O que faz a Nvidia, a quarta empresa mais valiosa do mundo?

Buscar

O que faz a Nvidia, a quarta empresa mais valiosa do mundo?

Buscar
Publicidade

Marketing

O que faz a Nvidia, a quarta empresa mais valiosa do mundo?

Empresa ultrapassa valor de capitalização de mercado da Alphabet, controladora do Google, após anunciar participação em empresas de inteligência artificial


16 de fevereiro de 2024 - 8h39

Na última quarta-feira, 14, a Nvidia ultrapassou a Alphabet, empresa mãe do Google, e tornou-se a quarta mais valiosa do mundo em termos de capitalização de mercado, com um valor de US$ 1,79 trilhão.

nvidia

Nvidia (Crédito: GGuy/Adobe Stock)

Agora, o ranking tem a Microsoft na liderança, valendo US$ 3 trilhões; seguida da Apple, com US$ 2,8 trilhões; e a petrolífera da Arábia Saudita, Saudi Aramco, com um valor de US$ 2 trilhões.

O marco foi atingido graças à corrida pela inteligência artificial no segmento da tecnologia atualmente. A companhia anunciou a aquisição de participação em quatro empresas que utilizam a IA. São elas a britânica Arm, a empresa de biotecnologia Recursion Pharmaceuticals, Recursion e SoundHound. O anúncio fez com que as ações da companhia disparassem.

Fundada em 1993 na Califórnia, Estados Unidos, a Nvidia surgiu a partir da crença de que o PC se tornaria um dispositivo de consumo para desfrutar de games e multimídia. No geral, a companhia de Jensen Huang, Chris Malachowsky e Curtis Priem divide sua atuação entre a produção de unidades de processamentos gráficos (GPUs) para games e chips para o segmento de computação móvel e automotivo.

Crescimento exponencial

Em 2002, foi eleita a empresa de crescimento mais rápido dos Estados Unidos. Para fazer parte da lista, era necessário que a companhia tivesse arrecadado, pelo menos, US$ 50 milhões em receitas nos últimos quatro trimestres, bem como uma capitalização de mercado mínima de US$ 50 milhões. Além disso, era preciso ter crescimento anual de vendas e lucro por ação de pelo menos 25% por três anos consecutivos.

Três anos depois, desenvolveu o processador do Sony Playstation 3, uma das líderes no mercado consumidor de games. Em meio à sua participação crescente no setor, hoje já quer equipar novos consoles de Xbox e PlayStation 6.

A Nvidia participou de diversos marcos na tecnologia. Em 2010, participou do impulsionamento do supercomputador mais rápido do mundo, o chinês Tianhe-1A. Entre seus principais clientes estivaeram a Audi, que a escolheu para potencializar os sistemas de navegação e entretenimento de seus veículos a nível global.

No ano seguinte, alcançou a marca de venda de 1 bilhão de processadores gráficos.

IA e os novos negócios

Sua entrada em IA teve início em 2016. À época, lançou supercomputadores de deep learning, tecnologia de IA em veículos fomentando carros autônomos e outros. Atualmente, a Nvidia se concentra em levar inovação para diversas camadas, com supercomputadores, softwares de plataforma e outros. Entre as soluções oferecidas estão a implementação de modelos de IA generativa, treinamento de LLMs e IA no Cloud, análise de dados, construção de pipelines para conversação, cibersegurança etc.

A organização projeta que o setor de IA alcançará um valor de US$ 2 trilhões em até cinco anos.

A Nvidia anunciou na última semana que está construindo uma nova unidade focada no design de chips personalizados, conforme indicou a Reuters. Atualmente, a companhia controla quase 80% do mercado de chips de IA sofisticada. Entre seus clientes estão a OpenAI, Microsoft, bem como a própria Alphabet, Meta etc.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Coca-Cola e Marvel: collab apresenta embalagens dedicada aos fãs

    Coca-Cola e Marvel: collab apresenta embalagens dedicada aos fãs

    Com 36 ilustrações diferentes de personagens nas latas de refrigerante, os consumidores poderão ter a experiência de realidade aumentada

  • Menos da metade da geração Z consome bebidas alcoólicas

    Menos da metade da geração Z consome bebidas alcoólicas

    Estudo da MindMiners revelou que a tendência de mudança de comportamento está relacionada a fatores como falta de interesse e sabor das bebidas