Presidente da Oi deixará operadora em janeiro

Buscar

Marketing

Publicidade

Presidente da Oi deixará operadora em janeiro

Decisão acontece depois de operação da PF realizada na sede da empresa

Sergio Damasceno Silva
11 de dezembro de 2019 - 12h12

No mesmo dia da operação da Polícia Federal na sede da empresa, presidente da operadora comunicou sua saída (Crédito: Divulgação)

O presidente do Grupo Oi/Telemar, Eurico de Jesus Teles Neto, anunciou, nesta terça-feira, 10, que deixará o cargo em 30 de janeiro de 2020. O anúncio ocorreu no mesmo dia em que a Polícia Federal e o Ministério Público Federal deflagraram nova fase da operação Lava Jato, que investiga repasses do Grupo Oi para empresa de Fábio Luis Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, inclusive com a presença da PF na sede da Oi, no Rio de Janeiro. Há suspeita de repasses de mais de R$ 100 milhões.

Segundo a Oi, o presidente tinha a obrigação de anunciar sua saída do cargo por conta do Termo de Ajustamento e Modelo de Transição de Diretoria Executiva, homologado pelo Juízo da Recuperação Judicial, em junho deste ano. “A minha saída não tem nada a ver com a operação de hoje (ontem, 10). Eu estou obrigado a falar que estou saindo da companhia no dia 30 de janeiro de 2020 e o conselho vai indicar um novo presidente”, disse o presidente da Oi, Eurico Teles. De acordo com o presidente, a Oi tem “colaborado com as autoridades e nunca deixou de responder qualquer ofício”. Desde o início do processo de recuperação judicial, a empresa reduziu sua dívida de R$ 65 bilhões para R$ 14 bilhões.

Conforme a Folha de S.Paulo, segundo Teles, sua saída está prevista para o dia 30 de janeiro de 2020 e já tinha data marcada desde junho. Tanto ele como seu provável sucessor, o COO Rodrigo Modesto de Abreu, negaram beneficiar o governo Lula em troca de negócios com Lulinha. “Qual foi o benefício que teve essa companhia por alguém? Eu desconheço. Estou aqui há 38 anos e vou te dizer o seguinte: essa companhia é só pepino. É só pepino. Mas é isso mesmo. Gente, ela foi para a recuperação judicial!”, disse Teles, segundo a Folha.

Abreu afirmou que as operações apontadas pelo Ministério Público como benéficas à companhia, na verdade foram prejudiciais. Segundo ele, o grupo assumiu dívidas bilionárias no processo de fusão com a Brasil Telecom e de participação na Portugal Telecom. O executivo afirmou que essas operações são objeto de auditoria desde setembro deste ano e que a companhia vem fornecendo as informações solicitadas pelos investigadores.

Comunicado
Em comunicado enviado ao mercado, a operadora disse:

A Oi esclarece que, no âmbito das definições de seu plano de recuperação judicial, aprovado em Assembleia Geral de Credores em dezembro de 2017, foram estabelecidos novos padrões de governança e composição societária, culminando em uma nova estrutura de administração, com a eleição de um conselho independente e de uma diretoria-executiva responsável pela implementação do plano de RJ. Com a homologação de seu plano pelo Juízo da RJ, esta gestão iniciou um processo de soerguimento da companhia, sob supervisão judicial, seguindo ritos legais e de forma transparente. Nesse contexto, a companhia anunciou ao mercado, no início deste semestre, a implementação de um plano de transformação de seu negócio.
– No âmbito de investigações já concluídas ou em curso por diferentes autoridades, a companhia tem participado de forma colaborativa, com o envio de todas as informações solicitadas. A gestão da companhia reitera que não compactua com nenhuma irregularidade e não tem medido esforços para assegurar que quaisquer ações que eventualmente possam ter prejudicado a companhia sejam integralmente apuradas.
– Sob o ponto de vista da companhia, é importante ressaltar que os episódios até agora mencionados nas investigações não representaram de fato nenhum benefício ou favorecimento a seus negócios. Ao contrário, a companhia, ao protocolar sua petição com pedido de recuperação judicial, elencou alguns desses episódios – a exemplo da fusão com a Brasil Telecom e operações societárias com a Portugal Telecom – como componentes que levaram à crise de liquidez que justificou esse pedido.
– A Oi, também no âmbito de sua transformação de governança e administração, vem adotando e aprimorando uma série de iniciativas e procedimentos internos, que incluem revisão e adequação de contratos, estabelecimento de novas práticas de gestão e adoção de regras estritas de compliance. Nesse contexto, a companhia tem adotado processos de auditorias internas e forenses, com o objetivo de apurar quaisquer irregularidades. Estes processos são fundamentais para a tomada de decisões e medidas corretivas.
– A Oi é a principal interessada no total esclarecimento de eventuais atos praticados que possam lhe ter gerado prejuízo e reafirma o compromisso de seguir com seu processo de transformação, mantendo-se em linha com os mais elevados padrões de governança, ética e transparência.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Eurico de Jesus Teles Neto

  • Luiz Inácio Lula da Silva

  • Fabio Luis Lula da Silva

  • Rodrigo Modesto de Abreu

  • Oi

  • Ministerio Publico Federal

  • Polícia Federal

  • Portugal Telecom

  • brasil telecom

  • Telemar

  • Lava Jato

  • celular

  • telefonia

  • telecomunicações

  • Celular

  • telefonia

  • telecomunicações

  • Lava Jato

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”