Viva e Deixe Viver: novas parcerias e mudanças institucionais

Buscar

Marketing

Publicidade

Viva e Deixe Viver: novas parcerias e mudanças institucionais

Associação em prol da leitura em hospitais apresenta, nesta segunda-feira, 29, resultados de 2018

Victória Navarro
29 de abril de 2019 - 19h00

Pfizer, Mahle, Volvo, UOL, Riachuelo e Pernambucanas são as marcas que apoiarão, neste ano, a associação Viva e Deixe Viver. O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 29, durante o Balanço Social 2018, evento que busca prestigiar e apresentar os resultados do ano passado da associação sem fins lucrativos em prol da educação e da cultura no ambiente da saúde por meio de leitura e de brincadeiras.

Em 2018, o patrocínio representou 89% das receitas da entidade; doações, 7%; e palestras e oficinas, aplicação financeira, mantenedores e produtos, 1% cada. Além disso, no ano passado, a Viva e Deixe Viver contou com o apoio de 1243 voluntários, responsáveis por contar histórias em hospitais, e 187 pessoas à frente da gestão e administração de atividades na associação no Brasil; e atendeu 97.805 crianças.

Segundo Valdir Cimino, presidente da entidade, “a Viva aposta nos espaços probono de qualquer veículo de comunicação interessado nos materiais desenvolvidos in house, pois acredita que um meio é composto de informação, entretenimento e investimento no desenvolvimento social”. A associação não faz investimentos publicitários, pois o foco principal da Viva e Deixe Viver está no desenvolvimento de voluntariado. “Nossos projetos, alinhados a leis de incentivo ou não, permitem verbas muito pequenas para folheteria e utilização das redes sociais”, adiciona.

Os resultados de marketing da associação estão ligados à aproximação de marcas ligadas a qualidade de vida e bem-estar, conta o presidente. “A cada real investido na Viva, devolvemos sete reais em capital humano, ou seja, nossos voluntários em 2018 doaram mais de 133 mil horas à entidade”, fala.

Neste ano, a Viva e Deixe Viver coloca no ar continuação da campanha “1 milhão de amigos”. Os atores Alexandra Richter, Paulinho Vilhena, Tuca Andrada e Eva Wilma, a jornalista Regina Volpato, o apresentador Marco Luque e o influenciador digital Leo Picon participam da comunicação, veiculada em TV e redes sociais. Confira a campanha “1 milhão de amigos”, divulgada há cerca de um ano:

1 Milhão de amigos

Acesse www.vivaedeixeviver.org.br/1-milhao-de-amigos e participe.

Publicado por Associação Viva e Deixe Viver em Quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

A Viva e Deixe Viver está presente em 91 hospitais, divididos em 23 cidades e sete estados brasileiros. O Balanço Social 2018 constatou que o trabalho da associação tem motivado 73% dos pais a lerem mais para os seus filhos; 95% a acreditarem que contar histórias aproxima-os de suas crianças; e 99% a acharem que a atuação dos contadores ajuda no bem-estar e recuperação de seus filhos.

“Nossos contadores de histórias precisam acompanhar a evolução dos tempos”, diz Valdir Cimino, presidente da Viva e Deixe Viver

A associação também tem colhido resultados da Bisbilhoteca Viva, portal que oferece diversos conteúdos culturais, em formato virtual. Criado em 2017, o espaço oferece conteúdos a partir de materiais da associação, como livros digitais, músicas, vídeos de histórias e jogos interativos. “Nossos contadores de histórias precisam acompanhar a evolução dos tempos. No início, eles tinham que pedir licença para desligar a TV e abrir um livro. Com a invasão de tablets e celulares, iniciamos uma pesquisa para o desenvolvimento de um serviço via internet”, conta. O serviço da Bisbilhoteca Viva está sendo levado para salas de aula.

 

Em 2018, a Viva e Deixe Viver contou com o apoio de 1243 voluntários, responsáveis por contar histórias em hospitais,  e atendeu 97.805 crianças (crédito: Pixabay/Pexels)

Governança corporativa
Desde fevereiro de 2018, a Viva e Deixe Viver está mudando sua governança corporativa. Em parceria com o Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), a associação tem reformulado missão, visão e valores, desenhado planejamento estratégico e analisado sucessão de Valdir. As etapas do processo consistem em levantar quais eram as fraquezas e ameaças da Viva e Deixe Viver, criar formas e eliminar pontos negativos da imagem da entidade e revisar organograma – diretoria e conselhos – e projetos executados pela associação. De acordo com o presidente, no momento, a Viva e Deixe Viver está na fase de construção de um plano de mobilização de recursos, tendo em vista garantir sustentabilidade via recursos livres e de forma menos dependente as leis de incentivo. “Nossas expectativas para 2020 e os próximos nãos é de prosperidade, humanização, ordem, progresso e amor”, diz Valdir.

*Crédito da foto no topo: Sumit Mathur/Pexels

Publicidade

Compartilhe