Celebre a jornada, e não apenas o destino

Buscar
Publicidade

Opinião

Celebre a jornada, e não apenas o destino

Será que de fato devemos celebrar apenas os resultados que coincidiram ou superaram as nossas expectativas?


24 de janeiro de 2024 - 6h38

(Crédito: Alina.Alina/Shutterstock)

Aqui estamos em 2024. Como é bom comemorar as transições de ciclos! Sempre achei que rituais de passagem, como aniversário e ano novo, nos levam a um processo de reflexão, renovação de energia, objetivos e planos que são fundamentais para seguir a longa jornada da vida.

A cada início de ano nos encontramos novamente festejando a esperança e expectativa do que vem pela frente. Arrisco até a dizer que, normalmente, com muito mais ímpeto do que a celebração da trajetória no período anterior de 12 meses.

Para ilustrar melhor este olhar sempre esperançoso do brasileiro, trago aqui um dado sobre otimismo financeiro, monitorado pela Kantar Ibope Media há 25 anos, por meio  do Target Group Index. Desde o início desta medição, índices de que a situação financeira individual vai melhorar no ano seguinte são sempre muito superiores à situação presente. Em 2023, por exemplo, 76% dos pesquisados dizem que a situação financeira estará melhor em um ano, quando apenas 36% afirmam que a situação atual é melhor do que há 12 meses.

Neste contexto, quando também decidimos celebrar o passado, em geral, nos permitimos fazê-lo sempre quando existem conquistas, realizações e objetivos superados. Assim, fechamos o ciclo com a sensação de que não foi exatamente como queríamos ou não alcançamos o que esperávamos, e facilmente tendemos a concluir que pouco temos a enaltecer.

Muitas vezes fico com a sensação de que as comemorações, e até mesmo os reconhecimentos, estão diretamente relacionadas ao cumprimento das expectativas pré-definidas por nós mesmos ou pelos outros.  Claro que aqui a reflexão não vale apenas para o fechamento de ciclos, mas para a nossa jornada pessoal e profissional e nossa relação com as pessoas que nos cercam.

Se no meio do caminho, qualquer elemento não esperado afeta este plano, ou nos permite apenas concluir com algo diferente desta expectativa, entendemos simplesmente que não cruzamos a linha de chegada com louvor – e deixamos de comemorar.

Mas será que de fato devemos celebrar apenas os resultados que coincidiram ou superaram as nossas expectativas? O caminho percorrido, o esforço para chegar em uma etapa da jornada e os aprendizados não seriam também merecedores de palmas, brindes e agradecimentos mais amplos?

Nosso grande exercício aqui talvez seja revisar constantemente estas expectativas. Entender que mesmo sendo ambiciosas, os grandes resultados são obtidos muitas vezes pela combinação de pequenas conquistas, pela sequência de esforços e pelos aprendizados ao longo do caminho.

Cumprir alguma etapa, ou chegar quase lá, muitas vezes também pode significar chegar em um excelente lugar. E mesmo, às vezes, quando este lugar ainda não é tão bom segundo a nossa expectativa (em relação a você ou ao outro), existiu um esforço que pode merecer celebração e que muito provavelmente funcionará como alavanca às próximas etapas ou aos grandes objetivos esperados.

Tenho o cuidado de também não trazer para esta reflexão traços de extrema positividade, contudo, saber navegar dentro de um ambiente em constante transformação significa entender que estamos sempre driblando fatos e dados inesperados com um elevado grau de variáveis não controladas e, neste cenário, nossas expectativas podem ser frustradas. Não existe nada mais real do que saber lidar com esta situação e reconhecer que existem méritos em grandes esforços, conquistas e sucessos que, mesmo diferentes de expectativas iniciais, merecem serem reconhecidos.

Com grandes festas, pequenos gestos, certas palavras, homenagens, como for! As celebrações e comemorações nos permitem também expressar sentimentos de gratidão e felicidade. Nada mal pensarmos no quanto pode ser estimulante e engajador, para cada um de nós e para as pessoas que estão à nossa volta, termos mais momentos como estes em nossas vidas.

Uma boa prática para ser exercitada mais em 2024! Por aqui, já coloquei entre as minhas resoluções de começo de ano.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • W2W Summit 2024: Desafios da liderança e a arte de fazer escolhas

    W2W Summit 2024: Desafios da liderança e a arte de fazer escolhas

    Assista ao painel com Claudia Muchaluat, presidente da Intel Brasil, e Claudia Woods, CEO Latam da WeWork

  • Programa capacita mulheres negras para o mercado corporativo

    Programa capacita mulheres negras para o mercado corporativo

    Pacto Transforma conta com parceria da B3, Fundação Dom Cabral, Fundação Lenovo, Novonordisk, ADP Brasil e o apoio social da 99 Jobs e da consultoria Integrha