Agências in-house crescem nos EUA durante a pandemia

Buscar

Comunicação

Publicidade

Agências in-house crescem nos EUA durante a pandemia

Pesquisa realizada pela In-House Agency Forum (IHAF) mostra que as operações internas ganharam mais importância e mais funcionários durante os últimos meses


23 de novembro de 2021 - 11h03

A Covid-19 promoveu, em todas as indústrias, novos modos de trabalho

Trabalho à distância resultou em maior produtividade, segundo a pesquisa (Crédito: Reprodução)

 

Do Advertising Age

Durante a pandemia de Covid-19, o número de agências in-house cresceu, assim como a quantidade de funcionários que trabalham nesse tipo de operação, de acordo com o mais recente relatório Produtividade e a Pandemia, realizado pela agência In-House Agency Forum (IHAF).

O relatório, que foi elaborado em parceria com a empresa de pesquisas Forrester, contou com a participação de 265 empresas, incluindo Caterpillar, Experian, HP Inc, Nestlé e PwC. De todas as empresas pesquisadas, 77% disseram que têm agências in-house – um aumento de 7% em relação a 2019. De acordo com a pesquisa, 47% das in-houses disseram que ampliaram o seu quadro, enquanto 38% disseram que o mantiveram do mesmo jeito.

Os dados mostram que 80% das companhias disseram ter ampliado os trabalhos de marketing de suas operações in-house, sendo que 50% afirmaram que esse aumento aconteceu por conta da pandemia. Isso mostra que os executivos de mídia dessas in-house tiveram a oportunidade de usar estratégia de mídia digital, tecnologia de publicidade e dados para controlar seus orçamentos, de acordo com Jay Pattisall, principal analyst da Forrester.

“Em última análise, os anunciantes querem uma melhor compreensão de como os orçamentos de mídia são gastos. A experiência de mídia in-house fornece essa visibilidade”, complementou Pattisall.

A suspensão dos eventos ao vivo e do marketing de experiência fez com que 71% das agências in-house que fizeram parte da pesquisa mudasse seu foco da mídia impressa tradicional para os meios digitais. “As equipes das agências in-house foram preparadas para lidar com a mudança quase total para o digital que aconteceu durante o curso da pandemia”, diz Emily Foster, diretora da IHAF.

A mudança para o trabalho remoto foi apenas um fator, entre vários, nos quais as agências in-house notaram melhorias. De acordo com o estudo, 37% dos entrevistados relataram um aumento da produtividade, enquanto 47% disseram ter mantido a produtividade da pré-pandemia. Mais de dois terços declararam que as reuniões virtuais eram tão ou mais eficientes do que as presenciais. E 50% relataram melhorias nas operações dos projetos.

“Sem o brainstorming espontâneo, resultante de estar sempre cercado por outras mentes criativas, as agências, tanto as in-house quanto as externas, precisaram encontrar novas maneiras de permitir as ideias orgânicas e a colaboração”, disse a estrategista organizacional e expert em operações in-house, Marta Stiglin.

É possível que muitas dessas tendências continuem. De acordo com os entrevistados ouvidos na pesquisa, apenas 9% das agências in-house voltaram a trabalhar de modo 100% presencial neste ano. Nenhuma outra in-house que fez parte da pesquisa planeja voltar a trabalhar de forma 100% presencial em 2022.

Publicidade

Compartilhe