Disney volta ao Top 10 de marcas mais valiosas e Facebook sai

Buscar

Marketing

Publicidade

Disney volta ao Top 10 de marcas mais valiosas e Facebook sai

Permanecem no pódio do ranking da Interbrand Apple, Google e Amazon, onde seguem há sete anos

Teresa Levin
17 de outubro de 2019 - 10h00

Em sua vigésima edição, o ranking Marcas Globais mais Valiosas, desenvolvido pela Interbrand, continua com a liderança de Apple, Google e Amazon, respectivamente. Vale destacar que as duas primeiras mantém a posição há sete anos. Em relação à 2018, a Apple registrou um crescimento de 9% (US$ 234.241 bilhões), e o Google de 8%, enquanto a Amazon registrou um incremento de 24% (US$ 125.263 bilhões). Quem estreia este ano na lista é o Uber, já na 87ª posição e LinkedIn, na 98ª.

Nas primeiras dez colocações, vale apontar a volta da Disney, na décima posição, com um valor de US$ 44.352 bilhões. Além das marcas já citadas, integram as top 10: Microsoft na 4ª posição (US$ 108.847 bilhões), Coca-Cola em 5º (US$ 63.365 bilhões), Samsung em 6º (US$ 61.098 bilhões), Toyota em 7º (US$ 56.246 bilhões), Mercedes-Benz em 8º (US$ 50.832 bilhões) e McDonald’s na 9ª posição (US$ 45.362 bilhões).

Além destes movimentos, chama a atenção a queda do Facebook, que saiu das top 10, descendo da 9ª para a 14ª colocação. O Facebook entrou pela primeira vez no ranking Interbrand Marcas Globais Mais Valiosas em 2012, na 69ª posição, e registrou um crescimento constante nos cinco anos seguintes. Em seu auge, em 2017,  ficou em 8° lugar com um valor de marca de US$ 48.188 bilhões.

Em uma trajetória ascendente, a Mastercard destaca-se por seu crescimento: com um incremento de 25% no valor da marca, subiu oito posições, saindo da 70ª para a 62ª. Vale citar que, após seis anos de ausência, a Dell retorna à 63ª posição, com um valor de US$ 9.086 bilhões. O valor total do portfólio das 100 principais marcas é de US$ 2.130.929 trilhões, um crescimento de 5,7% em relação ao ano passado. O valor do ranking em 2018 foi de US$ 2.015.312 trilhões.

“Estamos vivendo uma era de enorme abundância de escolhas, e após 20 anos do lançamento do nosso primeiro ranking, fica claro perceber que os consumidores estão cada vez mais bem informados, conectados e muito mais exigentes por escolhas que façam sentido com seu estilo de vida”, avalia Beto Almeida, ceo da Interbrand no Brasil. Em sua visão, mudanças incrementais não são mais suficientes para garantir longevidade. “E o ranking deixa evidente o quanto a necessidade de transformar seus consumidores em participantes ativos no dia a dia do seu negócio é crucial para conectar desejo com utilidade, o que no final das contas, gera valores extraordinários, aquilo que identificamos como movimentos icônicos”, fala.

Para elaborar seu ranking, a Interbrand analisa três aspectos: desempenho financeiro dos produtos ou serviços da marca; papel que a marca desempenha nas decisões de compra, e  a força competitiva da marca e sua capacidade de criar lealdade e, portanto, demanda e lucro sustentáveis no futuro. A 20ª edição do ranking Interbrand Marcas Globais Mais Valiosas apresenta uma série de relatórios individuais voltados para os diversos setores. Neles, destaque para o segmento de Luxo, que registrou a maior valorização, passando de US$ 105.783 bilhões para US$ 117.785 bilhões, uma taxa de crescimento de 11%.

Confira aqui o ranking completo e um relatório sobre os resultados. Abaixo, veja o quadro com as 20 marcas mais valiosas, segundo a Interbrand.

 

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Beto Almeida

  • facebook

  • mastercard

  • Apple

  • Samsung

  • Microsoft

  • Google

  • Amazon

  • Uber

  • dell

  • Mercedes-Benz

  • Coca-Cola

  • McDonalds

  • Interbrand

  • LinkedIn

  • Disney

  • Toytota

  • Marcas Globais mais Valiosas

  • Best Global Brands

  • marketing

  • Branding

  • Consumo

  • marcas

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”