STF arquiva inquérito contra big techs por manifestação contra PL das fake news

Buscar

STF arquiva inquérito contra big techs por manifestação contra PL das fake news

Buscar
Publicidade

Mídia

STF arquiva inquérito contra big techs por manifestação contra PL das fake news

Google e Telegram foram acusadas de suposta campanha abusiva contra o PL das Fake News ao se manifestarem contra a proposta em suas plataformas


25 de junho de 2024 - 10h56

Na última semana, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), arquivou o inquérito contra o Google Brasil e o Telegram. Em 2023, as big techs fizeram postagens contra o Projeto de Lei das Fake News (PL 2.630/20), que atualmente tramita no Congresso Nacional, em suas plataformas proprietárias.

Google e PL das Fake News

No ano passado, Google Brasil se manifestou contra o PL das fake news em seu buscador (Crédito: Reprodução)

A decisão foi justificada por um parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR), que alega que não existem provas o suficiente para a abrir um processo criminal contra as empresas. Apesar disso, de acordo com a Agência Brasil, um inquérito civil que investiga o caso continua em tramitação em São Paulo.

No início do ano, em fevereiro, a Polícia Federal concluiu que tanto o Google Brasil, quanto o Telegram, praticaram “abuso de poder econômico e manipulação de informações” na ofensiva contra o projeto de lei. Entre os demais crimes estariam a propaganda enganosa e a abolição do Estado.

Em abril de 2023, o Google publicou uma carta aberta em seu blog após uma das aprovações do PL na Câmara. De acordo com a big tech, as consequências do texto atual do PL representariam retrocesso para a internet aberta no Brasil. O comunicado abordava o impacto econômico para pequenas e médias empresas e a ameaça à liberdade de expressão e política.

Além disso, os usuários que acessavam a página inicial do buscador se depararam com um texto: “O PL das fake news pode aumentar a confusão sobre o que é verdade ou mentira no Brasil”.

o Telegram enviou uma mensagem aos seus usuários, manifestando-se sobre o PL das Fake News. A plataforma alegava que o Brasil estaria prestes a aprovar uma lei que iria acabar com a liberdade de expressão. À época, Paulo Pimenta, da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, avaliou a mensagem como “absurdo”. Já Orlando Silva, relator do projeto de lei, apontou a estratégia como “jogo sujo”.

O PL das Fake News em 2024

Já em abril deste ano, o PL das fake news ganhou novos rumos. Após embate entre Elon Musk, dono do X (antigo Twitter) e Alexandre de Moraes, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, comunicou a criação de um grupo de trabalho para elaborar um novo texto para o projeto de lei.

Lira defendeu a apresentação de um projeto “mais maduro”, alegando que a análise foi prejudicada pela contaminação com narrativas de censura e violação à liberdade de expressão. Ademais, ele apotou que a última versão do projeto, fruto de parecer do relator Orlando Silva (PCdoB – SP), foi “polemizado”.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Como os brasileiros utilizam as redes sociais?

    Como os brasileiros utilizam as redes sociais?

    Levantamento da Brain investigou hábitos de consumo de redes sociais entre diversas faixas etárias; WhatsApp é o app líder entre todas as gerações

  • Paramount+ segue os demais streamings e reajusta preço no Brasil

    Paramount+ segue os demais streamings e reajusta preço no Brasil

    Após ter aumentado assinatura no mercado norte-americano, plataforma também terá novos valores no País a partir de setembro