Os fatores econômicos dos influenciadores

Buscar

Opinião

Publicidade

Os fatores econômicos dos influenciadores

Aproveitando o poder do engajamento digital para expandir seus negócios


27 de julho de 2018 - 10h17

As Kardashians marcam presença no Instagram (Crédito: Reprodução/Cosmopolitan)

Eu acredito no valor econômico do marketing de influenciadores e neste artigo vou mostrar como essas pessoas, em conjunto com as redes sociais, transformaram o modo pelo qual as marcas se relacionam com os consumidores.

Usarei Kim Kardashian como nossa musa e inspiração, explicando os números de engajamento e os fatores econômicos por trás do canal dela no Instagram.  Vou mostrar ainda as possíveis reduções de gastos para a sua marca se você colocar em ação, na sua estratégia, um programa de gerenciamento de relacionamento influenciador.

O importante aqui é provar os fatores econômicos por trás do aproveitamento dos influenciadores, como uma ferramenta de retenção para a sua marca.

Então vamos lá:

O marketing de influenciadores de sucesso é baseado no método de liderança criativa.  Ou seja, em um processo colaborativo, co-criativo e em constante capacitação. Um influenciador cria uma conexão real, mais próxima e autêntica com o seu consumidor. Por meio dele, a marca tem a oportunidade de estar na vida dos clientes de uma maneira relevante e de impacto, ligando os pontos ao longo do caminho.

O mundo de hoje é fortemente influenciado por pessoas, e raramente por marcas. Quando você olha para os 110 milhões de seguidores de Instagram da Kim Kardashian é impossível não se espantar. Mesmo porque as cem marcas líderes, presentes no grupo da revista Fortune 100, às vezes têm menos de 5 milhões de seguidores.

São números para se pensar: o que realmente significa influência?

“Um influenciador de verdade constrõe relacionamentos autênticos com as pessoas e as inspira” – Kim Kardashian, The Bof Podcast, 30 de abril de 2018

A principal vantagem disso é que o poder da influência mudou definitivamente para as mãos dos influenciadores com autoridade. Eles são agora criadores, produtores e alguns, como no exemplo de Kim, são distribuidores – gerando mais resultados que um canal de TV inteiro.

Uma vez que entendemos que a influência digital veio para ficar, nos deparamos com a necessidade de responder as seguintes perguntas: as redes sociais substituíram a televisão tradicional? Ou tornaram os métodos tradicionais de mídia obsoletos?

Explorando novos conteúdos 

Com este novo modelo, os influenciadores que se alinham às narrativas aos valores da marca, podem ajudá-las a fornecer conteúdo relevante e significativo para o consumidor.

Além disso, eles oferecem uma maneira econômica e ágil de criar relações pessoais com o público, em escala.

O desafio que temos como profissionais de marketing é saber identificar tendências que vieram para ficar, e ajudar a evolução de nossa disciplina, em um ambiente tão acelerado.

A velocidade com a qual a cultura está em movimento é um convite para pensarmos de forma disruptiva. Não há como continuarmos resolvendo os problemas da mesma forma como fazíamos. Se fizermos o que sempre fizemos, conseguiremos o que sempre conseguimos!

O modelo de gerenciamento de relacionamento de influenciadores ilustra o que é preciso para criar um relacionamento estratégico com aqueles que, por meio da autoridade conquistada, farão os seus negócios crescerem.

O poder do Instagram

Vamos falar sobre o Instagram Stories e o Live como parte de uma estratégia.

Uma influenciadora como Kim Kardashian obtém uma média de 9% de engajamento em uma história do IG ou de um vídeo ao vivo, enquanto o conteúdo dos canais das marcas chega a uma média de 3%.

Quando um influenciador entra ao vivo na sua página no Instagram (usando a ferramenta Live), ele está mostrando seu lado verdadeiro e realmente vulnerável.

Por que a disparidade nos números? Porque as pessoas confiam nas pessoas. O mundo está desejando conteúdo real, puro e autêntico, especialmente nesta era das #FakeNews. Como marca, temos que nos certificar de que encontramos as pessoas certas que compartilham nossos valores fundamentais.

É importante permanecer sempre fiel ao posicionamento e valores da sua marca.

Acho que o mais importante é criar uma jornada com objetivos comuns que atendem tanto à marca quanto ao influenciador, para que os dois possam crescer juntos.

Os influenciadores estão cientes do poder das suas vozes, e podem ajudá-lo a expandir seus negócios, mas todos devem sair ganhando nessa relação. Para criar valor econômico, você precisa entregar um programa que seja bom para a sua marca, para o influenciador e, o mais importante: para o cliente.

Os números não mentem

Os fatores econômicos por trás de um programa de marketing influenciador são absurdos.

Quando mapeamos os 100 principais influenciadores do mundo, temos cerca de 1 bilhão de seguidores impactados. Então, quando identificarmos micromomentos, intenções e uma paixão que une as pessoas, sua mensagem se multiplicará de forma exponencial.

Os números, por si só, são suficientes para provar porque todos devem integrar o marketing de influenciadores aos seus planejamentos estratégicos. Além desses números impressionantes, a criação de um relacionamento digital autêntico com um influenciador traz às marcas a oportunidade de voltar a segmentar seu público-alvo em escala e de uma maneira extremamente relevante para o consumidor.

Aqui, eu criei um modelo que analisa o custo de oportunidade mostrando as possíveis reduções de gastos se você focar no aproveitamento dos influenciadores para ajudar a aumentar a retenção da marca.

Cortar custos E aumentar a retenção da marca? Isso claramente ajudará a expandir seus negócios.

Os fatores econômicos dos influencidores explicados

Para os fins deste exercício, usei a taxa de engajamento estimada da Kim, em 9% por história compartilhada no seu identificador de IG. Considerando sua base de 110 milhões de consumidores, ela consegue, em média, 9,9 milhões de consumidores envolvidos com cada postagem.

Ainda mais se você considerar os regrams, contas de fãs que repostam tudo o que ela faz, e pessoas que não a seguem, mas que ainda veem o conteúdo dela nos feeds de descoberta.

Agora, vamos supor uma taxa de conversão de 3% como uma média para o setor de comércio eletrônico.  A influência de Kim pode ajudar sua marca a converter 297 mil compradores anuais (saldo anual).

De acordo com Khalid Saleh , diretor executivo e cofundador da Invesp, reter um cliente custa, em média, 5 vezes menos do que conseguir um novo.  Considerando que uma marca comum investirá US$ 55 no custo de aquisição do comprador (BAC), e US$ 11 no custo de retenção do comprador (BRC), proporcionando uma economia de US$ 44 por comprador retido.

Vamos nos divertir com isso!

Vamos supor que a taxa anual de retenção de compradores da Kim seja de 80% (isso é comparável a líderes do setor como Apple, Tesla e Amazon), dando à sua marca 238 mil clientes retidos anualmente. Agora, vamos aproveitar a economia de US$ 44 por comprador retido e multiplicar isso pelos 238 mil consumidores retidos.

Kim criaria uma economia próxima de US$ 10,5 milhões em gastos de marketing para a sua marca.

Esse tipo de economia é bom para qualquer marca.

Agora é com você

Para criar valor econômico, um programa de influenciadores deve ser bom para sua marca e para o influenciador. Isto será conseguido ao se aliar valores compartilhados e autenticidade.

Como você está aproveitando seus influenciadores para expandir seus negócios? Você identificou as vozes certas para sua marca?

#liderançacriativa #marketingdeinfluenciadores #fatoreseconomicosdainfluencia

Publicidade

Compartilhe