Os planos da Audi para apoiar o esporte inclusivo

Buscar
Publicidade

Marketing

Os planos da Audi para apoiar o esporte inclusivo

Marca passou por reposicionamento no ano passado e anunciou na última sexta-feira, 3, o patrocínio às seleções brasileiras paralímpicas de voleibol

Giovana Oréfice
8 de dezembro de 2021 - 7h27

Anúncio do patrocínio aconteceu na House of Progress da Audi (Crédito: Divulgação)

O esporte já é um território explorado pela Audi no Brasil. A marca trabalha com o surfista Gabriel Medina, que tem a função de embaixador da empresa. Agora, dando um passo a mais no patrocínio esportivo nacional, as quatro argolas passam a estampar os uniformes das seleções feminina e masculina de vôlei sentado.

A ação foi anunciada na sexta-feira, 3, data em que é celebrado o Dia Nacional das Pessoas com Deficiência. O aporte investido será de R$ 750 mil, sendo R$ 250 mil anuais até a Olimpíada de Paris, em 2024. A negociação inclui, ainda, um Q5 adaptado para a Confederação Brasileira de Voleibol para Deficientes (CBVD).

O patrocínio busca, além de apoiar o esporte com mais inclusão e diversidade de modalidades, conscientizar acerca do trânsito seguro sob o guarda-chuva da mobilidade. De acordo com Cláudio Rawicz, diretor de marketing e comunicação da Audi no Brasil, mais da metade das atletas da seleção que disputaram a Olimpíada de Tóquio sofrem com as sequelas causadas por acidentes de trânsito. Além disso, o País registrou, em 2020, 30 mil mortes neste sentido, conforme indicam dados do Ministério da Saúde.  

“Teriam três mensagens importantes a serem feitas: buscar a questão da diversidade de gênero patrocinando um time feminino de vôlei; falar um pouco sobre inclusão e, mais importante do que isso, começar a trabalhar de maneira cada vez mais consciente sobre a segurança no trânsito”, diz Cláudio. “No momento em que a Audi apoia uma causa como essa, mostrando e reforçando a importância da segurança no trânsito para ter uma mobilidade cada vez mais adequada, somamos diversos pilares que são importantes para a marca corporativamente”, completa o executivo. 

O direito de uso de imagem foi adquirido apenas sobre a seleção feminina, que proporcionará à Audi o lançamento de uma websérie, feita pela agência Forte, que visa acompanhar a vida de algumas das atletas, sempre com o objetivo de mostrar como elas se superam todos os dias para conseguir uma alta performance no vôlei sentado, esporte ainda pouco difundido no Brasil. Ainda, ao longo dos três anos até Paris, as representantes da seleção também serão parte de discussões importantes acerca dos tema propostos pela marca. A coletiva de imprensa que anunciou o patrocínio contou com a presença das competidoras Luiza Fiorese e Nathalie Filomena, além do presidente da CBVD. 

Claudio chama a atenção para o fato de que, das 25 modalidades esportivas olímpicas disputadas do Japão, 12 foram patrocinadas. Destas, apenas três obtiveram aporte de iniciativas privadas. “A Audi também dá um passo importante na conscientização de que a iniciativa privada também possa continuar apoiando iniciativas que envolvam o esporte, algo que no Brasil é muito concentrado no futebol”, aponta o diretor. Ainda, ele afirma, tal carência se deve pela falta de visibilidade de alguns esportes na mídia: “Quanto menor a visibilidade de determinado esporte, menos as empresas associam suas marcas por uma questão lógica de retorno de investimento”, argumenta.

As diretrizes de marketing que envolvem as ações de patrocínio serão, a princípio, 100% digitais — nas redes sociais da Audi e da CBVD –, indo desde a divulgação da web série até demais atividades e iniciativas realizadas ao lado das seleções.

 

Um novo momento

O reposicionamento da Audi no ano passado dá foco a um conceito que coloca as pessoas no centro, sob a nova assinatura de campanhas Future is an attitude — o futuro é uma atitude, em tradução livre. “Falamos de como sempre podemos discutir os temas de progresso”, declara Claudio. Para sustentar a proposta, a marca criou a House of Progress, conceito global que desdobra os seus quatro pilares: performance, design, sustentabilidade e digitalização. A inauguração do hub de conteúdo foi feita em Tóquio, no Japão, e a segunda edição aconteceu em Munique, na Alemanha, durante o Salão do Automóvel. 

O Brasil recebeu a chancela de ser a terceira sede do projeto, entre 17 de novembro e 19 de dezembro, se consolidando como o primeiro das Américas. O principal objetivo da casa é poder difundir conteúdos relevantes em todas as frentes de atuação da marca, que envolvem inovação, sustentabilidade e performance. Os painéis de discussão já receberam nomes como o da influencer Nah Cardoso; Beatriz Bottesi, head de marketing do Instagram, Facebook e WhatsApp no Brasil; a atriz Isabelle Drummond; e o designer Mauricio Santos. Também, a iniciativa conta com a Forbes como principal parceira de mídia, que promove entrevistas aos domingos em um estúdio nas instalações. 

House of Progress São Paulo fica baseada no Jardim Europa (Crédito: DIvulgação)

Publicidade

Compartilhe

Veja também