Comportamento e tendência para o futuro do conteúdo digital

Buscar

Comportamento e tendência para o futuro do conteúdo digital

Buscar
Publicidade

Marketing

Comportamento e tendência para o futuro do conteúdo digital

Parceria entre a WGSN e o TikTok indica que tendências comportamentais serão guiadas por intencionalismo, escapismo e comunidades


23 de agosto de 2023 - 11h45

O comportamento digital, sobretudo entre a Geração Z, é um dos grande focos de marcas para o direcionamento de campanhas, produtos e serviços. Ao lado da WGSN, o TikTok apresenta conceitos que deverão guiar as novas tendências comportamentais na produção e consumo de conteúdo digital nos próximos anos.

criador de conteúdo

Criadores de conteúdo são parte fundamental do lançamento de novos comportamentos e tendências (Crédito: DC Studio/Shutterstock)

“Quando falamos de tendências, existe um estudo de pessoas e comportamentos”, apontou Lilian Otuka, head de research & insights do TikTok para a América Latina durante evento realizado na última terça-feira, 23. Os hábitos de uso dos usuários do TikTok são centrados em conteúdos com fins de entretenimento. Este, segundo a head, tornou-se uma forma chave de se conectar com as pessoas de uma maneira mais fácil, diminuindo os atritos ao passar mensagens.

Os criadores de conteúdo tem o mérito neste sentido. Com grande relevância e consonância, eles são capazes de criar comunidades por meio da democratização de acesso e curadoria de conteúdo. “Quando temos um criador de conteúdo, temos uma relação mais profunda, horizontalizada”, ressaltou Lilian. Ainda que a América Latina ainda esteja em processo de digitalização, jovens da região almejam a criação de conteúdo como profissão e acesso a novas oportunidades na creator economy.

Neste sentido, a head endossou que a nova era das redes sociais tem o conteúdo como epicentro da busca por comunidades. É através dele que os usuários buscam por afinidades mútuas, conexões com relevância e laços potentes. Não mais agentes de disseminação, eles atuam como moderadores de comunidades – estas de extrema relevância para o lançamento de tendências, uma vez que criam subculturas e ditam determinadas culturas populares.

Com a tecnologia servindo como meio, e não fim, as gerações atuais buscam nela uma identificação com seus valores e, assim, maior intencionalidade. O levantamento mostra que o consumo de conteúdo agora é mais consciente. Ou seja, leva em consideração o impacto que tem em questões ligadas ao bem-estar, saúde e produtividade. É preciso pontuar, ainda, a tecnologia como ferramenta para estar atento a causas socioambientais.

Ademais, o caráter alienante do entretenimento perde a força. No conteúdo, mora a possibilidade de novas vias de acesso a futuros melhores. Ampliando o conhecimento, ele contribui para crescimento pessoal e profissional. Os temas abordados pelas comunidades são inúmeros: vão desde saúde, nutrição e beleza, até dicas para entrevistas de emprego, finanças e empreendedorismo, entre tantos outros.

Em terceiro lugar, o escapismo entra como um sintoma do que a América Latina vem passando nos últimos anos, dada a pandemia e diversas crises. O desdobramento desse contexto, que agora transita entre o mundo real e o on-line, exibe a criação gradativa de novos significados para a identidade. Com o phygital ganhando força, destaca-se aquele que contribua para a criação de um futuro aspiracional diferente.

O potencial do conteúdo para as marcas

Assim como os creators, as marcas têm parcela importante de contribuição no digital. Segundo a colaboração, não basta apenas fornecer entretenimento de qualidade. É preciso sair do local de soberania e adentrar as comunidades de maneira mais respeitosa, em consonância com os valores dos indivíduos e seguindo limites relacionados à saúde mental e à individualidade, por exemplo.

Além disso, elas podem pegar carona com os criadores de conteúdo. A parceria entre as duas partes em diversos canais deve seguir a liberdade criativa e ser pautada na confiança. O estudo ressalta que essa é uma via de mão dupla. Do outro lado, deve haver cada vez mais a profissionalização dos creators para estreitar laços com as marcas e até mesmo com a própria comunidade.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele