid Bengala

    Conar abre processo para julgar vídeo de Burger King com Kid Bengala

    Conselho de ética da entidade irá avaliar o teor do vídeo e a responsabilidade do anunciante na campanha

  • Itaú estreia filme criado e dirigido por Madonna

    Itaú estreia filme criado e dirigido por Madonna

    Comercial irá ao ar nesta quarta-feira, 21, no intervalo do Jornal Nacional, na TV Globo; esta é a primeira vez que um filme do banco é criado e dirigido por um artista