Você quer ter razão ou quer ter clientes?

Buscar
Publicidade

Opinião

Você quer ter razão ou quer ter clientes?

Quase toda grande marca tem um “mascote” humanizado para falar de suas qualidades, mas o consumidor não quer apenas falar com um avatar. Ele quer uma relação próxima, de confiança


23 de maio de 2022 - 16h00

Crédito: Shutterstock

A gente não faz marketing para a gente mesmo. Nem para o dono da empresa. Nem para ganhar prêmios. A gente faz marketing para os clientes. São eles que definem se um produto é bom ou não. Se um preço é barato ou caro. Se uma arte é bonita ou feia.

São os clientes que precisam ser informados, convencidos, satisfeitos. São eles que devem lembrar de uma experiência, querer voltar, recomendar. Sem consumidores, não existe negócio.
Marketing bem-feito não é o que usa inteligência artificial, o que faz propaganda em três dimensões ou o que está no metaverso. Isso tudo é interessante e pode ser usado. Mas marketing bem-feito é o que deixa o cliente satisfeito. O resto é “recheio”. É meio. É drible.

Acho legal ver um time de futebol que joga bonito. Mas quem ganha é quem faz mais gols. E, no marketing, o placar marca os sorrisos no rosto das pessoas que estamos servindo. Aliás, está aí uma expressão forte: servir. Já parou para pensar que nossas empresas só existem porque alguém precisa do que elas produzem? As marcas estão sempre à serviço dos clientes. Estão em posição de servos, satisfazendo desejos, aliviando dores, reduzindo custos, proporcionando alegrias para suas patroas e patrões.

Se uma propaganda não provoca nenhuma reação nas pessoas, perdeu a razão de existir. Se ela não muda percepções, não quebra barreiras, não convence alguém a comprar algo, ela tem o mesmo valor que uma nota de R$ 2 rasgada em pedacinhos. Literalmente, não serve para nada.

Agradar os clientes não é fácil. Primeiro, porque implica em termos que descobrir o que eles querem (e muitas vezes nem eles mesmos sabem). Depois, passa por viabilizarmos uma solução melhor do que as que já existem por aí. E ainda preciso arrumar uma forma de eles conhecerem e experimentarem a minha proposta. Na sede de completar essa maratona, às vezes nos atrapalhamos. E o cliente reclama. Ele sempre tem razão? Não sei, mas tem as suas razões. E cabe à gente entendê-las e mudar o que ele quer que mude. Entre ter razão e ter clientes, a escolha é fácil.

Em uma época em que quase toda grande marca tem um “mascote” humanizado para falar de suas qualidades, o consumidor não quer apenas falar com um avatar. Ele quer uma relação próxima, de confiança. Algo mais parecido com o que ele encontra em um amigo do que em uma coisa. Uma amizade que tem companhia, sinceridade, momentos felizes e pedidos de desculpa, se for necessário. Uma relação que se aprofunda com o tempo, de duas partes que vão se conhecendo e se complementando cada vez mais.

Não há nenhum investimento de marketing que dê mais retorno do que o de conhecer profundamente os clientes. Saber o que eles gostam, o que não gostam, o que esperam, o que precisam, como pensam, como decidem. Saber o que está mudando na sua vida, nas suas referências, no seu contexto e nas suas opiniões. Não existe nenhum problema de marketing que resista a um bom plano feito com base nas necessidades e percepções dos consumidores.
Profissional de marketing tem que entender de tecnologia, de comunicação, de estratégia, de finanças, de liderança e de projetos. Mas, acima de tudo, tem que saber… do cliente!

Publicidade

Compartilhe

Veja também