Redatora morre após trabalhar 3 dias seguidos

Buscar

Comunicação

Publicidade

Redatora morre após trabalhar 3 dias seguidos

Orgulhosa de seu empenho, Mita Diran postou em sua conta pessoal no Twitter ?30 horas de trabalho e ainda estou firme e forte?


16 de dezembro de 2013 - 11h31

A redatora Mita Diran, da Y&R da Indonésia, morreu após cumprir uma jornada de três dias seguidos de trabalho. Segundo a imprensa local, Mita faleceu após combinar excesso de trabalho com abuso no consumo de Kratingdaeng, versão tailandesa de Red Bull.

De acordo com um print screen feito de uma conversa entre Yani Syahrial, pai de Mita, que é diretor executivo de criação de outra agência (não revelada), e um funcionário seu, Mita trabalhou além de seu limite. O funcionário, preocupado, repassou a mensagem com a ressalva: “Por favor, saibam os limites de seu corpo, não se esforce tanto”.

wrapswrapswraps
Em nota na página oficial no Facebook e também no Twitter, a agência lamentou a morte da profissional. Confira a carta escrita abaixo:

“Caros amigos e colegas da publicidade e marketing,

É com o coração pesado e profunda tristeza que temos de informar que perdemos nossa amiga, irmã, e colega de trabalho, Mita Diran, no início desta noite. Mita era uma talentosa redatora com um sorriso gentil que sempre viverá em nossos corações.

Fomos à residência da família de Mita hoje à noite e expressamos as nossas sinceras condolências , em nome do Grupo Y&R Indonésia. É uma grande perda e desejamos que a família de Mita tenha fé e força um no outro para passar por este momento extremamente difícil.

Amanhã, 16 de dezembro, vamos fechar o escritório para prestar as nossas últimas homenagens a Mita em seu funeral, no cemitério Jeruk Purut às 10 horas. Vamos todos ter um dia de silêncio amanhã e dar à família de Mita o apoio e as orações que eles precisam, do fundo de nossos corações .

Atenciosamente, Y&R Grupo Indonésia”

Em maio deste ano, a Ogilvy China também perdeu um funcionário por excesso de trabalho. Li Yuan trabalhava na Ogilvy PR em Pequim onde teve um ataque cardíaco após encarar jornadas de 14 horas diárias por mais de um mês. O jovem de 24 anos morreu na própria agência. 

Publicidade

Compartilhe