Granado chega aos 150 em crescimento

Buscar

Marketing

Publicidade

Granado chega aos 150 em crescimento

Botica mais tradicional do País deve inaugurar sete lojas em 2020, duas já confirmadas em São Paulo; aniversário tem direito a exposição que vai até maio no Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro

Roseani Rocha
16 de janeiro de 2020 - 18h21

Uma das primeiras lojas da marca, que ainda se apresentava como farmácia e drogaria (Crédito: Divulgação)

No dia 6 de janeiro, a Granado Pharmácias completou 150 anos de vida no mercado brasileiro. Para comemorar o marco, a companhia fundada em 1870 pelo português José Antonio Coxito Granado deu início nesta 4ª-feira, 15, no Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro a uma grande exposição.

Com curadoria das historiadoras Ana Maria Pereira de Almeida e Jacqueline de Araujo, a mostra, que vai até 3 de maio e pretende receber cinco mil visitantes por mês, faz paralelos entre o desenvolvimento da empresa, da farmácia e da publicidade, assim como o da própria cidade do Rio, onde foi fundada.

Detalhes da linha de produção nos primeiros anos da empresa (Crédito: Divulgação)

A exposição “A história da botica mais tradicional do Brasil” terá mais de 300 itens que fazem parte do acervo da companhia, sendo alguns dos destaques fotos de Marc Ferrez e Augusto Malta, um porta-essência de vidro em formato de ovo, garrafa do Rob Desobstruinte, remédio usado pelo Imperador D. Pedro II, e artes finais assinadas por T. Tarquino.

No final, o visitante também conhece os processos de produção e desenvolvimento de produtos e adentra o universo da perfumaria em duas salas interativas. A empresa não divulga quanto investiu na montagem da exposição, mas revela que pretende levá-la para outras praças, como São Paulo, Brasília e Belo Horizonte.

Organização de estoque (Crédito: Divulgação)

Ao ser questionada sobre o desafio de não apenas manter viva uma marca tão tradicional, mas ainda inová-la para atrair novos consumidores, Sissi Freeman, diretora de marketing da Granado, admite que pelo fato de a marca ser muito querida, essa responsabilidade é gigante. Segundo ela, seu pai – o inglês Christopher Freeman – sempre se preocupou em manter a tradição e longevidade da marca, desde que a adquiriu, há 26 anos. “A solução que encontrou foi sempre buscar manter e melhorar a qualidade dos produtos e diversificar as vendas através de uma maior variedade de mix e novos negócios como as lojas próprias e vendas online”, conta Sissi.

Ao longo de sua história, em anos mais recentes, a Granado teve alguns episódios importantes. Em 2004, adquiriu a Phebo; quatro anos depois lançou sua operação de e-commerce; e em 2016 a espanhola Puig – que controla marcas como Carolina Herrera e Jean Paul Gaultier – comprou 35% da Granado, por R$ 500 milhões, segundo o noticiário econômico. O negócio foi visto como uma opção de expansão das marcas da Granado no mercado externo, já que o Puig está presente em 150 países.

Marca desenvolveu kits de produtos comemorativos dos 150 anos (Crédito: Divulgação)

As marcas da Granado começaram a ser vendidas no exterior em 2013, com uma loja no Le Bon Marché, de Paris. Quatro anos depois, houve a inauguração de sua primeira loja conceito no exterior.

No Brasil, em 2019 a Granado cresceu 15% e, por isso, continua otimista. Em 2020, a empresa planeja inaugurar sete lojas no País. Duas delas já estão confirmadas: na rua Oscar Freire e no Mooca Plaza Shopping, ambas na capital paulista.

(*) Crédito da imagem no topo: Reprodução site Granado

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Christopher Freeman

  • sissi freeman

  • josé antonio coxito granado

  • ana maria pereira de almeida

  • jacqueline de araujo

  • Puig

  • Phebo

  • Granado

  • Beleza

  • cosmeticos

  • Gestão

  • história corporativa

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”