Coronavírus afeta principais companhias aéreas brasileiras

Buscar

Marketing

Publicidade

Coronavírus afeta principais companhias aéreas brasileiras

Azul adiou lançamento de rota para Nova York quando viu valor de mercado cair mais de 30% na quinta-feira, 12; Gol e Latam também registram quedas


13 de março de 2020 - 17h46

Companhias aéreas remarcam voos e adiam lançamentos em meio à crise do novo coronavírus (Crédito: Reprodução/Azul)

O efeito do novo coronavírus está presente nas mais diversas áreas da economia. Uma das que mais sofreu, entretanto, foi a das companhias aéreas, mais especificamente, as brasileiras. Primeiro, com o abalo do turismo mundial. Depois, com a decisão do presidente estadunidense Donald Trump de cancelar as viagens vindas do continente europeu aos Estados Unidos.

A relação pode parecer paradoxal, já que as empresas atuam majoritariamente em território nacional. Entretanto, o segmento já vinha de uma época difícil, com relatórios consecutivos apontando operações deficitárias.

Ao fechamento do pregão de quinta-feira, 12, na bolsa de valores de São Paulo, todas as companhias aéreas registraram fortes quedas. A Azul perdeu mais de 30% de seu valor e a Gol, também. As ações da Latam, negociadas na Bolsa de Nova York, chegaram a cair cerca de 20% no período.

Para a Azul, entretanto, a situação é ainda mais complicada. A empresa iniciaria sua rota para Nova York, nos Estados Unidos, em junho. Na quinta-feira, 12, anunciou que deixaria a novidade para setembro.

Analistas ouvidos pela agência Reuters apontam que o impacto nas companhias brasileiras foi mais forte do que em suas colegas estrangeiras por conta da incerteza sobre o bom desempenho do setor financeiro brasileiro. Além disso, o segmento das aéreas é historicamente volátil. Esses fatores combinados fazem com que investidores concentrem recursos em mercados mais seguros, mesmo que sejam esses os mais afetados pelo novo coronavírus.

O mercado brasileiro registrou aumento de 0,76% em voos domésticos em 2019 em relação ao ano anterior. O desempenho foi o menor ritmo de expansão desde 2016, quando o indicador registrou queda de 5,67%. A demanda por voos internacionais, por sua vez, ficou praticamente estável, com variação positiva de 0,02%. Ao todo, foram transportados 95,3 milhões de passageiros no País, alta de 1,74% sobre 2018. Somando os passageiros transportados em voos internacionais, o total de viajantes na aviação brasileira chegou a 104,4 milhões de pessoas, aumento de 1,36%. Os dados da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) englobam as operações da Gol, Latam, Map, Twoflex e Voepass, além da Avianca Brasil (até abril) e números agregados das demais empresas brasileiras.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Gol

  • Latam

  • Azul

  • Map

  • Reuters

  • Avianca Brasil

  • abear

  • twoflex

  • voepass

  • Negócios

  • Viagens

  • companhias aéreas

  • coronavírus