Ambev e Red Bull adotam RA e metaverso para processos seletivos

Buscar
Publicidade

Notícias

Ambev e Red Bull adotam RA e metaverso para processos seletivos

Empresas exploram as possibilidades de ferramentas para se aproximar da linguagem e aspirações dos jovens

Preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem:


13 de setembro de 2022 - 11h57

A transformação digital tem mudado a dinâmica das empresas nos últimos anos. Desde a automatização de processos até nova abordagem centrada nos dados, a tecnologia se torna ainda mais parte do dia a dia dos colaboradores para entregar experiência mais fluida e assertiva para o consumidor. Nessa onda, a digitalização chegou também aos processos seletivos das companhias.

Recrutamento Red Bull usou filtros do Instagram

Iniciativa da Red Bull apostou em filtros de realidade aumentada no Instagram (Crédito: Divulgação)

Em abril, a Ambev, proprietária de marcas como Brahma, Beats e Budweiser, anunciou que estava levando seu processo de estágio regular e o Representa, voltado exclusivamente para pessoas pretas, para o metaverso. Na verdade, o processo contava com quatro etapas: inscrição, teste, vídeo e challenge.

A interação com o metaverso de Ambev se dava logo após a inscrição. Lá, os participantes podiam criar seus avatares com mais de 20 milhões de possibilidades de customização. Também tinham a alternativa de interagir com os personagens não jogáveis (NPCs), que representam os colaboradores da companhia e ajudam os inscritos com informações sobre como participar da dinâmica de grupo, usar o Zoom e outras atividades.

Já no fim de agosto, foi a vez da Red Bull incluir tecnologia no seu processo. Os estudantes interessados podiam se inscrever de duas formas: via site ou por meio de dinâmica no Instagram usando filtros de realidade aumentada (RA). A ferramenta usa reconhecimento facial e perguntas randômicas para questionar os jovens sobre situações clássicas do ambiente de trabalho. A partir desse processo, os 15 universitários considerados mais criativos foram convidados a ingressar na dinâmica de grupo do programa de estágio.

Objetivos e vantagens da tecnologia no recrutamento
Em linhas gerais, o grande objetivo das companhias com as estratégias é reforçar sua imagem como empresas inovadoras e, consequentemente, atrair profissionais que também comunguem desse perfil. Existe, ainda, o desejo de se aproximar da linguagem e das aspirações desses jovens.

“Costumamos dizer que o game ajuda o candidato a conhecer a empresa, mas também ajuda a empresa a conhecer o candidato. O conceito de metaverso pode ser superficial por enquanto – uma realidade paralela que acontece em um mundo virtual, onde é possível realizar diversas atividades – e é por isso que investimos numa forma de tornar a conexão com as pessoas mais fácil, permitindo interação a partir de avatares criados para esse propósito sem deixar o contato humano de lado”, afirma Carmella Martinelli, gerente nacional de atração de talentos da Ambev.

Parceiros e gamificação
Para desenvolver as dinâmicas, tanto a Ambev quanto a Red Bull contaram com a ajuda de parceiros. O metaverso da Ambev foi criado pela Pushstart, empresa responsável por desenvolver ambientes digitais. Para o processo de estágio, a companhia trabalhou com os times de recrutamento e seleção e de diversidade da empresa. Já o filtro de Red Bull Brasil foi trabalho em conjunto com a BETC Havas.

Para além das ações pontuais, as empresas reconhecem a gamificação como tendência para o contexto de recrutamento. O conceito foi impulsionado pela pandemia da Covid-19 e peas dinâmicas virtuais, assim como pelo avanço de startups focadas no setor.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Estudo mostra marcas mais usadas por criminosos digitais

    Estudo mostra marcas mais usadas por criminosos digitais

    Dentre as 30 marcas, as três mais usadas para fraudes são Microsoft, DocuSign e Amazon

  • Quando os “carros voadores” decolarão no Brasil?

    Quando os “carros voadores” decolarão no Brasil?

    Os eVTOLs prometem revolucionar a mobilidade urbana nos próximos anos, mas a falta de regulamentação e o alto investimento ainda são entraves ao setor