Fortalecendo o tecido da comunicação

Buscar
Publicidade

Opinião

Fortalecendo o tecido da comunicação

O investimento que precisa entrar no orçamento de marketing e publicidade das empresas em 2024


18 de janeiro de 2024 - 14h00

Imagine a marca como um tecido que, para crescer, precisa ser habilmente costurado a agências e martechs, em um alinhamento funcional que atenda às demandas do mercado. Estruturar uma empresa por meio de uma marca permite que ela escale projetos digitais. Porém, isso não é feito sozinho, e é necessário desenvolver essa costura.

Para que essa ascensão aconteça, é preciso promover a interação entre três eixos: empresas de tecnologia e infraestrutura, com soluções cloud computing; martechs, capazes de criar produtos que resolvam dores do marketing e publicidade; e agências, que atuam como facilitadoras desse contato.

Isso porque entender cada vez mais dados e transformá-los em informações estratégicas e em decisões de negócio é elemento-chave para impulsionar o potencial competitivo da companhia.

Entretanto, esse processo não é simples, exige armazenamento em larga escala, inteligência de interpretação rápida e identificação de informações que oferecem vantagens competitivas.

Ou seja, quando falamos em investimento, o foco está na capacidade da marca em estruturar um ecossistema de tecnologia e dados capaz de reduzir custos de produção e potencializar performance em vendas.

Martechs no radar

No mundo digital e em constante transformação, a falta de governança e centralização de ativos digitais prejudica a capacidade das organizações em permanecerem competitivas. Por isso, aquelas que não investirem em soluções desenvolvidas por martechs estarão constantemente reiniciando seus esforços, incapazes de evoluir de forma contínua.

Nesse contexto, Inteligência Artificial e recursos tecnológicos não são o suficiente se a empresa não tiver uma base histórica sobre tudo o que acontece – e aconteceu – em campanhas e ações anteriores. Afinal, a capacidade da máquina em entender o que ela pode fazer de melhor tem a ver com aquilo que já foi feito e qualificado.

É aí que entra o DAM

Com a capacidade de otimizar em até 80% de toda a comunicação de uma grande marca, a plataforma DAM trabalha com diversos fornecedores, agências e produtoras concomitantemente.

É justamente essa possibilidade de governança que potencializa a inteligência da marca em relação aos seus competidores e mercado, triplicando o retorno sobre investimento das campanhas que são organizadas por esse tipo de tecnologia.

Por isso, o DAM é a base, o centro e o cerne de um ecossistema digital. Ele pode ser considerado o orquestrador de materiais que vão desde informações de produtos e contratos até materiais de comunicação, provendo, para outros canais ou plataformas digitais, informações e ativos corretos, precisos, consistentes e praticamente em tempo real.

A solução pode ser integrada a plataformas terceiras digitais, se conectando em todo o ecossistema de uma grande corporação, e estar alinhada às diretrizes da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) e da GDPR (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados) – quando estamos falando de marcas globais. Além disso, o DAM pode ser acessível para todo e qualquer usuário ou entidade atrelado à grande corporação, e contar com políticas de acesso que respeitam o compliance da marca.

Nesse contexto, o DAM não apenas revoluciona os processos internos das empresas, mas também redefine os padrões de eficiência e inovação em escala global. Diante disso, a capacidade de otimizar, automatizar e distribuir ativos digitais é uma das chaves para o sucesso em um mundo cada vez mais conectado e competitivo.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • A estratégia por trás dos naming rights no Brasil

    O mercado brasileiro de naming rights ainda está em estágio inicial, mas com grande potencial de crescimento

  • Branding e influência: valores e conexão

    Os consumidores, informados como nunca, colocam grande importância na autenticidade e na integridade das marcas que escolhem apoiar ou consumir