Empresas apostam em museus como estratégia de comunicação e ESG

Buscar

Empresas apostam em museus como estratégia de comunicação e ESG

Buscar
Publicidade

Opinião

Empresas apostam em museus como estratégia de comunicação e ESG

Além de ser uma ativação sensorial, os museus levam conhecimento e proporcionam a criação de laços com a comunidade.


15 de março de 2024 - 6h00

Os museus são uma grande fonte de cultura, educação e conhecimento. Atualmente, tanto órgãos públicos quanto a iniciativa privada, têm explorado os recursos tecnológicos como forma de encantamento e atração de pessoas em espaços culturais, cada vez mais instigantes, interativos e “instagramáveis”.

Isso acontece por inúmeros motivos. Entre eles, está a percepção de que um museu tem o poder de gerar valor para a região em que ele está inserido, bem como para os produtos ali expostos. Com as empresas, não é diferente. Grandes marcas ao redor do planeta possuem seus “Brand Museums”, criando conexão, simpatia e aproximando a marca do seu público-alvo (ou do seu futuro público-alvo). Entram na lista de exemplos BMW, Mercedes-Benz, Porsche, Lamborghini, Ferrari, marcas dos segmentos moda, alimentação e até de equipamentos agrícolas.

No Brasil não é diferente. Empresas como Itaú, Bradesco, Randon, Volvo e Sanepar, entre outras, já possuem seus espaços. Que, vale dizer, nem sempre contam a história da empresa em si, mas do nicho em que ela atua, gerando um conhecimento ainda mais abrangente para a comunidade e se conectando aos princípios do ESG (sigla em inglês para Environmental, Social and Governance), que, basicamente, visam tornar as empresas mais responsáveis do ponto de vista ambiental, social e de governança.

ESG na prática

Para uma marca se conectar aos consumidores (especialmente os preocupados com questões sociais e ambientais), é preciso ir além do discurso. É necessário oferecer algo concreto que mostre seu compromisso, que seja capaz de manifestar na prática que ela faz parte de uma comunidade. Por isso, os espaços de experiência, capazes de promover educação, lazer e cultura, gerando memórias e identificação, fazem parte de uma estratégia não só de consolidação da marca, mas da gestão das empresas, de seus propósitos e objetivos.

O MEA – Memorial da Evolução Agrícola, idealizado pelo Instituto John Deere, é um exemplo disso em solo nacional. Trata-se de um complexo de arte, cultura, educação, meio ambiente, esporte e lazer localizado em Horizontina, no Noroeste do Rio Grande do Sul. De forma tecnológica e imersiva, o Memorial narra a história da agricultura no País por uma perspectiva humanizada. O complexo ainda conta com quadras esportivas, academia ao ar livre, salas para oficinas, playground, espaço para feiras de produtos orgânicos e pequenos produtores, e muito mais, tornando-se um ambiente de convivência e educação.

A Volvo, por exemplo, patrocinou o Memorial da Segurança no Transporte que foi proposto ao Ministério da Cultura pela Associação Viking, associação dos funcionários da Volvo do Brasil, ou seja, a marca utilizou um equipamento cultural para promover um dos seus principais valores, que é a segurança. Ela faz isso de forma interativa, educativa e, principalmente, criando experiências marcantes por meio de simuladores de tombamento e de outras tecnologias.

A Sanepar, Empresa Paranaense de Saneamento, é uma referência nacional sobre o assunto. A empresa possuía um prédio inaugurado na década de 1940, que abrigou a 1ª Estação de Tratamento de Água da capital do Paraná. Nele foi criado o Museu Planeta Água, o maior do Brasil sobre o tema. O museu é educativo, lúdico e interativo. Após sua abertura em novembro de 2022, alunos das redes públicas e privadas usam o espaço como sala de aula e o museu se tornou um espaço de visitação obrigatório para quem vai à Curitiba.

Quando uma empresa decide investir em um museu, em um espaço de experiência e cultura, ela está se aproximando dos consumidores, gerando laços que vão muito além das trocas comerciais. Ela está literalmente fazendo parte da vida das pessoas, criando e nutrindo uma legião de embaixadores voluntários – e, principalmente, colaborando para uma sociedade melhor.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Técnica e estratégia

    Ambiente estressado pela pulverização de opções de mídia e pelas mudanças de comportamento da audiência valoriza os profissionais especialistas na atividade, mas exige desempenhos mais fundamentados

  • Premiunização para avançar

    Fazer leituras rasas dos cenários econômicos pode restringir oportunidades de negócios