América Latina terá queda de até 20% em venda de celulares

Buscar

Marketing

Publicidade

América Latina terá queda de até 20% em venda de celulares

Efeito do coronavírus será especialmente grave no Brasil, aponta IDC, onde fábricas já começaram a parar suas produções

Salvador Strano
16 de março de 2020 - 15h19

Crédito: Bigtunaonline/iStock

A crise global gerada com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) será responsável por uma queda que pode chegar a 10% na venda de dispositivos móveis na América Latina, segundo a consultoria IDC. No pior cenário possível, entretanto, essa retração pode chegar a 20%.

Ricardo Mendoza, analista da empresa para a região, explicou, em nota, que embarques e a produção de smartphones e de componentes como sensores de impressão digital, touch pad e até memórias têm diminuído em até 50%, globalmente, devido às medidas estabelecidas pelo governo chinês para conter o Covid-19.

Segundo a empresa, o Brasil deve ser um dos países mais afetados devido à baixa produção de componentes, especialmente para celulares e computadores. No País, algumas empresas já operam parcialmente ou estão agendando paralisações.

No caso do México, como todos os produtos comercializados no país são montados na China – quase 100% dos smartphones – ou em produção combinada com a Coreia do Sul, Índia ou Vietnã, haverá atrasos nos embarques. Entretanto, como ainda há estoques e carregamentos a caminho, nenhum impacto é esperado. O cenário deve mudar se a China continuar reduzindo sua produção.

“No geral, ainda é difícil fazer previsões. Esperamos uma contração em todos os cenários que discutimos para a região. Em uma situação realista, a América Latina pode estar em declínio de 5% até o final do ano; embora esteja prevista uma recuperação do mercado para o segundo semestre do ano”, alerta Mendoza.

No pior dos cenários, a pandemia não será contida, a produção de componentes continuará baixa e a queda do mercado poderá ficar entre 15% e 20%. Já no cenário positivo, com a rápida contenção da doença, a IDC projeta um crescimento entre 0 e -2%.

A região já observa uma queda na venda de smartphones tanto pelo aumento do ticket médio como pela falta de novos consumidores.  Em unidades, as vendas na América Latina diminuíram 1,6% em 2019, em relação a 2018. No Brasil, entretanto, houve aumento de oito pontos percentuais no período.

Linhas paradas

Mas não é apenas o segmento de celulares que foi afetado pelo Covid-19. Nesta segunda-feira, 16, grandes montadoras cortaram suas produções na Europa por conta da crise do novo coronavírus. A Fiat Chrysler Automobiles suspendeu sua produção por duas semanas na maioria de suas plantas para proteger seus funcionários.

Já a Peugeot, por sua vez, afirmou que irá fechar todas suas 12 fábricas até o dia 27 de março. A Ford suspendeu a operação da fábrica de Valência até o fim dessa semana.

Apesar do bloqueio geral da Itália, o país permite que fábricas funcionem desde que sigam uma série de regras sanitárias estritas.

 

*Crédito da imagem no topo: Bet Noire/iStock

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Ricardo Mendoza

  • Ford

  • IDC

  • Fiat Chrysler Automobiles

  • Indústria

  • Economia

  • coronavírus

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”