Mudança no marketing da seleção traz oportunidades

Buscar

Mudança no marketing da seleção traz oportunidades

Buscar
Publicidade

Marketing

Mudança no marketing da seleção traz oportunidades

Mesmo com a saída da Chevrolet e outras cinco marcas, analistas apontam os ganhos com a melhora do desempenho do time e a chegada da Copa de 2018, na Rússia


17 de maio de 2017 - 8h27

A Chevrolet foi a sexta marca desde 2015 a não renovar acordo de patrocínio com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), seguindo o mesmo caminho de Samsung, Gillette, Sadia, Michelin e Unimed. A diferença é que enquanto as demais empresas desistiram da parceria comercial quando a seleção estava em baixa – e o escândalo de corrupção na Fifa ocupava as manchetes dos jornais -, a saída da montadora ocorre no momento em que a seleção parece ter recuperado a confiança da torcida, com direito à classificação antecipada para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia. A situação também melhorou fora de campo.

De acordo com o último balanço financeiro da CBF, divulgado em abril, o faturamento da entidade chegou a R$ 647 milhões em 2016, ante R$ 518,8 milhões em 2015. Somente em patrocínio, foram arrecadados R$ 411 milhões ante R$ 339,6 milhões em 2015.

“O momento da seleção brasileira é muito bom dentro do campo e fora dele tenho sentido um esforço da entidade (CBF) para uma melhor organização dos eventos futebolísticos e organização de congressos. Somado isso à chegada da Copa da Rússia 2018, julgo que esse é um momento oportuno para se investir em um dos ícones do Brasil”, diz Fabio Wolff, sócio diretor da Wolff Spots & Marketing.

Após um gerenciamento de crise que durou anos, cujo maior desafio se deu na Copa do Brasil, em 2014, a Seleção Brasileira vem retomando suas vitórias na gestão do técnico Tite e conseguiu a classificação para a Copa da Rússia 2018. Além disso, no último mês, o Brasil, que chegou a ser 22º colocado do Ranking da Fifa em 2013, voltou a liderar as melhores seleções do mundo.

Anderson Gurgel, professor de jornalismo esportivo do Mackenzie e autor do livro “Futebol S/A”, explica que o futebol segue sendo carro-chefe dos investimentos em esporte no Brasil. “O pessimismo com o futebol e a seleção brasileira acaba contaminando toda a indústria do esporte. Nesse sentido, a conquista da vaga para a Copa é um fato de estímulo aos negócios”, diz Gurgel. Ele ressalta que com a proximidade da Copa da Rússia 2018 vai gerar aumento de interesse para eventuais patrocinadores.

Apesar da expectativa positiva no futebol, Gurgel pondera que a recuperação da seleção é um fator isolado no contexto da gestão esportiva brasileira. “Mesmo após a Copa 2014 e a Rio 2016 e até mesmo após os escândalos da Fifa, o cenário no que se refere à administração de entidades esportivas pouco mudou. Os escândalos e denúncias continuam e isso de maneira geral assusta investidores.”

 

selecao

O faturamento da entidade em 2016 foi recorde chegando a R$ 647 milhões, ante R$ 518,8 milhões em 2015

Fábio Wolff explica que com a seleção em um bom momento aumentam as chances da CBF ter êxito em negociações ou em novos prospects. “O fato de a Seleção estar em alta junto a animação e a euforia da torcida auxilia o futebol brasileiro em captação de patrocínios, porém é difícil de se mensurar o quanto é seu peso. Mas é bom separar seleção brasileira dos clubes nacionais, pois são duas coisas e mercados distintos”, diz Wolff.

“Mesmo após a Copa 2014 e a Rio 2016 e até mesmo após os escândalos da Fifa, o cenário no que se refere à administração de entidades esportivas pouco mudou. Os escândalos e denúncias continuam e isso de maneira geral assusta investidores.”

Para Martin Avenatti, gerente da Livia Esporte, o marketing tende a crescer após uma sequência de resultados positivos e sendo a primeira seleção a se classificar para a Copa da Rússia 2018. “A marca Brasil assim como outras marcas esportivas de grande porte, é reconhecida mundialmente, mas estava desvalorizada devido aos fracassos esportivos e escândalos de corrupção no futebol. Através de suas conquistas, a marca Brasil volta a ficar em alta. Para se manter neste lugar privilegiado, é preciso dar sequência aos bons resultados esportivos e transparência política dentro da CBF”.

Desempenho digital

Assim que a Seleção se classificou para a Copa da Rússia 2018, o Ibope Repucom realizou um levantamento sobre a presença digital das maiores seleções de futebol no mundo. A análise abrange as contas oficias das confederações de futebol que participaram ao menos uma vez da Copa do Mundo da FIFA, e traz as 40 maiores em número de inscritos em suas redes sociais.

Somando os inscritos das plataformas analisadas, a CBF acumula mais de 17,4 milhões de inscrições, ficando atrás apenas da Federação Mexicana de Futebol (F.M.F.), que acumula 17,6 milhões. Analisando por plataforma, a CBF ostenta a maior página do Facebook, entre as confederações de futebol do mundo com 11,8 milhões de curtidas, além da segunda maior conta no Twitter com 3,8 milhões de seguidores e da terceira maior conta no Instagram, com mais de 1,6 milhão de seguidores.

seleção

“Com o início das ações de promoção e ativações dos patrocinadores da Copa do Mundo de 2018, os investimentos em ativações digitais são crescentes e os patrocinadores já começam a explorar o incrível potencial de engajamento proporcionado pelo atual momento da seleção brasileira”, afirma José Colagrossi, diretor executivo do IBOPE Repucom.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele