As novas metas ESG do Grupo Boticário até 2030

Buscar

As novas metas ESG do Grupo Boticário até 2030

Buscar
Publicidade

Marketing

As novas metas ESG do Grupo Boticário até 2030

Em seu 12° relatório de ESG, empresa apresenta sete compromissos – mudanças climáticas, resíduos, água, biodiversidade, diversidade e inclusão, desenvolvimento social e fornecimento sustentável – com trinta metas atreladas


17 de maio de 2024 - 12h12

O Grupo Boticário materializa suas ações sob o conceito de #UmaBelezadeFuturo, que representa seu comprometimento com o desenvolvimento socioambiental para o longo prazo. Agora, atualiza seus compromissos para 2030 na 12° edição de seu relatório ESG, apresentando as principais metas e diretrizes para o longo prazo.

grupo boticário

Há mais de um ano, o Grupo Boticário insere o compromisso ESG em sua comunicação convidando o público a explorar o futuro da beleza (Crédito: Reprodução)

Ao todo, são sete compromissos – mudanças climáticas, resíduos, água, biodiversidade, diversidade e inclusão, desenvolvimento social e fornecimento sustentável – com trinta metas atreladas de forma geral. O exercício da revisão de estratégias e diretrizes a cada três anos é parte do modelo de negócios do grupo para manter a essência ao passo da evolução, conforme pontuou Fernando Modé, CEO da companhia.

“Nosso compromisso de longo prazo permite que tomemos decisões difíceis de forma mais fácil”, disse o líder em evento para a imprensa, realizado na quinta-feira, 16. Já de acordo com Fabiana de Freitas, vice-presidente de assuntos corporativos, o grupo vem focando na construção, consistência e planejamento estratégico, o que inclui a agenda ESG, sobretudo com foco na governança dos processos.

Atualização ESG

“É possível que as organizações cresçam ao passo em que mantêm jornadas consistentes em ESG”, corroborou o diretor de ESG, Luis Meyer. Segundo ele, nenhum tema foi deixado para trás durante a revisão, que consiste em um processo de simplificação e evolução para trazer frameworks que contribuam para o que precisa ser feito no presente, mas também o que deve ser buscado para 2030.

Pela primeira vez, a companhia apresenta sua dupla materialidade, que analisa impactos causados pelo negócio a stakeholders internos e externos. Além disso, compromete-se com o combate às mudanças climáticas alinhado à ciência a partir do alinhamento à Science Based Targets Initiative (SBTi) e às recomendações da Task Force on Climate-related Financial Disclosures (TCFD).

Na questão ambiental, o Grupo Boticário especificou metas de descarbonização de suas operações. Já as metas de redução da intensidade de resíduos agora são pautadas na economia circular, bem como na reciclagem. Há a intenção de reforçar o incentivo de material reciclado que colocam na mão do consumidor ou dentro do ecossistema com o programa Boti Recicla, por exemplo.

No que diz respeito ao uso da água, a empresa comprometeu-se com o aumento de eficiência hídrica a partir de três grandes pilares: água de produtos, eficiência em operações logísticas e industriais, e a conservação de natureza promovendo iniciativas relacionadas à pauta. Em biodiversidade, a meta é potencializar a preservação em dois milhões de hectares de áreas protegidas e incrementar o respeito aos animais no portfólio de produtos.

Para este último, o Grupo Boticário emitiu R$ 2 milhões em títulos de dívida sustentável para fazer com que, entre outras iniciativas, 100% do portfólio de produtos de todas as marcas próprias da empresa seja de origem vegana até dezembro de 2026.

Diversidade em todos os escopos

A pauta social segue com o reforço de aumentar a diversidade e inclusão no quadro geral de quase 20 mil colaboradores e alta gestão. Segundo o relatório de ESG, o Conselho de Administração ainda é composto por 100% de pessoas brancas. Em entrevista ao Meio & Mensagem, Rony Santos, gerente sênior de ESG para diversidade e inclusão do grupo, afirma que o fato evidencia o desafio de inserir diversidade ao longo de toda a pirâmide da empresa.

Santos salientou que, no momento, há um esforço em retenção e evolução de quadros de liderança neste quesito, começando pela base com programas de desenvolvimento, apadrinhamento e mentorias específicas para grupos diversos, por exemplo, a fim de criar, ao longo do tempo, um pipeline de RH para a formação de lideranças internamente.

“Trazemos parceiros e buscamos formar agentes de ESG por todo o negócio, dentro da crença de que a transformação deve ser coletiva. O tema já está no onboarding”, endossou sobre a criação e manutenção de uma cultura organizacional voltada para a agenda.

Em D&I, há uma meta específica para a comunicação acessível e ausente de estereótipos. Há a previsão de definição de metas de diversidade para cada marca do grupo ainda em 2024.

Atualmente, a companhia tem parceria com a ONU Mulheres e, ao lado de outras empresas, trouxe ao Brasil a Aliança Sem Estereótipos na Publicidade. Ademais, o desempenho pós-campanha é mensurado a partir de uma análise técnica do time de diversidade por meio de uma metodologia própria da ONU Mulheres.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Liberty vira Yelum Seguradora e quer tornar excelência acessível

    Liberty vira Yelum Seguradora e quer tornar excelência acessível

    Nova marca deverá manter o legado da Liberty no Brasil sustentando-se sob os pilares de flexibilidade, liberdade e inovação, mas com um novo nível de confiança

  • Intimus quer reunir consumidores em comunidade gameficada

    Intimus quer reunir consumidores em comunidade gameficada

    Com objetivo de conectar consumidoras, comunidade digital promove trocas de experiência e debates sobre saúde íntima