WPP recebe crédito de governo do Reino Unido

Buscar
Publicidade

Comunicação

WPP recebe crédito de governo do Reino Unido

Segundo informações do AdAge, holding teria acesso a cerca de US$ 747 milhões por meio de programa que apoia empresas durante a pandemia


4 de maio de 2020 - 14h25

De acordos com fontes anônimas, WPP teve o empréstimo aprovado, mas ainda não acessou o dinheiro (Crédito: Associated Press)

Por Lindsay Rittenhouse, do AdAge

O Grupo WPP teria conseguido acesso a cerca de US$ 747 milhões em crédito por meio do programa Covid Corporate Financing Facility, do governo do Reino Unido. A informação foi noticiada pelo AdAge.

Mark Read, CEO da WPP, afirmou recentemente ao jornal The Telegraph que a holding havia se inscrito para o programa de empréstimos do banco e tesouro da Inglaterra. De acordo com fontes anônimas, o WPP já teria aprovação para o empréstimo, mas ainda não teria recebido o dinheiro. Questionada pelo AdAge, a holding preferiu não comentar o assunto.

De acordo com documentos do WPP, o grupo possui cerca de US$ 5,5 bilhões em liquidez e aproximadamente US$ 3,5 bilhões em “outros recursos”, que incluiriam os fundos do governo. Uma fonte próxima aos negócios da companhia afirma que esses recursos estariam disponíveis caso a empresa precisasse acessá-los, mas que ela ainda não o fez.

O governo do Reino Unido anunciou em março uma série de medidas temporárias, incluindo o programa CCFF, segundo o qual “empresas que fazem uma contribuição material” para a economia do país podem tomar empréstimos por até um ano em termos comparáveis aos disponíveis antes da crise causada pelo novo coronavírus. O crédito deveria ser usado “para pagar salários e fornecedores, mesmo com sérias perturbações nos fluxos de caixa”.

Os requisitos para o programa CCFF estipulam que os destinatários devem ser empresas sediadas no Reino Unido, incluindo as que contam com filiais estrangeiras, e que gerem um número significativo de empregos na região. O governo também afirmou que vai considerar companhias que gerem receita para o Reino Unido, sirvam a um grande número de cidadãos locais ou possuam unidades operacionais no país.

O WPP, maior holding de agências do mundo, tem sua sede localizada em Londres, mas a maior parte de seus negócios acontece fora do Reino Unido. Segundo balanço financeiro, em 2019, apenas 12,8%, o equivalente US$ 1,77 bilhões dos US$ 13,8 bilhões de sua receita total ao redor do mundo, foram gerados no país.

Alguns analistas questionam se o programa CCFF foi realmente estabelecido para ajudar empresas como o WPP. “As grandes holdings têm o mercado para apoiá-las, realinhando seus negócios para o crescimento”, afirma Greg Paull, co-fundador e diretor da R3. “Não parece apropriado que os governos as apoiem da mesma maneira que estão fazendo com pequenas empresas, que realmente atuam localmente”.

No entanto, uma fonte próxima à situação disse que o governo do Reino Unido possui programas separados que fornecem crédito para pequenas e grandes empresas, para que nenhuma das partes seja comprometida. Segundo o jornal The Financial Times , muitos varejistas do Reino Unido tiveram seus pedidos de empréstimo do CCFF rejeitados. Segundo relatórios do veículo, entre os maiores varejistas de capital aberto, apenas a Next , Marks and Spencer e Associated British Foods, proprietária da Primark, receberam crédito. De acordo com informações do The Guardian, a Virgin Atlantic, de Richard Branson, tentou garantir 500 milhões de libras do CCFF, mas teve sua solicitação negada.

*Tradução: Taís Farias

**Crédito da foto no topo: iStock

Publicidade

Compartilhe

Veja também