Relembre posicionamento de plataformas de e-commerce sobre taxação

Buscar

Relembre posicionamento de plataformas de e-commerce sobre taxação

Buscar
Publicidade

Marketing

Relembre posicionamento de plataformas de e-commerce sobre taxação

Marketplaces como Shopee, Aliexpress e Shein se manifestaram sobre o imposto de 20% sobre remessas internacionais, que entra em vigor em agosto


28 de junho de 2024 - 12h03

Após uma rápida tramitação pela Câmara, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou na quinta-feira, 27, a taxa das “blusinhas”, que prevê a taxação de 20% sobre compras internacionais de até US$ 50 (cerca de R$ 260).

À época, plataformas internacionais manifestam-se sobre decisão da Câmara dos Deputados acerca da taxação (Crédito: Adobestock)

A cobrança atinge, sobretudo, consumidores de marketplaces internacionais como Shein e Aliexpress. As plataformas comercializam produtos com preços no intervalo previsto pela taxação. Além disso, geralmente, são mais baratos do que itens do varejo nacional.

A proposta do imposto foi uma emenda jabuti, quando não há relação com a proposta original, no texto do PL 914/24, que abordava o projeto Mobilidade Verde e Inovação (Mover), que propõe um incentivo de R$ 19,3 bilhões em cinco anos para fomentar a fabricação de veículos menos poluentes.

Quando a proposta foi oficializada pela Câmara dos Deputados, no final de maio, diversos marketplaces se manifestaram sobre a decisão. Relembre:

Aliexpress

O Aliexpress, varejista chinesa do Grupo Alibaba, disse ter sido surpreendido com a decisão da Câmara e alegou que isso desestimula o investimento internacional no país, deixando o Brasil como um dos países com a maior alíquota para compras de itens internacionais do mundo.

“Se convertido em Lei, o fim do De Minimis impactará de forma muito negativa a população brasileira, principalmente aqueles de classes mais baixas, que deixarão de ter acesso a uma ampla variedade de produtos internacionais, que em sua maioria não são encontrados no país, a preços acessíveis”, dizia o comunicado enviado à imprensa.

No início desta semana, a plataforma anunciou um acordo com o Magalu para a comercialização de produtos em ambas as plataformas. Consumidores da varejista brasileira poderão comprar produtos da linha Choice, do Aliexpress, por meio do marketplace nacional. Já os clientes da chinesa terão a oportunidade de adquirir itens de bens de consumo do Magalu na plataforma internacional.

Em coletiva de imprensa, Briza Rocha Bueno, general director Brasil e Latam do Aliexpress, reforçou que o acordo reforça a atenção da chinesa ao marketplace local e que “vendedores locais vendendo para brasileiros já são um espaço importante para a plataforma e é onde temos focado bastante”.

Shopee

Mantendo os vendedores locais como uma fortaleza da operação brasileira, a Shopee se mostrou a favor do imposto. “Queremos desenvolver cada vez mais o empreendedorismo brasileiro e o ecossistema de e-commerce no país e acreditamos que a iniciativa trará muitos benefícios para o marketplace. Não haverá impacto para o consumidor que comprar de um dos nossos mais de 3 milhões de vendedores nacionais que representam 9 em cada 10 compras na Shopee no país”, disse em comunicado.

Em entrevista ao Meio & Mensagem, em junho, Rodrigo Farah, head de brand da Shopee Brasil, celebrou os vendedores locais reforçando a característica de marketplace, uma vez que é uma ferramenta tecnológica para unir vendedores ao consumidor brasileiro. “Ao mesmo tempo que temos um grande acesso de consumidores, também precisamos trabalhar ao lado dos vendedores locais para conectá-los aos clientes. Por isso damos tanta importância a eles”, apontou Farah.

Shein

Assim como o Aliexpress, à época, a Shein também se manifestou contra a taxação. De acordo com comunicado, a empresa via o fim do De Minimis, regime tributário que há mais de 40 anos garantia a isenção de imposto de importação para compras internacionais até US$ 50, como um “retrocesso”.

A plataforma ainda destacou o crescimento do e-commerce no Brasil após a pandemia, que impulsionou os hábitos de consumo por meios digitais da população global. “Estudos apontam que o e-commerce, no geral, representa entre 10% e 15% do varejo nacional. Enquanto isso, a parcela do e-commerce de plataformas internacionais não alcançaria mais do que 0,5% do varejo nacional, de acordo com estudo de 2024 da Tendências Consultoria”.

Procurada pela reportagem de Meio & Mensagem, a Shein afirmou que, por enquanto, não irá se posicionar sobre a sanção.

Instituições brasileiras

Para o Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), a volta de imposto para compras internacionais é um passo na busca por isonomia, conforme aponta posicionamento em seu portal oficial. Ainda que se posicione a favor, o instituto entendia que a alíquota não era o suficiente, “mas que representa um movimento necessário em busca da igualdade completa, sob a justificativa de que a tributação das empresas nacionais passa de 80%”.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele