MPF pede ao Twitter esclarecimentos sobre canais de denúncias

Buscar
Publicidade

Mídia

MPF pede ao Twitter esclarecimentos sobre canais de denúncias

Plataforma terá de explicar porque não tem no Brasil uma ferramenta que indique conteúdos falsos relacionados à Covid-19; rede social responde às críticas recebidas


6 de janeiro de 2022 - 17h01

(Créditos: Brett Jordan/Pexels)

Atualizada às 18h48

O Ministério Público Federal (MPF) enviou um ofício ao Twitter nesta quinta-feira, 6, solicitando que a plataforma preste esclarecimentos a respeito das ferramentas que oferece aos usuários para as denúncias de conteúdo. A principal observação é de que, diferentemente do que ja acontece nos Estados Unidos, o Twitter ainda não tem, no Brasil, um canal direto de reporte de informações falsas ou conteúdos inverídicos sobre a Covid-19.

O ofício é assinando por Yuri Corrêa da Luz, procurador da República de São Paulo. O documento confere ao Twitter um prazo de 10 dias úteis para que “preste informações detalhadas sobre a disponibilização, aos usuários, dessa plataforma, de via de denúncia de conteúdo desinformativos envolvendo a pandemia de Covid-19, ainda em curso.”

O documento do Ministério Público Federal também determina que o Twitter informe “especificamente por que motivo usuários de outros países, como os Estados Unidos, dispõem de opção para denunciar à plataforma conteúdos deste tipo, ao passo que usuários brasileiros, não.”

O procurador da República pede à empresa que informe também se estão sendo adotadas providência para que tal funcionalidade de denúncia seja disponibilizada também a usuários brasileiros e, em caso positivo, qual o prazo previsto para sua implementação.

Polêmicas e críticas
Ao longo desta semana, o Twitter vem recebendo diversas críticas a respeito da ausência de uma ferramenta que permita a denúncia de notícias falsas relacionadas à Covid-19. Embora mantenha a opção de os usuários denunciarem postagens e perfis que violam os padrões de uso da plataforma, o Twitter não tem, entre as opções de classificação, a opção de reportar conteúdo que aborde diretamente a questão da pandemia, ferramenta que já existe em outros países. Isso, na visão de muitos usuários da plataforma, inclusive de diversos jornalistas, seria importante para coibir a desinformação a respeito das vacinas e de questões de saúde importantes para a população.

Nos primeiros dias do ano, a hashtag #TwitterApoiaFakeNews figurou entre as mais postadas na plataforma. Além de questionar a ausência de um canal de denúncia específico para conteúdos e informações falsas que envolvam a pandemia, os usuários da rede social também criticam a falta de transparência nos critérios para a concessão do selo de verificação dos usuários. Perfis que promovem notícias falsas sobre as vacinas e sobre a pandemia teriam recebido essa verificação da rede social, o que motivou muitas críticas sobre a falta de transparência e critérios adotados.

O ofício do MPF aborda essa questão dos perfis verificados e solicita explicação sobre o assunto. O texto pede que a rede social informe “quais os critérios utilizados pelos responsáveis pela plataforma, no Brasil, para conferir verificação a usuários, e indique se, entre os critérios usados para negar tal status de verificação, está ou não o eventual envolvimento do usuário na veiculação de conteúdo desinformativo sobre temas de saúde pública, a exemplo daqueles atinentes à Covid-19, em relação aos quais já há farto consenso de autoridades sanitárias ao redor do mundo.”

Resposta da rede social
No início da noite de quinta-feira, 6, o Twitter Brasil respondeu aos questionamentos feitos pela reportagem com o encaminhamento de thread (como é chamada a sequência de postagens sobre determinados assuntos) a respeito dos temas perguntados.

A empresa diz que desde março de 2020 “possui uma política para tratar informações enganosas sobre a Covid-19” e diz que essa política “não prevê a atuação em todo o conteúdo inverídico ou questionável sobre a pandemia, mas em tweets que possam expor as pessoas a mais risco de contrair ou transmitir a doença.”

O Twitter, no entanto, diz que a abordagem em relação à desinformação vai além de manter ou retirar conteúdos e contas do ar. “O Twitter tem o desafio de não arbitrar a verdade e dar às pessoas que usam o serviço o poder de expor, contrapor e discutir perspectivas. Isso é servir à conversa pública”, escreveu a empresa, que postou, na sequência, exemplos de curadorias de conteúdo que propõem o esclarecimento de informações sobre a doença.

Em relação ao canal específico de denúncias para fake news relacionadas à pandemia, o Twitter diz: “Como costumamos fazer nas atualizações de produto, recentemente iniciamos um teste de denúncia de informações enganosas em diferentes categorias, incluindo Covid-19, nos EUA, Austrália e Coreia do Sul. A eventual implementação em todo o mundo dependerá dos resultados aferidos.”

Já sobre os questionamentos a respeito do selo de verificação dos perfis,  o Twitter disse que lançou recentemente uma nova política de acordo com comentários feitos pelas pessoas, cujos critérios estão disponíveis publicamente” e e lembrou que o selo azul tem como objetivo confirmar a autenticidade de perfis de alto alcance e engajamento. “Porém, o processo de implementação requer aprendizado e revisões, dado que é recente e está sujeito a imprecisões e equívocos. Ouvimos os questionamentos e reavaliamos, onde erros foram cometidos, fizemos correções”, disse a companhia.

Na thread, a empresa também diz que “Ninguém no Twitter é responsável, sozinho, por nossas decisões” e declarou que “é lamentável ver pessoas que trabalham na empresa sofrerem cobranças dirigidas como se respondessem pelas medidas isoladamente.”

Publicidade

Compartilhe