Após embate com Musk, PL das Fake News ganhará novos rumos

Buscar

Após embate com Musk, PL das Fake News ganhará novos rumos

Buscar
Publicidade

Sem categoria

Após embate com Musk, PL das Fake News ganhará novos rumos

Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados, anunciou a criação de um grupo de trabalho para debater um novo projeto após conflito entre Musk e Alexandre de Moraes


10 de abril de 2024 - 9h30

A chamada PL das Fake News, que levanta a regulamentação das redes sociais e atividades das big techs no Brasil no que diz respeito à disseminação de notícias falsas, poderá passar por mudanças.

Na última terça-feira, 9, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, comunicou a criação de um grupo de trabalho para elaborar um novo texto para o projeto de lei.

pl das fake news

Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados, em coletiva de imprensa na última terça-feira, 9 (Crédito: lula Marques/Agência Brasil)

Desde o último final de semana, o Brasil e o mundo vem assistindo ao embate entre Elon Musk, dono do X (antigo Twitter) e Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Nos últimos dias, o bilionário criticou o ministro nominalmente em seu perfil no X. Musk acusou o ministro de censura à liberdade de expressão na plataforma. Moraes, por sua vez, pediu abertura de inquérito para investigar a conduta do empresário.

O embate aqueceu o diálogo sobre a regulamentação nas redes sociais – tema já previsto na chamada PL das Fake News. O Projeto de Lei PL 2630/20, atualmente em tramitação na Câmara, foi proposto em 2020 pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania/SE) e aprovado no mesmo ano. Apesar disso, próxima do prazo de votação, foi adiada por Lira em maio do ano passado. O PL também sofreu diversas ofensivas por parte das gigantes da tecnologia.

Agora, Lira defende, segundo a Agência Brasil, a apresentação de um projeto “mais maduro”. Segundo ele, a análise foi prejudicada pela contaminação com narrativas de censura e violação à liberdade de expressão, e que a última versão do projeto, fruto de parecer do relator Orlando Silva (PCdoB – SP), foi “polemizado”.

Ainda não há informações sobre o novo relator e membros do grupo de trabalho, mas o novo texto deverá ser apresentado nos próximos 3 a 40 dias.

Além disso, há a intenção de abordar temas atuais, como o da regulamentação da inteligência artificial. O texto já contava, por exemplo, com uma subdivisão voltada para streamings e questões envolvendo direitos autorais.

Musk e a regulamentação das redes sociais

Na segunda-feira, 8, o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), manifestou-se sobre os ataques de Elon Musk. Em nota oficial, ele apontou que “qualquer empresa que opere no Brasil está sujeita à Constituição Federal, às leis e às decisões das autoridades brasileiras”.

O PL das Fake News ainda foi citado pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Ele defendeu a regulamentação das redes sociais e afirmou que a aprovação do projeto de lei seria fundamental para o cenário regulatório das plataformas no Brasil.

“Não é censura, não é limitação à liberdade de expressão. São regras para o uso dessas plataformas digitais para que não haja captura de mentes de forma indiscriminada, que possa manipular informações, disseminar ódio, violência, ataques às instituições”, disse.

Publicidade

Compartilhe

Veja também