A+E Networks foca em coproduções e na entrega nos meios digitais

Buscar

Mídia

Publicidade

A+E Networks foca em coproduções e na entrega nos meios digitais

Enquanto a liberação das produções ainda depende de uma liberação da Ancine, canais do grupo investem em trabalho crossmedia

Thaís Monteiro
1 de novembro de 2019 - 15h27

Nesta semana, a A+E Networks apresentou suas 12 produções originais ,com previsão de lançamento entre o final de 2019 e 2020. Dessas, três são voltadas ao Lifetime, que ganhou passou a alcançar um número maior de domicílios no País (cerca de 6 milhões, segundo a empresa) com a inclusão do canal no pacote básico das operadoras Claro, Vivo, Oi e Sky. Com esse ganho no público, o canal deve receber uma identidade brasileira própria, com mais programas nacionais.

 

Com produções originais como O Pier, A+E Networks aposta no canal Lifetime (Crédito: Divulgação/Maria Heras)

Apesar disso, a maioria dos projetos ainda estão em estado de aprovação na Ancine, desde que o governo do presidente Jair Bolsonaro deferiu uma série de medidas a respeito da atuação da Agência. “Parou, sim, nossas produções. Estávamos para lançar algumas agora no final de ano mas, quando começou esse processo, internamente nós tivemos que fazer um remanejamento e trazer mais aquisições para manter a qualidade do canal”, afirma Raul Costa Júnior, general manager da A+E Networks no Brasil.

O executivo, no entanto, não considera a suspensão dos projetos em aprovação. Se a Ancine não liberar, a A+E vai seguir com recursos próprios. De qualquer forma, estão confirmados o lançamento de O Píer, série dos mesmos diretores de La Casa de Papel, no Lifetime em 23 de novembro e a série Hernán em 2020 no History Channel, sobre a dominação espanhola no México. A A+E Networks também trabalha na adaptação de produções originais para o Brasil como o reality Desafio sob Fogo.

Além das aquisições, outra solução que a rede encontrou foi a adaptação para a TV de conteúdos feitos pelo Omelete para o digital, como documentários sobre o desenvolvimento de games e os bastidores do entretenimento. Em 2020, a parceria se estende com novos programas criados pelo publisher e a possibilidade de produções originais. Eddy Ruiz, general manager para a América Latina, coloca a possibilidade de coproduções com emissoras de TV aberta. “Acredito que a associação de marcas fortes traz maior eficiência. Precisamos unir forças”, opina Raul.

Por conta dessa situação com a Ancine, a A+E Networks deu uma pausa nas negociações com o mercado publicitário para os produtos televisivos e moveu os esforços para a entrega no digital, onde tem mais controle e vem mantendo uma agenda diária de produções desde o início do ano, quando começou uma mudança de estratégia de redes sociais. “A realidade é que o mercado publicitário está tendo uma necessidade muito rápida de conclusão e decisão das coisas. Por isso estamos trabalhando mais no digital”, admite Raul.

Ainda segundo o executivo, a reformulação digital aconteceu quando a empresa passou a entender que as redes sociais não deveriam ser trabalhadas apenas como apoio da televisão linear, mas complementando e oferecendo conteúdo exclusivo. Agora, o canal History, por exemplo, terá um podcast e os canais pensam produções originais para o Facebook ou YouTube das marcas. A empresa também desenvolveu uma estrutura para desenvolvimento e produção de projetos publicitários para ajudar clientes a contar a história que o anunciante quer e já inclui os formatos digitais como possibilidades.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Eddy Ruiz

  • Raul Costa Júnior

  • vivo

  • Ancine

  • Claro

  • Omelete

  • Oi

  • Sky

  • A&E

  • A&E networks

  • lifetime

  • history channel

  • televisão

  • TV

  • Programas

  • produções originais

  • desafio sob fogo

  • o píer

  • hernán