Galeria recompra participação minoritária do Publicis Groupe

Buscar

Galeria recompra participação minoritária do Publicis Groupe

Buscar
Publicidade

Comunicação

Galeria recompra participação minoritária do Publicis Groupe

Com a movimentação, operação dos sócios Edu Simon, Paulo Ilha, Pedro Cruz e Rafa Urenha passa a ser 100% nacional e independente


17 de outubro de 2022 - 13h22

Nota atualizada às 13h36

Edu Simon, sócio-fundador e CEO da Galeria: recompra estava prevista desde o início (Crédito: Arthur Nobre)

A relação entre a brasileira Galeria e a holding francesa Publicis Groupe chega ao fim pouco mais de um ano após o lançamento da agência. Com isso, a Galeria se torna uma operação 100% nacional e independente.

O desfecho da sociedade não surpreende, pois o surgimento da Galeria foi motivado justamente pelo descontentamento dos sócios-fundadores Eduardo Simon, Rafael Urenha e Paulo Ilha com o grupo francês, onde atuavam anteriormente no comando da então DPZ&T.

Para o lançamento da Galeria, ao trio se juntou Pedro Cruz (ex-vice-presidente da FCB), como sócio e CSO. A agência estreou com parte da equipe e clientes da agência anterior: Natura, Itaú e McDonald’s. Hoje, a agência, que é uma das indicadas ao Caboré 2022, na categoria Agência de Comunicação, na qual concorre com VMLY&R e WMcCann, também atende a clientes como Vivo, Seara e TikTok.

Segundo o CEO Eduardo Simon, a saída do Publicis Groupe já estava prevista desde o início. “Em apenas um ano de operação conseguimos viabilizar e concretizar essa negociação. Mesmo não havendo qualquer participação da holding no board ou intervenção nos rumos e no dia a dia dos negócios da agência, fizemos questão de realizar essa recompra o quanto antes para atender o propósito para o qual a Galeria foi criada: ser independente e genuinamente brasileira e ajudar a transformar o mercado”, comenta.

Como parte de seu reposicionamento, após a saída de parte da equipe e dos clientes para a Galeria, a DPZ&T reorganizou sua liderança. A agência passou a ser comandada pelos co-CEOs Fernando Diniz (até então CSO) e Benjamin Young (antes sócio da Suno). Em agosto de 2022, a agência mudou sua marca e voltou a se chamar DPZ. A marca original, composta pelas iniciais dos sobrenomes de seus fundadores Roberto Duailibi, Francesc Petit e José Zaragoza, foi usada até 2015, quando houve a fusão com a Taterka, de Dorian Taterka, após a compra pelo Publicis Groupe das duas agências.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Danças das Contas: Parimatch, Neooh, Sicredi e mais

    Danças das Contas: Parimatch, Neooh, Sicredi e mais

    A Parimatch vai ter primeiras campanhas nas transmissões da Copa Sul-Americana pelo SBT e na Eurocopa pelo CazéTV

  • Hysteria se torna núcleo de projetos de narrativas femininas

    Hysteria se torna núcleo de projetos de narrativas femininas

    Divisão surgiu dentro da Conspiração como plataforma de conteúdo e, com o tempo, expandiu para desenvolvimento de projetos audiovisuais