YouTube e Uber testam novos formatos de publicidade

Buscar

Comunicação

Publicidade

YouTube e Uber testam novos formatos de publicidade

Usando modelos inéditos ou já consolidados, nativas digitais experimentam novas formas de monetizar seu alcance

Renato Rogenski
4 de março de 2020 - 6h00

Crédito: Reprodução

A busca por novo meios de monetização é uma constante para as plataformas digitais. Nessa procura, novos modelos de publicidade são testados com grande recorrência. Nos últimos dias duas grandes marcas desse universo fizeram tal movimento: YouTube e Uber. O primeiro quer ampliar a autonomia dos criadores de conteúdo em sua estratégia de publicidade e o outro quer aproveitar sua capilaridade nas ruas para conectar marcas e pessoas.

A plataforma de vídeos do Google colocou para rodar inicialmente nos Estados Unidos um programa piloto que permite que os próprios creators vendam espaços de anúncios, de forma personalizada, dentro de seus conteúdos. Em princípio, o recurso está disponível para uma parcela limitada de criadores de conteúdo e é válido apenas para aqueles que já possuem um histórico de relacionamento com marcas.

No vídeo abaixo, quem explica na prática como funciona a nova ferramenta beta é o diretor de gerenciamento de produtos do próprio YouTube, Tom Leung. O conteúdo pertence ao canal de vídeos Creator Insider, da própria plataforma, e é criado pela equipe de tecnologia da empresa.

De acordo com o The Verge, o controle sobre os anúncios exibidos em seus vídeos é algo que os creators solicitam há muito tempo no mercado norte-americano. O anseio dos youtubers é conseguir definir melhor suas estratégias de publicidade sem ficar invariavelmente dependendo das mudanças de políticas e algoritmos da plataforma, com acontece hoje com os formatos existentes.

Antes de replicar o recurso para outros países, no entanto, a expectativa é que os novos recursos tenham que passar ainda pelo crivo e a aprovação da Federal Trade Comission (FTC), agência que regula o mercado norte-americano. Vale lembrar que, no mês passado, pela primeira vez o Google divulgou dados separados de ganhos em publicidade com conteúdo em sua plataforma de vídeo. A receita de proveniente desse recorte atingiu US$ 15,1 bilhões apenas em 2019.

Também atrás de novas receitas, o Uber está testando caminhos mais convencionais. Nos Estados Unidos, a empresa assinou um acordo com a Adomni, o que gerou um novo núcleo de negócio dedicado exclusivamente à publicidade em carros. A ideia, até o final de março, é colocar publicidade em pelo menos mil veículos em três cidades norte-americanas. De acordo com o comunicado oficial das empresas, a expectativa é que no segundo semestre a rede Uber OOH já disponibilize a compra programática dos anúncios no site da Adomni.

Por enquanto, no esquema piloto, os motoristas receberão US$ 300 para instalar o equipamento que exibe o anúncio e US$ 100 para cada semana em que dirigem mais de 20 horas. Após o dia primeiro de abril, quando está prevista o fim dos testes, eles serão pagos com base nas horas em que dirigem. Até lá, na fase beta serão veiculados apenas anúncios financiados pelo governo americano.

Crédito da imagem de topo: reklamlar/istock

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • youtube

  • Google

  • Uber

  • programatica

  • Influenciadores

  • receita

  • creators

  • youtubers

  • ooh

  • Modelo

  • Monetização

  • criadores de conteúdo

  • meio digital

  • formato de anuncio

  • playaforma

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”