Estudo aponta causas que direcionam marcas em 2019

Buscar

Marketing

Publicidade

Estudo aponta causas que direcionam marcas em 2019

Cause mapeou os 37 temas que devem guiar as iniciativas das organizações com propósito

Renato Rogenski
27 de fevereiro de 2019 - 6h00

Estudo mapeou 37 temas (Crédito: Rochelle Brown/ Unsplash)

Abraçar um propósito vai muito além de uma campanha pontual. E se a prática precisa ser alinhada com o discurso, antes da ação está a observação. Faz parte do pacote monitorar as causas para entender o contexto e todos os seus desafios e oportunidades. Com base nessa demanda de mercado, a Cause, consultoria de identificação e gestão de causas, mapeou os 37 temas que devem pautar as organizações com propósito em 2019.

O estudo está dividido em cinco grandes blocos, percorrendo as áreas de cultura, grupos identitários, meio ambiente, saúde e tecnologia. Há também dois recortes geográficos, sobre o panorama global e o cenário nacional. Nele, ganham destaque assuntos que foram pautados pela imprensa nacional e estrangeira, em 2018, contextualizados com dados coletados em órgãos oficiais e institutos de pesquisa.

“O guia é um mergulho nos assuntos que despertam o espírito crítico mas também um estímulo para nos colocarmos ao lado de organizações que têm a coragem de encarar esse momento de transformações e fazer a diferença. Esperamos que esses temas inspirem as companhias a olhar para o seu propósito sob um novo viés: o da sociedade que pulsa e demanda”, explica a CEO da Cause, Francine Lemos.

Alguns dos principais insights:

Grupos Identitários
Um dos mais delicados e potentes pilares de causas dos novos tempos, o tema destaca tópicos como a valorização da cultura indígena, ações afirmativas para combater o racismo e a redução do feminicídio. Um ponto que também merece toda a atenção é a visibilidade trans. Vale observar que, no ano passado, o STF determinou que pessoas transexuais e transgêneros podem mudar o nome no registro civil mesmo sem cirurgia de redesignação. O que esse público espera? Mais reconhecimento no mercado de trabalho. Recentemente, empresas como C&A e Carrefour ampliaram a contratação e integração de pessoas trans. Neste assunto, a pesquisa recomenda que as empresas fiquem de olho nos seguintes atores sociais: Linn da Quebrada (atriz e cantora trans), Daniela Veja (atriz trans chilena), Amara Moira (escritora, doutora em literatura e ativista) e Victor Madrigal-Borloz (jurista porto-riquenho).

Meio Ambiente
Dentro deste tópico, entre os assuntos mapeados pelo estudo estão o combate às mudanças climáticas, a poluição de oceanos e ao desmatamento, além da luta pela conservação das espécies. Destaque também para a prevenção de desastres socieambientais. Vale lembrar que, em um intervalo menor que quatro anos, o Brasil enfrentou duas tragédias envolvendo as barragens de Minas Gerais. Entre os personagens para prestar atenção estão Al Gore (ex-vice-presidente dos EUA e Prêmio Nobel da Paz), Leonardo Di Caprio (ator e ativista), Ricardo Augusto Felício (especialista da USP) e Greta Thunberg (ativista sueca).

Saúde
Outra plataforma importante da sociedade. Neste caso, o holofote das causas está em assuntos como imunização infantil, maconha para uso medicinal, bioética e a prevenção da Aids entre jovens. Outra questão que chama muita atenção no estudo é a saúde mental. Segundo a Organização Mundial da Saúde, até 2020, a depressão – que atinge mais de 320 milhões de pessoas – será a doença mais incapacitante do mundo. Entre os nomes recomendados para acompanhar nesta causa, segundo o estudo, estão Andrew Solomon (escritor), Christian Dunker (psicanalista), Demi Lovato (cantora) e Luiz Henrique Mandetta (Ministro da Saúde).

Tecnologia
Força motriz da inovação, a tecnologia puxa causas como mobilidade autônoma, regulamentação da inteligência artificial e proteção de dados. Destaque também para o acesso livre à internet. No início de 2019, a Câmara dos Deputados arquivou um projeto de lei que tornava o acesso universal à internet direito fundamental garantido pela Constituição. Os nomes para seguir no assunto, segundo a Cause, são Renata Abreu (deputada federal), Marina Pita (membro do conselho diretor do coletivo Intervozes), Sonia Jorge (diretora executiva da Alliance for Affordable Internet) e Houlin Zhao (secretário-geral da União Internacional de Telecomunicações).

Cultura
Na pauta cultural, estão em alta causas como a defesa dos mecanismos de incentivo, a preservação do patrimônio histórico, apoio a leitura e representatividade racial nas artes. Um dos tópicos mais quentes é a liberdade de expressão artística. Vale lembrar que, recentemente, a censura prévia aos espetáculos “O Evangelho Segundo Jesus”, “Rainha do Céu” e do coletivo “És Uma Maluca” gerou reações da sociedade e dos artistas. Sobre o tema, o estudo recomenda um olhar de acompanhamento em pessoa como Magno Malta (Ex-senador do Espírito Santo), Ai Weiwei (artista plástico), Sara Whyatt (especialista em advocacy) e Tania Bruguera (artista cubana).

Panorama Nacional
O estudo também propõe um recorte brasileiro de causas. Entre as mais urgentes estão a crise imigratória, segurança pública, redução da desigualdade, reforma da previdência e combate ao assédio e à corrupção. As duas últimas têm sido bastante rebatidas em campanhas de marcas nos últimos meses, casos de “Reposter” da  Skol e “Cor da Corrupção” do Reclame, apenas para dar dois exemplos. Já no recorte internacional, estão em alta causas como a crise de refugiados, multilateralismo, liberdade de imprensa, fortalecimento da democracia, nutrição e combate às fake news.

Imagem de topo: laury jaugey/ Unsplash

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”