Terceira geração de Cannes

Buscar
Publicidade

Comunicação

Terceira geração de Cannes

Jean-Marie Dru, chairman da TBWA, diz como conduzirá o júri da estreante área de Creative Effectiveness


17 de abril de 2011 - 2h49

Com apenas uma ausência no evento desde 1973, data em que Jean-Marie Dru fez sua estreia como delegado no Festival de Cannes, o atual chairman global da TBWA desempenhará na edição de 2011 a função de presidente de júri pela terceira vez.

Entretanto, sua participação neste ano tem um quê de ineditismo, já que ele estará à frente da definição de premiados na estreante área de Creative Effectiveness.

A novidade visa eleger trabalhos que conseguiram conciliar o brilho criativo com resultados concretos para os clientes. Só serão aceitas inscrições de peças que alcançaram ao menos o shortlist em alguma competição no festival do ano passado. O regulamento de Cannes prevê pesos diferentes para os três quesitos aos quais o júri deve se ater: 25% para a estratégia, 25% para a ideia e 50% para os resultados comprovados.

Dru, que esteve em São Paulo na semana passada, admite que ainda não teve a oportunidade de se reunir com os demais jurados para discutir a linha de avaliação e os critérios que serão adotados. No entanto, critica o peso excessivo dado aos resultados e se posiciona a favor de um maior equilíbrio entre os três quesitos. “Espero que um prêmio não tenha que ser decidido porque uma campanha trouxe 84% do aumento de vendas contra 82% de outro trabalho. A criatividade é hoje a chave do sucesso para qualquer campanha e os anunciantes nunca estiveram tão certos disso”, sustenta.

O chairman da TBWA celebra a presença de cinco executivos de marketing entre os 20 jurados da área, representando alguns dos maiores anunciantes do mundo. São eles Chris Kempczinski, da Kraft Foods (EUA); Gary Raucher, da Philips (Holanda); Hugo Janeba, da Vivo (Brasil); Kenneth Hong, da LG Electronics (Coreia do Sul); e Mathilde Delhoume-Debreu, da Procter & Gamble (Suíça). Para Dru, um júri composto com um quarto de executivos que lidam com a elaboração de briefings e com a decisão de aprovar as campanhas que vão às ruas é um sinal de amadurecimento do festival.

Relembrando sua primeira vez como presidente de júri em Cannes, em 1982, na época em que só concorriam filmes, Dru frisa que o evento era frequentado apenas pelos criativos. “Era muito restrito”, recorda. Em 1998, quando esteve à frente dos júris de Film e Press, os profissionais de atendimento e mídia eram a grande novidade entre os delegados. Os anunciantes começaram a aumentar sua presença somente no início da última década. Dru frisa que, no ano passado, havia mais executivos da Procter & Gamble em Cannes do que profissionais da TBWA. “Com essa forte presença de anunciantes, o festival vive hoje sua terceira geração.”

Para Dru, a celebração da criatividade é um reflexo da rea­lidade atual enfrentada por agências e anunciantes. “Na época da mídia de massa, a falta de criatividade podia ser compensada pela frequência da veiculação. Mas hoje o consumidor zapeia como nunca.

Sem criatividade, as marcas estão mortas”, decreta. Para ele, os prêmios conquistados por gigantes como Unilever e P&G ao longo dos últimos anos comprovam a mudança de comportamento. “Antigamente era inimaginável ser grande e criativo. Essa premissa era quase que exclusiva das marcas pequenas e das desafiantes, que tinham que assumir riscos”, observa.
 

wraps

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Com Omo, Vinicius Jr amplia time de parcerias publicitárias

    Com Omo, Vinicius Jr amplia time de parcerias publicitárias

    Marca da Unilever escolhe jogador para celebrar duas décadas da campanha Se Sujar Faz Bem; Clear, Nike, Gatorade são outros anunciantes a firmar parceria com o craque nos últimos dias

  • Volkswagen mantém conta de mídia global na PHD

    Volkswagen mantém conta de mídia global na PHD

    A PHD, operação do Omnicom, manteve a conta de mídia do grupo Volkswagen após participar de processo de concorrência