Carrefour compra lojas do Makro no Brasil

Buscar

Marketing

Publicidade

Carrefour compra lojas do Makro no Brasil

Aquisição de 30 unidades, que serão convertidas para a bandeira Atacadão, teve valor de R$ 1,95 bilhão


17 de fevereiro de 2020 - 12h59

Lojas adquiridas tiveram vendas brutas de R$ 2,8 bilhões em 2019 (Crédito: divulgação/Facebook)

Neste domingo, 16, o Atacadão, do Grupo Carrefour Brasil, anunciou a aquisição da operação brasileira do Makro, que inclui 30 lojas e 14 postos de combustíveis, distribuídos em 17 estados brasileiros.

As negociações entre ambos duraram somente dois meses e a transação foi fechada pelo valor de R$ 1,95 bilhão. Das 30 lojas adquiridas, 22 eram próprias e oito alugadas (neste caso, haverá transferência do contrato de locação). Com a aquisição, o Atacadão, que já é líder do segmento de atacarejo, irá se distanciar do segundo colocado, o Assaí, do Grupo Pão de Açúcar.

Todas as lojas do Makro serão convertidas para a marca Atacadão, no período de um ano. Segundo o Grupo Carrefour, a rede ganhará força principalmente no Rio de Janeiro e na região Nordeste do Brasil. As 30 lojas compradas representam área de venda de 165 mil metros quadrados, tiveram vendas brutas de R$ 2,8 bilhões ano passado e somam-se às 187 lojas que o Atacadão já possuía.

O Carrefour também espera que as vendas cresçam 60% e que a estrutura de custos seja otimizada (não explica, exatamente o que pretende fazer em relação a isso), para chegar à rentabilidade já registrada nas lojas do Atacadão.

No comunicado, Alexandre Bompard, Presidente do Conselho de Administração e CEO do Grupo Carrefour, afirmou que a aquisição é a mais importante feita pelo Grupo Carrefour Brasil desde a aquisição do Atacadão, em 2007, e que o modelo de atacado tem contribuído para o crescimento da companhia no Brasil, que é o segundo maior mercado para o Grupo, depois da matriz França. “Essa aquisição, juntamente com nosso ritmo de crescimento orgânico, com 20 lojas Atacadão abertas em 2019, vai representar uma aceleração equivalente a um ano e meio de expansão, marcando um importante passo para o Grupo Carrefour Brasil”, afirmou também Noël Prioux, CEO do Grupo Carrefour Brasil.

Aumentar rentabilidade e eficiência também foi o argumento do Makro para a venda das 30 lojas em questão ao Grupo Carrefour, que pretende investir em suas 24 lojas no estado de São Paulo. Por conta disso, outras 14 unidades fora do território paulista estão sendo negociadas com outro player do mercado.

Em comunicado, o Makro afirma que irá investir nas lojas paulistas com o objetivo de revitalizá-las, fazendo expansões e melhorando a experiência de compras e serviços tanto do consumidor profissional (atacadistas) quanto do consumidor final. Também pretende investir mais no e-commerce e canal Makro Food Service, incrementando a multicanalidade. Finalmente, também pretende fazer aporte em um novo centro de distribuição de perecíveis, com objetivo de oferecer melhor qualidade nesses itens por meio de um contato direto com produtores e aumentar eficiência do abastecimento (a má qualidade da parte de hortifruti é, em geral, uma das críticas dos consumidores aos atacarejos).

Na comunicação, o Makro é atendido pela David, que tem o desafio de comunicar ao público final que a rede há algum tempo deixou de atender somente atacadistas, aderindo ao formato de atacarejo, com a venda ao consumidor final.

 

(*) A nota foi atualizada, às 17h21.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • alexandre bompard

  • Noël Prioux

  • Grupo Carrefour

  • Carrefour Brasil

  • Makro

  • Atacadão

  • aquisição

  • Atacarejo

  • atacados

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”