Dia da Mulher: compromisso das empresas com a igualdade de gênero deve ir além da data e do discurso

Buscar

Dia da Mulher: compromisso das empresas com a igualdade de gênero deve ir além da data e do discurso

Buscar
Publicidade

Opinião

Dia da Mulher: compromisso das empresas com a igualdade de gênero deve ir além da data e do discurso

É necessário implementar políticas de contratação, promoção e avaliação de desempenho que considerem aspectos de diversidade e inclusão, começando pelas vagas afirmativas


8 de março de 2024 - 14h32

Em 8 de março, Dia Internacional da Mulher, somos convidados a refletir sobre a igualdade de gênero no mercado de trabalho. Ao abordar questões de disparidade salarial, representação em cargos de liderança e políticas de licença parental, empresas têm o potencial de criar ambientes mais justos e inclusivos. Apesar dos avanços recentes, ainda há muito a ser feito. Mas qual é o papel dos gestores e quais medidas podem ser tomadas para alcançar esse objetivo? O papel é de protagonista, eu diria, com ações lideradas em conjunto com equipes de recursos humanos.

É necessário implementar políticas de contratação, promoção e avaliação de desempenho que considerem aspectos de diversidade e inclusão, começando pelas vagas afirmativas. Diferente dos homens, mulheres tendem a ser mais rígidas ao observar as exigências para ocupar vagas, se candidatando somente quando se encaixam 99% no perfil. Essas vagas são uma forma de incentivá-las a se candidatarem a cargos que, por vezes, não teriam o impulso para se inscrever. Além disso, é importante ter uma política que considere situações em que um homem e uma mulher têm igual qualificação para o cargo e a equipe precise de maior representatividade feminina. Neste caso, deve prevalecer a diversidade no ambiente corporativo.

Outro ponto fundamental é o apoio às colaboradoras que são mães. O que se viu, principalmente durante a pandemia, foram muitas mulheres desistindo da carreira devido à inviabilidade de conciliar tarefas profissionais e cuidados com casa e família. Nesse sentido, jornadas de trabalho mais flexíveis, auxílio-creche e programas de bem-estar podem apoiá-las. Quanto a políticas de promoção, é necessário considerar uma análise que desafie vieses inconscientes que possam permear a organização, como o machismo estrutural.

A participação feminina em todos os níveis hierárquicos é igualmente importante. Mais do que inseri-las no mercado, empresas devem garantir que elas ocupem cargos de liderança. A exemplo do que acontece no segmento de tecnologia, setor no qual atuo, a falta da presença feminina acarreta ambientes pautados por estereótipos que influenciam em tomadas de decisões, contratações e promoções. Mulheres podem ter maior dificuldade de networking, o que torna a visibilidade dentro da empresa mais difícil , a ponto de não serem consideradas para oportunidades mesmo estando preparadas.

Nesse cenário, é necessário um movimento bilateral. Empresas devem promover programas de desenvolvimento para cargos de liderança. Eles auxiliam mulheres na autoconfiança – a sair do estigma de impostora – além de dar acesso a informações e pessoas que talvez não tenham tido oportunidade anteriormente. Por outro lado, é importante que elas criem uma rede de contatos dentro e fora do trabalho, em busca de mentorias que possam ajudá-las a transitar no ambiente corporativo. Por último, é necessário estimulá-las a serem mais vocacionais quanto às suas ambições e à autopromoção, para serem consideradas para oportunidades no momento certo.

A diversidade de gênero no local de trabalho também traz benefícios para a empresa. Mulheres agregam experiências e habilidades à equipe, que podem levar maior criatividade e inovação. É comprovado: quanto mais diversidade de pensamento nas organizações, diminui-se em 30% possíveis erros diante da multiplicidade de perspectivas e sensibilidade aos riscos que a mulher contribui.
Em suma, o Dia Internacional da Mulher é mais do que uma celebração: é um lembrete do progresso que ainda precisa ser feito para alcançar a igualdade. Ao reconhecer e abordar as disparidades de gênero no local de trabalho, as empresas não apenas beneficiam seus colaboradores, mas também contribuem para uma sociedade mais justa e equitativa. É fundamental que continuemos a defender e promover a igualdade de gênero em todas as esferas da vida, hoje e todos os dias.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • O futuro do meio Rádio

    Breve análise dos insights apresentados no evento ABA 65 Anos, no pós-SXSW

  • Precisamos falar sobre Daniel Kahneman!

    Estudar o pensamento de Kahneman deveria ser matéria obrigatória em todo e qualquer curso universitário, pois nos ensina a apreciar a beleza da incerteza ao nosso redor