Os desafios de comunicação do Movimento Unidos Pela Vacina

Buscar

Comunicação

Publicidade

Os desafios de comunicação do Movimento Unidos Pela Vacina

Projeto, que conta com trabalho voluntário das agências África, Ogilvy, Tag e Inpress, visa derrubar as resistências das pessoas sobre imunização e auxiliar os municípios brasileiros

Carolina Huertas
3 de maio de 2021 - 16h18

(Crédito: Reprodução)

Criado em fevereiro deste ano, o Movimento Unidos Pela Vacina já reúne mais de 3 mil pessoas em todo País, de empresários à artistas, com o propósito de tornar viável a vacinação de todos os brasileiros até setembro de 2021. Nascida a partir da iniciativa de Luiza Helena Trajano, a iniciativa tem a coordenação central liderada por dez empresários. Segundo Eduardo Sirotsky, líder do subgrupo de comunicação da iniciativa, este é um movimento da sociedade civil com espírito público, apartidário, sem interesses comerciais e composto por pessoas que querem ajudar o Brasil a enfrentar esse problema que tira vidas e que atrasa a economia através da mobilização e engajamento social.

Para ter uma noção real dos obstáculos existentes, o movimento realizou no início de abril, junto ao Instituto Locomotiva, a maior pesquisa já feita com secretários de saúde brasileiros, entrevistando os gestores de saúde de 99,99% dos 5.570 municípios do País. As organizações descobriram que 54% dos municípios dizem ter a necessidade de campanhas de incentivo para adesão às medidas adotadas, já que nessas cidades metade ou menos da população está seguindo as recomendações.

“A nossa campanha de comunicação é fundamental para que as pessoas não tenham nenhum tipo de resistência e entendam que a vacina é importante. Queremos lembrar as pessoas do seu dia e hora de vacinar, da necessidade dos cuidados como usar máscara, manter o distanciamento social e fazer a higiene. E essas mensagens precisam chegar. Existem camadas da sociedade que apresentam resistência maior do que as outras, regiões do País que tem mais dificuldade do que as outras. E a comunicação tem o objetivo de passar essa informação e de dar visibilidade para que as pessoas se mobilizem para doar, para que possam abrir seus espaços e contribuir para o projeto. Assim, teremos um processo mais eficiente, menos pessoas vão morrer e mais rapidamente a economia vai voltar” comenta.

A campanha conta com peças offline, online e spots de rádio que englobam inclusive a CUFA (Central Única das Favelas), com direcionamentos para os jovens, crianças, pessoas de idades e grupos sociais variados. Esses conteúdos foram produzidas pelos os integrantes do subgrupo de comunicação, contou com a contribuição das agências África, Ogilvy, Tag e Inpress de forma voluntária, além da participação de  Nizan Guanaes e de veículos de comunicação que abriram espaços editoriais e publicitários para que as mensagens pudessem ser veiculadas. Sirotsky agradece a toda a ajuda já realizada e afirmou que sem isso, não conseguiriam chegar onde estão e construir uma autoridade para mobilizar toda a sociedade em torno desse tema importante.

Neste caminho, ele ressalta a importância da comunicação para uma construção de marca e um real impacto. “Em pouco mais de seis semanas, conseguimos construir uma marca com credibilidade, legitimidade e alcance nacional. Isso mostra que quando a mensagem é bem desenhada, com um produto ou uma causa forte, e usa os meios adequados para a construção dessa narrativa, existe a capacidade de construção de marca forte. Sabemos que para isso, às vezes, é preciso anos, mas esse estímulo de mobilização da sociedade civil aconteceu de forma intensa no setor de comunicação. A comunicação criativa, o jornalismo profissional, foram várias áreas que se juntaram em torno de uma causa tão importante e eu gostaria de valorizar diz.

As fases e os impactos da campanha  

 A primeira fase da campanha de comunicação do Unidos Pela Vacina teve o objetivo de criar awarness para o processo, tornando o movimento conhecido e gerando adesão de pessoas, cidadãos e empresas. Agora, a segunda fase tem objetivos igualmente importantes: divulgar as entregas que estão sendo feitas, muitas vinculadas com parceiros, e continuar a forte divulgação para que a mensagem chegue na ponta de todos os municípios. Essas duas novas metas têm o objetivo conjunto que enfrentar  dois grandes obstáculos: a estruturação da vacinação e a proteção da população. 

Essas iniciativas tentam enfrentar os desafios detectados na pesquisa realizada, que também apontou a necessidade de reforço e melhoria de estrutura para enfrentar a pandemia. Dentre todos os municípios pesquisados, 40% não têm geladeira com medição de temperatura e alarme em boas condições, equipamento fundamental para armazenar o imunizante e mitigar o risco de perda de doses; em 35% deles, a sala de vacinação precisa de adequações; em 19% dos postos não há internet para o registro de imunização; 12% deles não possuem computadores e 15% apontam necessidades básicas para de equipar as salas com itens como pia com água, sabonete e papel toalha, caixa coletora de perfurocortantes, etc.

Buscando ajudar nesses pontos, o grupo Positivo doou computadores para 15 cidades de sete estados brasileiros para serem utilizados por secretarias municipais de saúde no registro e contabilização dos dados de vacinação e a Whirlpool doou 10 equipamentos de ar-condicionado e 10 refrigeradores. No sistema de apadrinhamento, o Instituto Alok apadrinhou quatro municípios: Alto do Paraíso (GO), Cavalcante (GO), Góias Velho (GO) e Ituberá (BA), com doações de câmaras refrigeradas, termômetros digitais, caixas térmicas e bobinas, e a Natura apadrinhou o estado do Pará.

Após essas duas fases já vivenciadas, a iniciativa ainda não tem um terceiro momento planejado. De acordo com o diretor, este é um trabalho contínuo que vai se renovando, com metas que vão sendo estabelecidas a partir da identificação dos obstáculos encontrados e dentro disso a comunicação é muito ágil, tem o pulso do que tá acontecendo.

Duas das estratégias deste momento são também as cidades-piloto, Maranguape (CE), Nova Lima (MG) e Rio de Janeiro (RJ), no qual são testadas soluções inovadoras para que possa ser replicado para outros estados e a divisão de empresários e integrantes do Grupo Mulheres do Brasil para coordenar localmente os municípios, com um integrante para cada estado brasileiro.

Neste momento, o que o movimento pede é um apoio dos veículos de comunicação, a continuidade daqueles que já cederam seus espaços e a adesão da causa para aqueles que ainda não participaram, principalmente os veículos regionais para um impacto mais setorizado. “Hoje nós temos lideranças em todos os estados do Brasil que representam o movimento pra dar agilidade e pra identificar os problemas que cada um dos estados tem. Então, precisamos que essas mídias locais abram o espaço para nos ajudar na divulgação” comenta Sirotsky. 

Publicidade

Compartilhe