O que a Libertadores representará para o esporte do SBT?

Buscar

Mídia

Publicidade

O que a Libertadores representará para o esporte do SBT?

Fred Müller, diretor de negócios e marketing do SBT, avalia a transmissão e revela qual é a importância do futebol para o SBT a partir de agora

Amanda Schnaider
1 de fevereiro de 2021 - 6h00

    Palmeiras ergue a taça da Libertadores no Maracanã: pela primeira vez, a competição foi exibida pelo SBT na TV aberta (Crédito: Reprodução/ Facebook/Palmeiras)

Interrompida pela pandemia da Covid-19, a Copa Libertadores da América de 2020 finalmente chegou ao seu fim nesse sábado, 21, com a vitória do Palmeiras sobre o Santos. O bicampeonato do time alviverde já representa um marco na história do SBT, que, pela primeira vez, exibiu em sua grade a mais importante competição de futebol do continente. Após a Globo, no início de agosto de 2020, anunciar a rescisão de contrato com a Conmebol — entidade esportiva proprietária do torneio — por falta de entendimento em relação aos valores pagos, o SBT fechou contrato com a empresa e passou a ser detentor dos direitos de transmissão do campeonato na TV Aberta do Brasil até 2022.

Desde o primeiro jogo transmitido pelo SBT, em 16 de setembro de 2020, até a final, o futebol passou a ter mais importância e relevância dentro da emissora, devido aos altos picos de audiência que vem conquistando com as transmissões. Além da final, que representou a maior audiência da emissora desde 2004 (o jogo registrou média de 25 pontos, com picos de 32, segundo informações do UOL Esporte), a semifinal entre Palmeiras e River Plate, em 12 de janeiro, já havia batido recorde: o SBT registrou, na ocasião, o melhor desempenho as terças-feiras na mesma faixa horária desde o dia 22 de julho de 2003, há 18 anos, quando havia marcado 19,9 pontos de média.

Para fortalecer sua cobertura, o SBT criou um departamento de esportes específico para a Libertadores, ligado ao departamento de jornalismo, contratou nomes como Téo José, Mauro Beting e Jorginho, e ampliou o esporte na grade de programação, com o lançamento do Arena SBT, apresentado por Benjamin Back e com comentários de Maurício Borges, Emerson Sheik, Cicinho, Téo José e Mauro Beting.

Em entrevista ao Meio & Mensagem, Fred Müller, diretor de negócios e marketing do SBT, faz um balanço da Libertadores na emissora e revela qual é a importância do futebol para a empresa a partir de agora.”O futebol pode ocupar um papel estratégico e relevante em nossa grade. Há muitas oportunidades para um novo protagonismo nessa área”, reforça.

Fred Müller, diretor de negócios e marketing do SBT (crédito: divulgação)

Meio & Mensagem – Como foi a experiência de transmitir a Libertadores pela primeira vez?
Fred Müller – A Conmebol Libertadores é a competição de clubes mais importante do continente e uma das mais relevantes do futebol mundial. Esta Copa tão disputada e desejada pelos clubes brasileiros traz excelência a nossa programação, com o esporte que é verdadeira paixão nacional. Já conquistou e terá cada vez mais destaque na tela do SBT, emissora que comprovadamente tem a torcida e o carinho do público.

M&M – Quais foram os aprendizados adquiridos durante essa primeira transmissão?
Fred – O futebol pode ocupar um papel estratégico e relevante em nossa grade. Há muitas oportunidades para um novo protagonismo nessa área. O SBT sempre foi muito autêntico e tem criado uma maneira própria de transmitir e entreter o público com o futebol. A prova disso é o fortalecimento da cobertura esportiva, com a escalação de talentos renomados, como Téo José, Mauro Beting e Jorginho. E para ampliarmos a exposição do futebol na grade, lançamos o Arena SBT, com Benjamin Back, Emerson Sheik, Cicinho e Mano [Mauricio Borges]. Estamos confiantes com os resultados, que são crescentes e têm criado novos hábitos de consumo de conteúdo entre o público do segmento.

M&M – O que a emissora levará para a próxima edição da competição e o que fará diferente?
Fred – Como adquirimos os direitos durante a competição, nossa maior preocupação foi ter uma qualidade de entrega na transmissão e ações comerciais inovadoras. Nós cada vez mais conseguimos imprimir nosso estilo, procurando entender o que atrai mais o público, por meio de pesquisas frequentes que nossa área de inteligência de mercado realiza. A proposta é continuar a construir a nossa marca no futebol e entregar um grande projeto para nossa audiência e nossos parceiros comerciais. Estamos em fase de planejamento para a Copa de 2021, e com certeza teremos novidades.

M&M – Do ponto de vista comercial, como o SBT avalia o interesse dos anunciantes na competição? Como foi o desempenho do produto Libertadores?
Fred – Já temos grandes marcas que estão desde o primeiro jogo, Amazon Prime Video, Claro e SportingBet que têm papel fundamental na construção do projeto Libertadores no SBT. Foi uma negociação dinâmica no início, pois tivemos um curto prazo entre a compra dos direitos e a transmissão do primeiro jogo. Mas a consolidação do produto, resultado de um trabalho integrado entre diversas áreas do SBT, artístico, programação, digital, marketing, institucional, entre outros, garantiu as ferramentas necessárias para o sucesso comercial. Além dos três clientes que estão desde o início, para 2021 temos a quarta cota, que é Sanofi, que também esteve conosco na partida final do campeonato 2020. Para esse jogo, tivemos ainda mais duas cotas comercializadas para Netshoes e Tik Tok, além de Ambev no Top de 5 segundos.

M&M – Na semifinal entre Palmeiras X River, o SBT registrou maior audiência dos últimos 18 anos com a transmissão. O que isso representa para a emissora?
Fred – Tratamos a audiência como resultados de vários fatores. Hoje competimos pelo tempo e atenção das pessoas, e isso mudou drasticamente nos últimos anos e com o surgimento de novos players que vão além da TV linear. Alcançamos números muito expressivos, com recordes de audiência. E vale reforçar que os números precisam ser extrapolados, por conta da exibição dos jogos em outras telas, no SBT Vídeos e no SBT.com.br, com transmissão simulcast. Assim temos a certeza de que estamos em evolução em muitas frentes e que o conteúdo é mandatório.

M&M – A experiência com a Libertadores estimula a emissora a investir na aquisição de outros direitos esportivos? Há interesse na aquisição de algum outro campeonato?
Fred – A Libertadores nos fez entender que há um grande interesse e aderência junto à audiência. Estamos sim olhando para as boas oportunidades. A premissa é a de que o investimento em uma nova aquisição faça sentido para nossa estratégia como um todo.

**Crédito da imagem no topo: Lesly Juarez/Unsplash

Publicidade

Compartilhe