Empregos em publicidade fecharam 2023 em alta histórica nos EUA

Buscar

Empregos em publicidade fecharam 2023 em alta histórica nos EUA

Buscar
Publicidade

Comunicação

Empregos em publicidade fecharam 2023 em alta histórica nos EUA

Setor de publicidade adicionou 1.900 empregos em dezembro, e o emprego geral nos EUA registrou um sólido aumento de 216 mil vagas


8 de janeiro de 2024 - 6h01

Por Bradley Johnson, do AdAge

O emprego em publicidade, relações públicas e serviços relacionados aumentou em 1.900 vagas em dezembro, encerrando 2023 com nível recorde.

Emprego EUA (Crédito: Naka/ Adobe Stock)

O emprego nos EUA em publicidade, PR e serviços relacionados chegou a 504.600 em dezembro (Crédito: Naka/ Adobe Stock)

O emprego geral nos Estados Unidos aumentou em 216.000 vagas em dezembro, de acordo com o relatório mensal de emprego do Bureau of Labor Statistics dos EUA. Isso superou as expectativas dos economistas, um sinal da contínua resiliência do mercado de trabalho.

A taxa de desemprego, baseada em uma pesquisa separada de domicílios, permaneceu estável em 3,7% em dezembro.

O Datacenter do Ad Age detalha o relatório, em números.

Publicidade, PR e serviços relacionados

O emprego nos EUA em publicidade, PR e serviços relacionados, na classificação do Bureau of Labor Statistics (BLS),  chegou a 504.600 em dezembro, com base em números ajustados sazonalmente, quebrando um novo recorde.

O mercado publicitário adicionou 1.900 empregos em dezembro, após uma perda de 800 empregos em novembro.

No caso de novembro, o BLS revisou os números para baixo, indicando que inicialmente haviam relatado um ganho de 1.200 empregos, mas depois reavaliaram para um número menor. Para outubro, a revisão foi para cima, significando que inicialmente haviam relatado um aumento de 3.000 empregos, mas após revisão, ajustaram esse número para um ganho maior, de 3.200 empregos.

Esse grupo de empregos do BLS inclui agências de publicidade, agências de PR e serviços relacionados, como compra de mídia, representantes de mídia, publicidade externa, mala direta e outros serviços relacionados à publicidade. As agências de publicidade representam a maior parte, cerca de 47%, desses empregos.

O emprego em publicidade em 2023 aumentou todos os meses, exceto março e novembro. Nos últimos seis meses, o ganho mensal médio para o mercado publicitário foi de cerca de 1.200 empregos.

Esses ganhos de emprego em publicidade ocorreram apesar dos cortes ao longo do último ano em empresas de mídia e empresas de tecnologia centradas em publicidade.

O emprego nem serviços de distribuição de streaming de mídia, redes sociais e outras redes de mídia e provedores de conteúdo caiu para 229.500 em novembro, uma queda de 1.100 empregos desde outubro.

O emprego em portais de busca na web e todos os outros serviços de informação caiu 900 empregos para 161.800 empregos em novembro. O número está bem abaixo do recorde de 171.900 empregos alcançado em janeiro de 2023.

Agências de publicidade

O emprego nas agências de publicidade dos EUA caiu para 236.500 empregos em novembro, uma queda de 1.700 empregos em relação ao recorde alcançado em outubro.

A queda de novembro seguiu um ganho de 3.000 empregos em outubro. O BLS revisou para cima o número de outubro, de um aumento preliminar de 2.700 empregos relatados há um mês.

O BLS relata o emprego nas agências de publicidade com um mês de atraso, portanto, os números de dezembro ainda não estão disponíveis. Mas o aumento de dezembro no emprego em publicidade, PR e serviços relacionados sugere que o quadro de funcionários das agências de publicidade aumentou no último mês.

Taxa de desemprego

A taxa de desemprego nos EUA, com base em uma pesquisa separada de domicílios, foi de 3,7% em dezembro, inalterada desde novembro.

A taxa de desemprego tem sido de 4% ou menos todos os meses desde dezembro de 2021, um período de desemprego incomumente baixo não visto desde a década de 1960. A taxa de desemprego permaneceu dentro da faixa de 3,4% a 4% de dezembro de 1965 a janeiro de 1970.

Emprego nos EUA

O país adicionou 216.000 empregos em dezembro, com base em números ajustados sazonalmente, superando as previsões dos economistas.

O aumento de empregos em dezembro marcou 36 meses consecutivos de ganhos de emprego, uma sequência vencedora ininterrupta que começou em janeiro de 2021.

Para o ano completo de 2023, a economia adicionou 2,7 milhões de empregos em números ajustados sazonalmente.

O BLS revisou para baixo os ganhos de emprego para novembro e outubro.

O BLS disse que a economia ganhou 173.000 empregos em novembro (abaixo dos 199.000 empregos relatados há um mês) e que 105.000 empregos foram adicionados em outubro (abaixo dos 150.000 empregos relatados há um mês).

As revisões mensais do BLS resultam de relatórios adicionais recebidos de empresas e agências governamentais desde as últimas estimativas publicadas e da recalculação dos fatores sazonais.

Após uma perda sem precedentes de 20,5 milhões de empregos em abril de 2020, quando o país entrou em lockdown devido à pandemia de coronavírus, a economia adicionou empregos todos os meses, exceto dezembro de 2020.

O emprego total nos EUA (157,2 milhões de empregos em dezembro) recuperou todas as suas perdas durante a pandemia, ultrapassando seu pico pré-pandêmico de fevereiro de 2020 (152,4 milhões) para atingir um novo recorde.

A Organização Mundial da Saúde, em janeiro de 2020, declarou o surto de coronavírus uma emergência de saúde pública global e, em março de 2020, classificou a Covid-19 como uma pandemia. O diretor-geral do grupo, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em maio de 2023, determinou que “a Covid-19 é agora um problema de saúde estabelecido e contínuo que já não constitui uma emergência de saúde pública de preocupação internacional’.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dança das Contas: Takis, Graal, PicPay e mais

    Dança das Contas: Takis, Graal, PicPay e mais

    O Grupo Bimbo escolheu a agência FRI.TO para gerenciar as redes sociais da nova marca de snacks, rede Graal escolhe agência Cacau

  • Publicis Brasil muda comando: Gabriela Borges assume liderança

    Publicis Brasil muda comando: Gabriela Borges assume liderança

    No posto de CEO desde 2019, Eduardo Lorenzi está de saída do grupo, que passou por diversas mudanças nos últimos meses