Stefano Zunino assume comando do WPP no Brasil

Buscar

Comunicação

Publicidade

Stefano Zunino assume comando do WPP no Brasil

Ele substitui Sergio Amado, que responde como country manager da holding desde o início do ano passado e está deixando o grupo após 23 anos

Jonas Furtado
8 de agosto de 2019 - 17h17

Stefano Zunino (à esq.) assume o comando do WPP no Brasil no lugar de Sergio Amado (Crédito: Arthur Nobre)

O CEO da J. Walter Thompson na América Latina Stefano Zunino assume o posto de country manager do Grupo WPP no Brasil em substituição a Sergio Amado, que respondia pelo cargo desde o início do ano passado. Sergio está deixando suas funções na holding, onde atua há 23 anos, e pretende se afastar definitivamente do mercado publicitário.

Também no ano passado, Zunino foi promovido ao cargo de chief transformation officer worldwide do Grupo JWT. Como country manager do WPP no Brasil, ele se reportará à Andrew Scott, COO global da holding. Para desempenhar a nova função, Zunino deixa os postos global e regional que vinha ocupando. Entretanto, se manterá também como chairman global da Mirum, rede de agências digitais que integra o Grupo JWT.

Zunino começou sua carreira na publicidade em 1987, na Leo Burnett de Londres e também trabalhou nos escritórios da agência em Chicago e Milão. Depois, migrou para a VegaOlmosPonce, em Buenos Aires. Mudou-se para São Paulo em 2002 para atuar como CEO da Lowe no Brasil. Ingressou na J. Walter Thompson em 2005, assumindo o posto de CEO da América Latina em 2014. Nessa época, também passou a acumular o cargo de head global de digital do Grupo JWT, até ser promovido a chief transformation officer worldwide da rede, no ano passado.

Já Sergio Amado transferiu no início de 2017 a presidência do Grupo Ogilvy Brasil para Fernando Musa. No ano passado, para assumir como country manager do WPP no Brasil, Sergio deixou o posto de chairman do Grupo Ogilvy, rede onde foi o principal executivo no País por 21 anos. Sergio Amado começou sua carreira como jornalista, em 1969, mas cerca de três anos depois passou a atuar como redator na agência Vox Propaganda, em Salvador, sua cidade natal. Depois, se transferiu para a filial baiana da Standard Ogilvy & Mather. Em 1979, fundou a agência Divisão Associados, que posteriormente se fundiu com a Engenho Propaganda, dando origem a D&E, que, por sua vez, se fundiu com a DM9 Salvador em 1990, formando a DS 2000. Em 1991, Sergio Amado se mudou para São Paulo e entrou para a sociedade da Denison Propaganda, comprada em 1997 pela Standard Ogilvy & Mather, uma das redes globais do WPP que desde o ano 2000 adotou no Brasil a marca Ogilvy & Mather. Naquele mesmo ano de 1997, Sergio Amado se tornou o principal executivo da Ogilvy no Brasil. Entre 2001 e 2003, exerceu a presidência da Associação Brasileira das Agências de Publicidade (Abap).

A mudança de cargo de Stefano Zunino acontece na mesma semana em que Ricardo John deixa a presidência da J. Walter Thompson Brasil, após um ano e três meses no cargo, como revelou Meio & Mensagem na manhã desta quinta-feira. John irá assumir os cargos de chief executive officer (CEO) e chief creative officer (CCO) na FCB Brasil, agência que, na semana passada, anunciou que Joanna Monteiro deixa o cargo de CCO no Brasil para assuir uma função global na rede.

Em novembro de 2018, o Grupo WPP anunciou a fusão global das operações da J. Walter Thompson com a Wunderman, mas no Brasil as duas agências continuam operando separadamente. A Wunderman é liderada por Pedro Reiss e o Grupo JWT tem Ezra Geld como CSO.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • wpp

  • Stefano Zunino

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”