EUA está a caminho da retomada dos eventos presenciais

Buscar

Marketing

Publicidade

EUA está a caminho da retomada dos eventos presenciais

No índice de 0 a 10 para o retorno, elaborado pela Jack Morton, em média o país tem 4,7; porém em uma base estado por estado, as classificações oscilam violentamente em ambas as extremidades da escala


17 de junho de 2021 - 19h31

(crédito: skynesher/istock)

Por Ethan Jakob Craft . P, do Advertising Age*

Como as taxas de vacinação de Covid-19 continuam subindo nos Estados Unidos, o país está quase na metade do caminho para retomar os eventos presenciais com segurança, revelam novos dados da agência experimental de marcas Jack Morton. O “Return to Live: Recovery Index” , lançado na semana passada, atribui aos estados individuais e à nação como um todo uma classificação até 10, pontuação que indica total prontidão para retomar com experiências ao vivo novamente. Em média, os EUA estão em 4,7.

Para obter uma boa pontuação no índice, é necessário que haja baixos números de casos de Covid-19 semanais, altas taxas de vacinação e “comprovada consistência e altos níveis de mobilidade do consumidor para locais como varejo e locais de lazer”, diz a agência.

“As experiências ao vivo estão rugindo em 2021”, afirmou Scott Varland, vice-presidente sênior e chefe da Jack X North America. “Esperava-se que os eventos esportivos fossem os pioneiros, mas ainda há alguma cautela no ar para outros eventos, e as marcas precisam levar em consideração algumas advertências importantes ao planejá-los”.

Os dados e as evidências empíricas estão tendendo na direção certa, mas ainda precisamos revisar cuidadosamente a localização e o contexto”, continua Varland. “Ainda há muita disparidade quando você aumenta o zoom no mapa”. Em uma base estado por estado, as classificações do índice oscilam violentamente em ambas as extremidades da escala.

Quanto mais laranja um estado estiver no mapa, mais alta será sua classificação no Índice da Jack Morton (Crédito: Jack Morton)

Desde a data de lançamento do índice, no início de junho, os estados de Connecticut, Vermont, New Hampshire, Wisconsin e Minnesota estão mais próximos de um retorno completo de eventos ao vivo, com uma pontuação média de 8,68 na escala de 10 pontos. Enquanto isso, Arizona e Louisiana estão na última posição, com pontuação de 1,0. Alabama, Texas e Carolina do Norte não estão muito à frente.

O estados com boa pontuação normalmente têm novas taxas de casos diários e semanais abaixo da média nacional e taxas de vacinação de adultos de 50% ou mais. Jack Morton observa uma “correlação positiva” entre os estados com altas pontuações no índice e aqueles com mandatos de máscara ainda em vigor ou que só recentemente foram retirados.

Geralmente, os estados com pontuações mais baixas nunca tiveram um mandato de máscara ou removeram-no antes de as recomendações de máscara revisadas do “Center for Disease Control and Prevention” serem publicadas no mês passado.

O índice também mostrou que consumidores e marcas estão prontos para retornar às experiências presenciais, com 81% das marcas pesquisadas planejando hospedar pelo menos parcialmente os eventos ao vivo até o terceiro trimestre deste ano; no quarto trimestre, esse número salta para 87%.

No entanto, cerca de dois terços de todos os “principais eventos culturais” programados em todo o mundo nos próximos 12 meses, como CES, Bonnaroo, San Diego Comic-Con e o Mobile World Congress em Barcelona, estão planejados para serem realizados de forma híbrida.

*Tradução: Amanda Schnaider

**Crédito da imagem no topo: Ajwad Creative/iStock

Publicidade

Compartilhe