Servir bem, para servir sempre

Buscar
Publicidade

Opinião

Servir bem, para servir sempre

Independente da imensa oferta de recursos de tecnologia para otimização dos processos, nada substitui a qualidade do atendimento ao cliente


26 de abril de 2022 - 14h00

Economia da atenção: como obter sucesso com o consumidor cada vez mais distraído e multitela?

O segundo dia do IIEX North America começou com uma provocação da Procter&Gamble ao afirmar que já poupou mais de mil anos de trabalho com o poder da “intech”, abreviação adotada pela companhia para “insight technology”. Isto corrobora com a percepção do primeiro dia do evento sobre agilidade não ser mais uma opção, mas uma necessidade. Indo na mesma linha, a Meta completou que além de “better, faster and cheaper”, é mandatório um ótimo “client service”.

O que pode ser melhor que uma pesquisa que seja mais rápida, mais barata e com um ótimo atendimento ao cliente? Parece utopia, mas é a pura realidade. Sabemos que com os recursos apropriados, é possível impulsionar a criação imediata de valorosos insights para o negócio, permitindo uma cultura de aprendizado para uma melhor tomada de decisão e resultados assertivos.

Seguindo na linha do encantamento ao cliente, as NFTs (nun-fungible tokens) representam alto nível de exclusividade e podem ocupar um lugar estratégico. Ao contrário das redes sociais que abrigam os ‘lovers’ e os ‘haters,’ o universo das NFTs pode oferecer às marcas a oportunidade de apropriação de sua influência para os seus mais fervorosos fãs. Em busca de um relacionamento mais estreito com este público, as marcas podem oferecer acessos e uma série de vantagens a um pequeno grupo de privilegiados: early adopters, first e frequent buyers, por exemplo. Marcas como Lamborghini, Louis Vuitton, Disney, Coca-Cola, Ray-ban e Mc’Donalds já estão na vanguarda deste movimento, com ações bem-sucedidas.

Falar de inovação e futuro, é falar de metaverso. Ainda meio controverso, o número de pessoas familiares ao tema tem crescido, mas ainda há uma certa confusão em relação ao seu significado. A associação mais comum – e acertada – é com a realidade virtual, onde um novo mundo digital está em desenvolvimento. Há muita curiosidade e o otimismo em relação ao tema que está crescente, mas ainda há muita desconfiança e incerteza. Muita gente ainda não consegue visualizar nada que poderia ser feito no metaverso. Por outro lado, aqueles que conseguem visualizar atividades neste universo digital, se imagina viajando, voando, participando de filmes ou visitando pessoas virtualmente. As expectativas dos consumidores no metaverso estão associadas a experiencias exclusivas. Um belo gancho com as NFTs.

O aprendizado que fica é o seguinte: independente do recurso tecnológico escolhido para otimizar os processos de pesquisa de mercado – o que já tem sido considerado mandatório – o foco no encantamento do cliente permanece firme e forte.

Publicidade

Compartilhe

Veja também