Magia da inteligência emocional

Buscar

Opinião

Publicidade

Magia da inteligência emocional

Ao desenvolver tal habilidade, adquirimos maior facilidade para abrir conversas, ouvir o outro sem julgamentos, analisar e ponderar outros pontos de vista


6 de julho de 2021 - 13h08

 (Crédito: Maria Casinos/ iStock)

Fui convidada, pelo coordenador da ESPM, para falar sobre o conceito de inteligência emocional para uma turma de calouros.  Para transmitir os ensinamentos de uma forma mais lúdica e dinâmica, tive a ideia de convidar o mágico Ramón Amaral (@ramonamaraloficial) para fazer uma participação especial na minha aula.

Ele já recebeu o prêmio de melhor mágico do Brasil e tornou-se um ícone internacional no que se refere à habilidade de pickpocket, ensinando as pessoas a se protegerem de batedores de carteira. Atualmente, ministra cursos para grandes corporações sobre segurança pessoal e, em seus shows, surpreende retirando relógios e carteiras de alguns participantes sem que ninguém perceba os furtos. Minutos depois dessa ousada iniciativa, quando ele finalmente exibe os objetos para o público, todos ficam boquiabertos por terem sido furtados sem notar. Ramón selou o encontro com muito talento e criatividade e os alunos o aplaudiram de pé.

Você certamente deve estar se perguntando o que isso tem a ver com a aula sobre inteligência emocional. O que procurei mostrar aos estudantes é que podemos aprender com os mágicos que nos roubam itens valiosos sem nos darmos conta ou termos concedido autorização. Quantas vezes pessoas ou situações específicas roubam a nossa paz, esperança, alegria, bom humor e bem-estar, assim, de repente, quando menos esperamos?

É preciso ter muita inteligência emocional para não deixar isso acontecer. Nada nem ninguém tem o direito de roubar o nosso sono, a nossa serenidade, o nosso estado de equilíbrio e a nossa felicidade. Claro que todos nós, em diversos momentos da vida, podemos sentir tristeza, decepção, insegurança, ansiedade, medo ou raiva. Ter inteligência emocional não significa deixar de sentir esse tipo de emoção em relação a alguém, isso pode acontecer em qualquer instante do nosso dia a dia. Mas, estou me referindo à sabedoria de persistir em nossos objetivos apesar do surgimento dessas emoções e, com isso, termos a habilidade de contornar as situações desagradáveis da melhor maneira possível, para preservar nossas metas e relacionamentos.

Ao desenvolver a inteligência emocional, adquirimos uma maior facilidade para abrir conversas, para ouvir o outro sem julgamentos, para analisar e ponderar outros pontos de vista e, também, para conceder o perdão. Surge dentro de nós uma sensibilidade mais aguçada para lidar com situações delicadas.

O conceito da inteligência emocional foi criado pelo psicólogo Daniel Goleman e recomendo a leitura de todos os seus livros. Quanto mais desenvolvermos essa característica, maior será a nossa capacidade de compreender e lidar com nossos impulsos em situações de muito desconforto e pressão, adotando posturas mais equilibradas que evitarão, inclusive, desfazer laços pessoais ou profissionais.

Os grandes líderes continuamente desenvolvem a habilidade de se concentrarem na sua serenidade, focando em pensamentos positivos e não deixando que qualquer situação de estresse interfira em sua paz interior. E, justamente com essa força, motivam a sua equipe e contagiam de entusiasmo o seu entorno. São pessoas que conseguem ter uma facilidade maior para a resiliência, persistindo em suas ideias, apesar dos obstáculos, fazendo uso da assertividade, e não da comunicação violenta, tendo empatia para se colocar no lugar do outro, assumindo responsabilidades em vez de procurar culpados, dando feedback e fazendo críticas construtivas, perdoando erros e olhando como evitar que os problemas se repitam no futuro.

Adquirir uma elevada consciência de inteligência emocional leva tempo. É uma questão de muito treinamento. Fazendo uma analogia com a mágica, nenhum profissional se torna um grande artista da noite para o dia. E tudo parece ter ficado mais complicado durante esta pandemia. Como assim ter inteligência emocional se tudo parece tão difícil? São tantas perdas, tanta tristeza, tanto desânimo, tantas dificuldades para aceitar a realidade do novo normal.

Mas, mais do que nunca, é hora de se reinventar para viver esse futuro do mundo V.U.C.A., tão volátil, incerto, complexo e ambíguo.

Comece devagar. Exercite pequenas ações diferentes no seu dia a dia. Use máscaras de proteção para não se contaminar com qualquer situação pickpocket que possa roubar as suas energias. Encontre cartas debaixo da manga, faça o medo se evaporar no ar, tire coelhos de coragem da cartola, faça aparecer o otimismo, estale os dedos e desperte o seu olhar inteligente para outros ângulos onde moram as oportunidades. Diga abracadabra e abra as portas para uma nova forma de ver a vida.

Se te “roubarem o relógio”, não deixe que te roubem o tempo. Se te “roubarem a carteira”, não deixe que te roubem seus valores. Se te “roubarem suas joias”, não deixe que te roubem seus mais nobres sentimentos.

*Crédito da foto no topo: Reprodução

Publicidade

Compartilhe