Boa Esporte causou efeito avesso ao da Chapecoense

Buscar

Marketing

Publicidade

Boa Esporte causou efeito avesso ao da Chapecoense

Segundo Eduardo Muniz, sócio diretor da Top Brands, estratégia do clube mineiro deve gerar perdas financeiras e rejeição em âmbito nacional

Bárbara Sacchitiello
15 de março de 2017 - 11h21

Bruno-BOA-destaque

Bruno foi apresentado oficialmente pelo clube na terça-feira, 14 (crédito: reprodução)

Perdas financeiras, rejeição e falta de credibilidade. Esses são os passivos que o Boa Esporte Clube conseguiu ao anunciar oficialmente a contratação de Bruno Fernandes das Dores de Souza para sua equipe nesta terça-feira, 14. A análise é de Eduardo Muniz, sócio-diretor da Top Brands, que acredita que, ao se envolver em uma contratação que, inevitavelmente, geraria polêmica, o clube deveria estar ciente dos riscos e problemas que sua postura poderiam acarretar.

Antes mesmo do anúncio oficial da contratação, o clube já sentiu os impactos financeiros de sua escolha. Cinco marcas que patrocinavam ou apoiavam o time anunciaram o rompimento dos contratos: Góis & Silva, Nutrends, Cardiocenter, Kanxa e Magsul. Na opinião do consultor, a atitude dessas empresas não causou espanto. “Vejo essa decisão das marcas de deixar o clube como algo bem natural. Episódios recentes de crises com atletas no universo esportivo em todo o mundo já demonstraram que, para as empresas, a máxima do ‘falem mal, mas falem de mim’, já não funciona mais”, acredita o consultor.

Na opinião de Muniz, a curto prazo, a contratação do jogador (condenado em 2013 a 22 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado e libertado no mês passado, por um habeas corpus) só traz impactos negativos ao clube. “As pessoas já estavam, de certa forma, indignadas com a soltura do Bruno. E, logo em seguida, o anúncio da contratação inflamou ainda mais as reclamações”, analisa. Para o profissional, é difícil não atribuir a atitude do Boa Esporte a uma estratégia oportunista. “É praticamente inevitável não pensar nesse cenário. Se ainda fosse um clube com histórico de preocupação com questões sociais e recuperação de indivíduos, essa negociação ainda faria sentido. Mas, da forma como foi, causa a impressão de ter como meta apenas conseguir visibilidade”, acredita.

 Chapecoense às avessas
De acordo com o consultor, o pior saldo resultante dessa contratação nem é a perda de patrocinadores, mas sim a enorme rejeição causada no público de todo o País. “Claro que a perda de receitas de patrocínio prejudica muito um clube, mas creio que eles consigam contornar isso porque sempre há empresas que também compram esse discurso oportunista e queiram se vincular ao clube. Mas o maior passivo que o Boa Esporte terá é a antipatia da sociedade. Embora com situações totalmente diferentes, eles conseguiram exatamente o oposto da empatia que a Chapecoense despertou nas pessoas na ocasião da tragédia”, compara Muniz, citando a forte comoção que o clube catarinense gerou após o desastre aéreo ocorrido na Colômbia, em novembro de 2016.

Questionado sobre algum efeito positivo da contratação de Bruno para o clube, o consultor acha que é pouco provável que a equipe mineira colha algum fruto de sua estratégia. Mas, caso isso aconteça, deve demorar um longo tempo. “Para que essa contratação seja vista com bons olhos é necessária a combinação de duas variáveis. A primeira é a absolvição de Bruno das pendências judiciais e, a segunda, é seu comportamento como cidadão e atleta. Se daqui a um longo tempo, o jogador realmente for bem sucedido no clube e receber a absolvição judicial, o Boa Esporte terá como trunfo o fato de ter sido o único a apostar em sua recuperação”, pontua.

Visibilidade efêmera
O profissional faz questão de ressaltar que, se a contratação de Bruno foi motivada apenas para gerar visibilidade ao clube na mídia, a estratégia, em breve, se mostrará ineficiente. “Regionalmente, o time ainda terá muita repercussão e atenção da imprensa e do público. Mas, em aspecto nacional, a tendência é que o assunto seja, aos poucos, esquecido, voltando à tona apenas em circunstâncias especiais, seja por conta do desempenho do Bruno em campo ou de alguma reviravolta judicial”, aposta.

Publicidade

Compartilhe