O quê o SXSW e o Museu do Futuro me ensinaram sobre saúde mental

Buscar
Publicidade

Opinião

O quê o SXSW e o Museu do Futuro me ensinaram sobre saúde mental

A saúde mental roubou a atenção de participantes do SXSW e visitantes do Museu do Futuro, em Dubai


20 de março de 2023 - 17h05

Museu do Futuro, em Dubai (Crédito: MDXB/shutterstock)

Quando você pensa no SXSW, espera-se conversas sobre tecnologia, inovação, VR, metaverso, robôs. Mas o que acha de meditar em uma palestra de psicodélicos?  

E quando você fala que vai visitar o Museu do Futuro em Dubai e dá de cara com um andar inteiro com imersão de como relaxar a mente e aumentar o foco através dos sentidos. Você fica assustado, certo? Pois bem, foi isso que aconteceu comigo! 

Desembarquei em Austin, Texas, no último dia 10, ansiosa para mergulhar no mundo das conversas sobre inovação e tecnologia no famoso evento South by Southwest. E não demorou muito para perceber que um tema em particular estava tomando conta das conversas e palestras: a saúde mental. Em cada canto do evento havia uma discussão sobre o assunto, deixando claro que o tema não é mais tabu. Ao todo foram mais de 19 encontros para abordar o conteúdo. Só de psicodélicos temos mais de 15. O fato de a saúde mental estar em evidência por aqui, um evento conhecido por apresentar as mais recentes tendências em inovação, significa que, sem uma consciência sã, estamos fadados ao fracasso como sociedade. 

Essa tendência não é exclusiva do SXSW, e pude constatar isso em uma outra viagem há pouco mais de um mês que fiz a Dubai, e tive a oportunidade de conhecer o Museu do Futuro, inaugurado em fevereiro de 2022. Ele é separado em algumas partes temáticas: a seção “Cidades Inteligentes” destaca a importância de tecnologias avançadas para melhorar a qualidade de vida urbana, enquanto a seção “Saúde e Bem-Estar” explora as últimas inovações em cuidados de saúde mental e medicina preventiva. A seção “Robótica e Inteligência Artificial” exibe o papel crescente que a tecnologia está desempenhando em nosso mundo, e a seção “Viagem e Exploração” apresenta os desafios e oportunidades da exploração espacial e o futuro das viagens. Dentro do museu, é possível encontrar dados como este: “em 2030, a depressão irá ultrapassar a obesidade como o maior risco de saúde no mundo. E mesmo com nossa abundância tecnológica, a solidão e a ansiedade continuam em uma crescente.” Preocupante, não é mesmo? 

E como todo esse universo da inteligência artificial, das novas tecnologias e do metaverso, por exemplo, podem influenciar de fato nossa saúde mental? Todo esse debate, tanto no Museu do Futuro, como aqui no SXSW, me chamou a atenção, pois não esperamos que este assunto seja um dos focos principais de um festival de inovação. Mas que bom que foi. Vejam só alguns conteúdos de palestras que estavam presentes por aqui: 

  • Saúde Mental e o Empreendedor 
  • Saúde Mental na Indústria da Música 
  • Dados Cerebrais e o Futuro da Saúde Mental 
  • Saúde Mental Feminina e as Olimpíadas 
  • Cuidado com as Máquinas: Tecnologia e Saúde Mental 
  • Mentes Abertas: Inovação em Consciência, Psicodélicos e Saúde Mental

Isso foi só uma pitada de um leque enorme de encontros para falarmos e pensarmos sobre como estamos evoluindo com nossa capacidade de nos relacionarmos, trabalharmos e vivermos de fato. Como a agilidade dos dados está impactando na minha ansiedade? E o  AI, será que ainda podemos confiar no que vemos, lemos e ouvimos? Será que o VR vai diminuir a saudade ou ele vai fazer com que vivamos em uma bolha de ilusão?  

E para além da saúde mental, também encontrei pessoas que estão tentando resolver alguns desses pontos. Imagine um futuro em que possamos hackear nossos corpos, curar a insônia e tornar nossas deficiências coisas do passado. Esse mundo impensável para nós foi tema do painel de Phnam e Mardis Bagley, da Nonfiction Design. Para eles, ao unirmos design, ciência, tecnologia e modelos de negócios sustentáveis podemos moldar um amanhã melhor para todos. Dá para imaginar uma empresa que diz criar bases de uma vida melhor dentro e fora do planeta Terra?  

E caso você tenha dificuldades para dormir, eles têm a solução: a primeira faixa eletrônica de cabeça do mundo para imitar e melhorar os padrões naturais de sono do seu cérebro. Ficou curioso?? Então corre aqui neste link. 

Já os psicodélicos nos fazem lembrar da tão famosa frase de Sócrates, lá no século V a.C. “Conhece-te a ti mesmo e conhecerá o universo e os deuses”! Pois é, esse é o mantra de Deepak Chopra, que explorou em seu painel a necessidade de a humanidade se concentrar no trabalho interno tão necessário para buscar a cura. E por meio da conexão entre terapia com psicodélicos, consciência e saúde mental, seria possível achar algum caminho que faça sentido para aqueles que buscam qualidade em saúde mental. 

Na feira de Realidade Aumentada, também encontrei algumas aplicações superinteressantes que nos ajudam a sermos mais empáticos como a experiência ”Lou” que nos transporta para as histórias, sensações e olhares de uma pessoa autista.  

A depressão e a ansiedade se tornarão os maiores males até 2030, de acordo com os dados do Museu do Futuro. Mas que bom que existam tantas alternativas para encontrarmos um equilíbrio na vida e preservarmos nossa saúde mental, não é mesmo? Mas a pergunta é, o que você está fazendo por você hoje? Saúde mental não é inovação! Saúde mental não é futuro, é presente!

Publicidade

Compartilhe

Veja também