Vídeos curtos, o conteúdo do futuro

Buscar

Opinião

Publicidade

Vídeos curtos, o conteúdo do futuro

O número total de consumidores dessa modalidade na China atingiu 648 milhões de pessoas no ano passado, respondendo por 78,2% da população online do país


22 de outubro de 2019 - 19h15

(Crédito: Giftpundits/ Pexels)

A sociedade está sempre em movimento e, a cada dia que passam tem se tornado ainda mais conectada. São poucos os momentos em que podemos assistir conteúdo longo com calma e atenção. Estamos a todo tempo nos deslocando de um lado para o outro, mas sempre com nossos celulares. Uma pesquisa realizada pelo SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), divulgada em 2018, constatou que nas grandes cidades o tempo médio diário gasto para se deslocar é de duas horas e vinte e oito minutos. Em um ano, o brasileiro perderia 37 dias e meio com deslocamentos, ou seja, mais de um mês para ir de um lugar ao outro. É nessa sociedade móvel que nasce um futuro consumidor de produções mais instantâneas: os vídeos curtos.

Como ponto de referência para a tendência, no intervalo de 2017 para 2018, o conteúdo de vídeos curtos na China simplesmente quadruplicou. Segundo relatório divulgado durante a 7ª Conferência Internacional de Áudio e Vídeo da China, que aconteceu em maio deste ano, em Chendgu, o número total de consumidores de vídeos curtos no país atingiu 648 milhões de pessoas no ano passado, respondendo por 78,2% da população online total do país. O resultado foi um boom de crescimento no faturamento do mercado de vídeos curtos da China, que cresceu 744,7%, ou seja, US$ 6,8 bilhões em 2018.

Parte desse crescimento pode ser atribuído à geração Z, os nascidos entre meados dos anos 1990 até início do ano de 2010. Eles somam dois bilhões no mundo e representam 28% da população. No Brasil, atualmente, 30 milhões de jovens adultos, adolescentes e crianças configuram a geração Z. De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Statistic Brain Research Institute, o tempo médio de atenção dessa parcela da população é de apenas oito segundos, o que torna difícil de se manter o foco por longos períodos. Por isso, o vídeo curto vem ganhando território em relação à leitura, sendo mais interessante que uma imagem estática.

A conectividade no Brasil é tão representativa que o país ocupa a 5ª posição em um ranking de uso diário de celulares no mundo. De acordo com o relatório Estado de Serviços Móveis, elaborado pela consultoria especializada em dados sobre aplicativos móveis App Annie, os brasileiros passaram mais de três horas por dia usando o celular em 2018.

Também por isso, o país se projeta como um expoente no consumo de vídeos curtos. Atualmente, o crescimento do consumo de conteúdos audiovisuais online no Brasil já chega a 135%, contra 13% da TV aberta em um público de 75% de usuários optando pelo smartphone como meio de entretenimento. É o que aponta a pesquisa Video Viewers, realizada em 2018 em parceria com o Instituto Provokers e com a Box 1824. Observando o comportamento dessa nova geração de consumidores, pode-se ter como perspectiva, a curto prazo, que os vídeos curtos são o futuro para produções de conteúdo.

O Brasil é um país que, tipicamente, gosta de interações rápidas e curtas. É possível notar em outros apps, por exemplo, uma grande quantidade de vídeos e correntes que são repassados e se espalham. Além disso, é um país com um comportamento social muito grande que gosta de compartilhar tudo aquilo que faz, por isso há um potencial de crescimento expressivo.

Grandes empresas vêm adaptando seus serviços e produtos e outras surgindo com propostas inovadoras. Como exemplos, a Amazon Prime anunciou no início do ano que investiria na criação de conteúdos curtos; Jeffrey Katzenberg, cofundador da DreamWorks Animation investiu na criação do streaming de vídeos curtos Quibi; e também a Firework, plataforma de vídeos curtos e de alta qualidade criada no Vale do Silício em 2017 e que chegou ao Brasil no início deste ano, vem apostando no consumo deste tipo de conteúdo no país. Em apenas seis meses de operação em terras brasileiras a rede social já registrou 500 mil usuários (e 3 milhões no mundo).

**Crédito da imagem no topo: NickyLloyd/iStock

Publicidade

Compartilhe