A estratégia da presença bancária reinventada

Buscar

A estratégia da presença bancária reinventada

Buscar
Publicidade

Opinião

A estratégia da presença bancária reinventada

Descubra como os maiores bancos estão reconstruindo seu posicionamento em um contexto de fechamento de agências físicas


31 de outubro de 2023 - 6h00

Nos últimos anos, o cenário bancário brasileiro enfrentou uma transformação radical com o fechamento em massa de agências físicas. Instituições renomadas como Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil encerraram mais de 2.500 agências entre 2020 e 2022. Essa mudança está redefinindo a forma como os bancos se relacionam com seus clientes, oferecendo uma oportunidade única para a exploração de inovações no marketing digital.

Agências como pontos de Out of Home (OOH)

A presença física das agências bancárias tradicionalmente serviu como um ponto de Out of Home (OOH), desempenhando um papel crucial na atração de residentes e passantes em uma determinada região. Com o fechamento em massa desses pontos, surge a necessidade de reavaliar e redefinir a estratégia de presença local, especialmente no que diz respeito à construção de awareness e consideração.

Audiência geoespacial

Uma abordagem promissora para suprir essa lacuna é a exploração da audiência baseada em traços geoespaciais, permitindo aos bancos não apenas alcançar os usuários em tempo real, mas também construir awareness e consideração a partir de sua localização física. Atualmente, é viável delinear áreas de influência ao redor das antigas agências, criando um potencial alcance retroativo para retargeting, levando em consideração o comportamento de consumo.

Mídia programática e ativação geoespacial

A mídia programática se manifesta como uma ferramenta excepcionalmente eficaz para implementar essa estratégia. Através de algoritmos avançados, os bancos podem segmentar usuários em tempo real e dados históricos com base em sua localização geográfica, gerando awareness e consideração em um nível mais personalizado. Isso traduz-se na capacidade de exibir anúncios pertinentes para usuários dentro da área de influência das antigas agências, maximizando, assim, a eficácia da campanha.

A emulação de estratégias de compra de OOH

Histórica e estrategicamente, os bancos investiram em publicidade Out of Home (OOH) para solidificar sua presença física. Atualmente, essa estratégia pode ser emulada e amplificada através da mídia programática, capitalizando a área de influência das antigas agências para atingir um público altamente relevante e engajado.

Oportunidades para bandeiras de cartão de crédito

Além dos bancos, as bandeiras de cartão de crédito também podem tirar vantagem desta estratégia. Com sua influência substancial na negociação com emissores, podem direcionar campanhas de retargeting e ativação geoespacial de maneira ainda mais estratégica, levando em consideração o comportamento de consumo na região.

Navegando em novas fronteiras na era pós-agência física

O fechamento em massa de agências físicas representa um ponto de inflexão na indústria bancária, exigindo uma abordagem proativa e inovadora para a redefinição da presença bancária. A integração de estratégias baseadas em traços geoespaciais e mídia programática não apenas compensa a perda de presença física, mas também estabelece um canal de comunicação mais direto e personalizado com os clientes. Esta abordagem não só consolida a relação com os clientes existentes, mas também pavimenta o caminho para a conquista de novos clientes, proporcionando uma nova perspectiva competitiva no setor financeiro brasileiro.

A era digital não apenas transformou a operação dos bancos, mas também catalisa uma nova visão sobre como as instituições financeiras se conectam com seus clientes, prometendo um futuro emocionante e dinâmico para o setor no Brasil.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Rentabilidade e eficiência podem (e devem) andar juntas

    Marketing de influência adicionou nova camada aos modelos de estratégia, compra e gestão de mídia focados em performance

  • “Você” 20.24

    A mídia parece que mais nos afasta do que nos une, com a confiança, mãe de todas as relações, se corroendo paulatinamente