Um mindset positivo e a visão de Peter Diamandis

Buscar

Marketing

Publicidade

Um mindset positivo e a visão de Peter Diamandis

No Abundance 360 no Rio, Peter Diamandis defendeu sua visão otimista de mundo e desafiou o mercado a encarar desafios como oportunidades

Teresa Levin
31 de agosto de 2018 - 19h01

Peter Diamandis comandou o evento Abundance 360 no Rio (Crédito: Divulgação)

Se os desafios atuais são inúmeros, em meio a tecnologias exponenciais como inteligência artifical, redes, sistemas, realidade virtual e outras inovações, o caminho é um só: encará-los como oportunidades. Esta é a crença de Peter Diamandis, cofundador da Singularity University, na Califórnia, e ainda nome a frente da XPrize Foundation e do projeto Abundance 360. Foi através dele, com organização da Steiner Consultoria e do Experience Club, que o executivou passou a quinta-feira, 30, e a sexta-feira, 31, a frente do Abundance 360 Rio, no Copacabana Palace. Ao longo dos dois dias, ele apresentou as últimas novidades em tecnologias exponenciais e defendeu que em meio a um mundo em que se fala em escassez de recursos, basta olhar os dados para ver que a humanidade caminha para um futuro de abundância.

“Podemos lidar com os problemas em três anos ou começar agora. Nos preparar para escolhas difíceis mas oportunidades maravilhosas. Vamos criar uma energia abudante”, convocou a plateia de 150 pessoas em seu discurso de encerramento do evento. Nesta sexta-feira, um dos destaques foi justamente o impacto das tecnologias exponenciais nas mais variadas indústrias e para falar do tema esteve no evento Guilherme Horn, diretor de inovação da Accenture. Ele apresentou dados de uma pesquisa desenvolvida pela consultoria com mais de três mil empresas de todas indústrias e setores no mundo. Entre elas, 68% disseram que deveriam sofrer uma disrupção nos próximos três anos. “Três pontos chamam a atenção na forma como disruptores agem: redução dramática nos preços, experiência superior e quebra das barreiras de entrada da indústria”, disse Horn.

Entre os segmento com maior vulnerabilidade, apareceram no estudo Mercado e Capitais, Bancos, Viagem, Saúde e Seguros. “Mas a disrupção pode ser uma grande oportunidade para incubentes, não tem que representar ameça”, afirmou, seguindo o raciocínio também defendido por Diamandis. Para o executivo da Accenture, para inovar em uma empresa, é necessário apostar em uma quantiade de ideias, na diversidade de profissionais em sua equipe e também no fluxo destas ideias. Ele apontou que empresas bem sucedidas em inovação tem três pilares muito fortes: governança, mindset e incentivos. “O que está mudando e fazendo com que empresas bem sucedidas se sobressaiam? Uma natureza da colaboração, criando um ecossistema de parceiros que vão junto comigo resolver os problemas. As empersas que tiverem isso em mente estão preparadas para sobreviver no mundo digital”, disse.

Diamandis também deu um conselho válido para todos os segmentos e que aplica em seus negócios: contratar oito, dez millenials para mergulharem nas atividades da empresa, levantando os riscos, o que pode fazer com que quebre a operação, oportunidades etc. “Eles vão voltar com uma lista de formas de matar seu negócio e oportunidades que criariam para incrementá-lo”, disse, apostando que daí possam surgir várias alternativas para o futuro. Ele complementou lembrando que a habilidade de levar uma empresa do lugar em que está para um caminho próspero depende de seus líderes. “Vivemos em uma época em que nos próximos dez anos dá para fazer dez vezes mais dinheiro do que você fez até agora. É uma escala de oportunidades com tecnologias como inteligência artificial, nanotecnologia e outras que promoverão transformações massivas”, disse. Para, ele é fundamental manter a conversa em torno do tema, para que ele esteja no mindset constantemente.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • peter diamandis

  • Guilherme Horn

  • Accenture

  • XPrize

  • Steiner Consultoria

  • Experience Club

  • Abundance 360

  • Inovação

  • tecnologia

  • inteligência artificial