Comunidade LGBTQIA+: consumo, mídia e publicidade

Buscar
Publicidade

Marketing

Comunidade LGBTQIA+: consumo, mídia e publicidade

Pesquisa da Nielsen analisa comportamentos de compra, presença online e representatividade em propagandas

Carolina Huertas
28 de junho de 2022 - 17h45

Consumidores LGBTQIA+ são os que mais realizam compras online: 76% contra 70% da população em geral (Crédito: Shutterstock)

Na segunda edição da pesquisa “Comunidade LGBTQIA+: o que está em foco?”, realizada pela Nielsen, 52% dos entrevistados afirmam que é preciso evitar estereótipos nas publicidades e programas e 47% acreditam que para isso é necessário o envolvimento da comunidade em todas as áreas da empresa, não apenas na publicidade e propaganda. Realizado entre fevereiro e abril deste ano, através de um questionário online para 602 pessoas, sendo 50% dos entrevistados membros da comunidade LGBTQIA+, o estudo buscou fazer um comparativo entre a comunidade LGBTQIA+ e a população em geral sobre comportamentos de consumo, presença no ambiente online, opinião sobre influenciadores e representatividade em propagandas.

Presença nas mídias

Os dados mostram que o público LGBTQIA+ é um dos que mais consome conteúdo da TV paga e aberta. Com destaque para maratonas de séries por streaming, 90% dos entrevistados têm a Netflix como plataforma favorita. No YouTube, 79% têm a música como principal atividade, enquanto para notícias, a preferência de 72% é a TV, seja paga ou aberta.

Nas redes sociais, o público tem um tempo maior do que a média semanal da população. Os dados revelam que membros da comunidade LGBTQIA+ dedicam, em média, 2 horas e 13 minutos ao Instagram, mais que os dados gerais (1 hora e 44 minutos), e que os usuários da rede são prioritariamente jovens (18 a 44 anos). O estudo mostra que as mulheres (LGBTQIA+ e população geral) utilizam a plataforma mais que os homens, principalmente para acompanhar família e amigos (64%), memes e vídeos engraçados (58%) e influenciadores (58%). No Twitter, a comunidade gasta, em média, 53 minutos, enquanto a população em geral dedica apenas 35 minutos.

Apesar disso, quando o assunto é acompanhar influenciadores, o público em geral investe cerca de uma hora a mais por semana em relação a público LGBTQIA+, com a média de 4.5 horas e 3.5 horas, respectivamente. Mas dentro do conteúdo apresentado, a preocupação com a responsabilidade social é maior dentro da comunidade LGBTQIA+, para 29% deles, esse é um  fator determinante para acompanhar um influenciar. No público geral, esse número cai para 25%.  

Consumo 

Os consumidores  LGBTQIA+ também são os que mais realizam compras online e recorrem ao uso de smartphone para efetivar suas novas aquisições. Os hábitos estão presentes em  76% dos membros da comunidade.

Publicidade

Compartilhe

Veja também