Nos EUA, agências devem perder 35 mil postos de trabalho

Buscar

Nos EUA, agências devem perder 35 mil postos de trabalho

Buscar
Publicidade

Comunicação

Nos EUA, agências devem perder 35 mil postos de trabalho

Relatório da Forrester aponta queda de 49 mil empregos no mercado global de agências, considerando as sete maiores holdings


4 de junho de 2020 - 15h24

(Crédito: Aleksandar Nakic/iStock)

As agencias norte-americanas devem perder 35 mil postos de trabalho em 2020 e outros 16 mil em 2021, afirma um relatório da Forrester, levando a uma migração de talentos para outros setores e uma adoção maior de soluções de automação.

A recessão terá um impacto desigual em diferentes tipos de agências, diz o levantamento. Demissões em agências de publicidade têm sido mais severas, onde as operações perderam cerca de 15% de suas equipes. Em agências digitais e de compra de mídia, o número é menor, beirando os 7%. Isso “apontará uma aceleração estrutural em mudanças nas agências e trará novos níveis de integração, desmantelando os canais de especialidade que tradicionalmente dividiram as barreiras entre agências criativas, de mídia e de digital”, afirma o relatório.

“É uma previsão certamente triste para as agências”, afirma Jay Pattisal, analista da Forrester e autor do relatório. “Estamos olhando para um crescimento negativo de dois anos, período em que veremos a queda nos investimentos de marketing e dos serviços de agências, o que resultará em uma queda na força de trabalho”.

As agências de relações públicas também terão cortes. Nessa terça-feira, 2, a Edelman demitiu aproximadamente 390 pessoas. Segundo um e-mail interno divulgado entre os funcionários da agência, as reduções representam cerca de 7% da força de trabalho global da Edelman.

Segundo o relatório da Forrester, mais de uma dezena de agências e ad techs apresentaram redução em suas equipes, começando em março. As perdas globais ultrapassarão, ainda, os números dos EUA. As sete maiores holdings de agência irão eliminar 49 mil empregos globalmente.

O relatório também afirma que as agências não retornarão aos níveis pré-pandemia, e que CMOs precisarão ajustar suas necessidades a recursos mais escassos de seus parceiros de publicidade.

“A redução dramática de uma das fontes mais importantes para um CMO coloca em risco a habilidade do executivo para navegar por desafios novos e complexos durante a pandemia e arrisca, ainda, a habilidade de fazer com que os escritórios voltem a ter crescimento na recuperação da pandemia”, afirma o relatório.

CMOs terão “agências menores e menos opções”, para acionar, afirma Pattisal, e deverão buscar em soluções tecnológicas para insights e métricas. “Certamente não estou falando sobre trocar pessoas por tecnologia, mas usar máquinas para ajudar as agências e o talento forte que ainda existe nelas”, afirma.

*Crédito da imagem no topo: DKosig/iStock

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Campanhas da Semana: da TV ao cinema

    Campanhas da Semana: da TV ao cinema

    Warner Bros traz Nina Baiocchi e Toninho Tornado para promover a estreia de Twisters e Nubank convida Ana Maria Braga para ser herdeira da Casa do Dragão

  • Patrocinadora do COB, XP destaca elite do esporte brasileiro

    Patrocinadora do COB, XP destaca elite do esporte brasileiro

    Campanha reforça compromisso da marca em investir nos atletas e traz Alisson dos Santos, Rafaela Silva, Stephanie Balduccine como protagonistas