Consórcio Magalu busca público jovem após rebranding

Buscar

Marketing

Publicidade

Consórcio Magalu busca público jovem após rebranding

Empresa do Magazine Luiza aposta em presença digital para ganhar mercado entre consumidores de 18 a 25 anos e, também, na classe B

Salvador Strano
25 de agosto de 2020 - 6h00

Consórcio Luiza muda para Consórcio Magalu mirando público jovem (Crédito: divulgação)

Com o objetivo de trazer o público jovem para a modalidade de pagamento, o Consórcio Luiza reformulou sua marca e, com isso, passa a se chamar Consórcio Magalu. A novidade inclui uma digitalização inédita à operação realizada entre março e abril deste ano, que até aquele momento dependia das lojas físicas da rede Magazine Luiza para fechar contratos com seus clientes.

Para a mudança, a empresa promoveu a integração entre o serviço e o aplicativo do Magalu, além de criar seu próprio app, onde é possível contratar a modalidade de crédito sem interação humana, algo considerado inovador para o segmento.

Já a mudança da marca, por outro lado, foi realizada em parceria com a agência Tua, parceira de publicidade da marca. A movimentação foi, também, fruto de uma série de pesquisas junto ao público realizadas durante o ano passado pela consultoria Quorum Brasil.

“O rebranding da marca foi para se aproximar mais da marca Magalu, para que a gente fosse visto no mercado como uma marca do Magalu”, explica Luiza Fonseca, gerente de marketing do Consórcio Magalu. “A partir dessa visão, mudamos a linguagem e o público potencial, ampliando para pessoas mais novas e, também, para a classe B”, afirma a executiva.

A virada foi impulsionada, afirma a Fonseca, pela pandemia do novo coronavírus. E já é possível observar os frutos do caminho adotado. Após queda no volume negociado no início da quarentena, atualmente a marca já observa uma variação positiva nas vendas deste ano em comparação com 2019.

No público de 18 a 25 anos, o crescimento foi de 116% no período da virada.

“Queremos levar esse perfil mais jovem para a comunicação, assim como fazem as fintechs. E temos uma vocação de educação financeira muito grande”, destaca Edna Honorato, presidente do Consórcio Magalu.

Outra potencialidade que a marca busca ampliar com a comunicação é a compra de produtos de segmentos que raramente são associados a consórcios, como eletrodomésticos ou serviços, por exemplo. Atualmente, o mercado está focado em imóvel, automóveis e móveis domésticos.

Publicidade

Compartilhe