Na era da transformação digital, qual é a realidade da sua empresa?

Buscar

Opinião

Publicidade

Na era da transformação digital, qual é a realidade da sua empresa?

Não basta aplicar; é preciso entender as mudanças, pois podem refletir no sucesso ou fracasso da companhia


14 de julho de 2021 - 6h00

É fato que vivemos em uma sociedade cada vez mais digital. Antes mesmo da pandemia do novo coronavírus, existia uma necessidade exacerbada das empresas em se transformarem digitalmente e isso era tratado como um diferencial. Hoje, embora ainda vivendo em meio à pandemia, isso se tornou ainda mais urgente em muitos setores das organizações.

Contudo, na busca desenfreada de se enquadrar no novo cenário digital, muitas empresas aplicaram a “fórmula” em áreas mais integradas ao digital, sem compreender o escopo, a estrutura e até mesmo as responsabilidades dessas áreas.

Se por um lado a digitalização tem proporcionado benefícios para o consumidor e transformado as empresas, por outro implica constantes desafios. Neste sentido, quando o assunto é a digitalização, seguir as principais tendências do mercado velozmente parece não ser suficiente. Isso é perceptível, especialmente, em setores demasiadamente digitalizados, na qual a maturidade digital varia significativamente, impactando os resultados das empresas.

A habilidade de reimaginar digitalmente um negócio é estabelecida, em sua maioria, por uma estratégia digital tangível e respaldada por líderes que fomentem uma cultura capaz de “inventar o novo”.

Como a sua empresa está se adaptando à transformação digital? (Crédito: Pexels/ Pixabay)

Desta forma, a transformação digital é caracterizada por impulsionar ao menos um dos principais estímulos da sua cadeia de valor, sendo essas:

1. Modelos de negócio: corresponde a novas formas de operar e novos modelos econômicos;

2. Conectividade: diz respeito ao engajamento em tempo real;

3. Processos: tem como foco a experiência do cliente, automação e agilidade;

4. Analytics: corresponde à melhor tomada de decisão e cultura de dados.

Contudo, para absorver o valor criado por esses estímulos, é fundamental associá-los a um conjunto de práticas que compreendem quatro dimensões fundamentais: Estratégia; Capacidades; Organização e Cultura.

Compreendendo as dimensões da Transformação Digital

Estratégia

– Consciência da mudança;
– Aspiração ambiciosa e de longo prazo;
– Vínculo à estratégia de negócio;
– Centralidade do cliente;
– Oportunidades de crescimento;
– Roadmap específico;

Capacidades

– Marketing e vendas digitais;
– Jornadas do cliente;
– Dados e Analytics;
– Modelos e plataforma tecnológica;
– Foco na geração de valor.

Organização

– Estrutura;
– Colaboração entre negócio e tecnologia;
– Talentos;
– Proficiência em Analytics e Digital;
– Governança e métricas.

Cultura

– Agilidade;
– Teste e aprendizado;
– Experimentação;
– Colaboração interna;
– Orientação externa;
– Mentalidade baseada em dados.

Após a Transformação Digital o foco é a Maturidade Digital

Quando uma empresa compreende as dimensões da Transformação Digital e ela é aplicada de forma assertiva, o passo seguinte é alcançar a maturidade digital. Neste contexto, Maturidade Digital é um termo utilizado para reportar-se ao nível de entendimento e integração das tecnologias na rotina da empresa. Ou seja, corresponde a um passo mais avançado após a transformação digital. Embora estes dois termos sejam primordiais para uma empresa conquistar vantagem competitiva, apresentam conceitos e aplicações diferentes.

Em 2018, em um estudo inédito, o Google e Boston Consulting Group mediram o nível de maturidade digital de algumas das maiores empresas brasileiras, no campo do marketing data-driven. Embora as pessoas sejam receptivas aos anúncios digitais (segundo fontes da pesquisa) falta de maturidade das empresas que não estão 100% preparadas para ações digitais eficientes.

Segundo o Google e o BCG a maturidade digital pode ser divindade em quatro estágios, sendo eles:

Nascentes: corresponde ao nível mais básico de maturidade e está associado às empresas que não estão muito atentas aos resultados de suas estratégias, e valem-se de dados tratados por terceiros;

Emergentes: diz respeito a empresas que já possuem um processo de armazenamento e tratamento de dados, porém, os utilizam como base para as estratégias, sem realizar o cruzamento dos resultados;

Conectadas: este estágio corresponde às empresas que cruzam e conectam os dados em multicanais, além disso, possuem habilidades específicas para interligar resultados e analisar métricas singulares;

Multimomento: este é o nível onde as empresas conseguem manipular a tecnologia para promover experiências ímpares e diferenciadas, com base na individualidade do público consumidor, independente do canal.

É importante ressaltar que, quando uma empresa atinge o nível de maturidade correspondente ao Multimomento, é possível aumentar as receitas da empresa em até 20%, atrelado a uma redução de custos de até 30%.

Porém, de acordo com dados do setor, no Brasil, apenas 2% das empresas atingiram este patamar, sendo que a grande maioria, 55%, encontra-se na categoria Emergente.

Antes de ser aplicado no Brasil, esse modelo foi utilizado no mercado europeu.

Publicidade

Compartilhe